América do Sul perdeu 30% de suas áreas selvagens desde 1990

In Amazônia, De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Principal, Últimas

Estudo australiano publicado pela revista Current Biology recomenda limite à expansão rodoviária, extração de madeira, mineração e “operações agrícolas de larga escala”

Um estudo publicado ontem na revista Current Biology mostra que a América do Sul foi a região que mais perdeu áreas selvagens desde 1990: 30%. Seguida pela África, com 14%. A porcentagem mundial foi de 9,6%. Seis pesquisadores australianos, um estadunidense e um canadense pesquisaram os dados e fizeram recomendações para políticas globais e locais. O nome da pesquisa é significativo: “Declínio Catastrófico em Áreas Selvagens Soterra Metas Ambientais Globais”.

Os autores não consideram áreas selvagens aquelas que não são habitadas por humanos. E sim as que são mais preservadas – com a presença de indígenas, por exemplo. Coordenados por James Watson, da Universidade de Queensland, eles constataram a perda de 3,3 milhões de quilômetros quadrados em 26 anos. Em 1990, o total de áreas selvagens era de 30, 1 milhões de quilômetros quadrados.

Os pesquisadores não posam de isentos. Recomendam que as políticas públicas foquem nas “atividades ameaçadoras que têm levado à erosão recente das áreas selvagens”: a expansão rodoviária, a silvicultura, a mineração industrial e as operações agrícolas de larga escala. “Metade do desmatamento de florestas tropicais entre 2000 e 2012 foi ilegal”, constatam.

Eles consideram que as ações de conservação deveriam incluir a criação de amplas áreas protegidas, o estabelecimento de corredores de megaconservação entre as áreas protegidas e a autorização para comunidades indígenas estabelecerem suas reservas.

Figure1_final_v2
Em vermelho, áreas selvagens destruídas desde 1990; em verde, as remanescentes

Eles concluem o estudo dizendo que os exemplos positivos, inclusive no Brasil, são poucos. E defendendo ação imediata em larga escala, o que inclui plataformas políticas globais. “A contínua perda de áreas selvagens é um problema global com consequências amplas e irreversíveis para o homem e para a natureza. Se essas tendências continuarem, não haverá áreas selvagens significativas em menos de um século”.  (Alceu Luís Castilho)

You may also read!

Líderes do campo pedem impeachment, renúncia ou um “comando entre todos”, sem Bolsonaro

Para João Pedro Stédile, do MST, Bolsonaro cometeu suicídio político e sociedade precisa se organizar apesar dele; Sonia Guajajara,

Read More...

Líder da bancada ruralista cobra dinheiro dos bancos na luta contra o coronavírus

Presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Alceu Moreira (MDB-RS) diz que eles publicaram balanços com mais de R$

Read More...

Covid-19: vários membros da Via Campesina destacam a vulnerabilidade de camponeses e trabalhadores

Resposta insuficiente de governos à pandemia passa pela falta de apoio aos povos do campo, principais responsáveis pelos alimentos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.