Presidente do WWF tergiversa ao falar de empresas e do setor agrícola

In Cerrado, De Olho na Imprensa, De Olho no Ambiente, Últimas

Em entrevista ao Valor, equatoriana Yolanda Kakabadse evita bater de frente com o poder econômico; uma das principais organizações ambientalistas do mundo, WWF recebe dinheiro do setor privado

Bem que a repórter do Valor Econômico tentou. Mas a equatoriana Yolanda Kakabadse, presidente do WWF, não se dispôs a enfrentar o poder econômico, em entrevista de uma página ao jornal. Ela apostou em enunciados genéricos e de perspectiva conciliadora, com frases como: “Todos os partidos terão que ter uma pauta verde”. Ou: “Temos que mudar hábitos de produção e consumo”.

A repórter Daniela Chiaretti – especialista em ambiente – fez uma pergunta específica sobre o setor agrícola brasileiro, que teria incorporado o discurso de que é preciso proteger o ambiente. “Em muitos casos é só discurso”, observou Daniela. A resposta de Yolanda não diz uma linha sobre o setor agrícola: ela prefere falar da escassez de água como oportunidade para educar a população.

Em outro momento a repórter volta à carga, referindo-se ao Cerrado, visto pelo setor agrícola como um bioma que serve apenas para produzir, e não como algo a ser preservado. A presidente do WWF informa que a ONG tem pouca capacidade institucional para atuar na área agrícola. “Trabalhamos muito com comunidades locais onde é fácil demonstrar o uso da água, de não destruir a floresta”, afirmou.

Ou seja: caberia à população às mudanças. No máximo ela diz que o pecuarista pode produzir carne gastando menos água.

Daniela observa que o WWF trabalha com empresas, ao contrário de outras ONGs. A equatoriana responde: “Para nós o setor privado é tão importante quanto os governos. As forças de mercado são enormes, e é enorme o potencial que têm de fazer o bem e o mal. Nossa mensagem é para todo o setor privado e a aliança são com empresas responsáveis”. (Alceu Luís Castilho)

You may also read!

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

One commentOn Presidente do WWF tergiversa ao falar de empresas e do setor agrícola

Leave a reply:

Your email address will not be published.