Lembram-se da Boi Gordo? 131 mil hectares no MT estão em leilão

In De Olho no Agronegócio, Empresas brasileiras, Principal, Últimas

deolho_agronegocio-1

Empresa que deu golpe de pirâmide a partir de 1996, lesando 32 mil pessoas, deve hoje R$ 4 bilhões; 91 mil hectares leiloados são de floresta amazônica; 30 mil de cerrado; empresário Paulo Roberto de Andrade livrou-se de processo criminal

Por Alceu Luís Castilho 

Uma das maiores fraudes da história agrária brasileira está tendo um desfecho parcial neste mês de setembro. A parte mais significativa da Boi Gordo, 131 mil hectares no Mato Grosso, está indo a leilão. Mais de 32 mil pessoas foram lesadas, de jogadores de futebol (Evair, César Sampaio, Edilson), técnico (Luiz Felipe Scolari) ao Tremendão, Erasmo Carlos. Era um esquema de pirâmide. Um golpe.

O leilão em São Paulo prevê a compra das fazendas Realeza do Guaporé I e II, com lance mínimo de R$ 306 milhões. Caso não seja arrematado, o lote será desmembrado em 31 fazendas, entre as que compõem o complexo, em Comodoro (MT), às margens do Rio Guaporé. Somente o leiloeiro ficará com R$ 14 milhões.

O total de terras descritas como bioma “floresta”, pelo juiz, é de 91.223 hectares. Outros 29.914 ficam no bioma cerrado. (A rigor, essa soma dá 121 mil hectares, 10 mil a menos que o anunciado.)

Quatro das 31 fazendas tiveram 80% da área desmatada para lavoura ou pecuária.

O leilão será encerrado na terça-feira (13/09), às 13 horas, no auditório da Sociedade Rural Brasileira, no Anhangabaú, em São Paulo.

A venda dos bens foi definida em julho pelo juiz Marcelo Barbosa Sacramone, da 1ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo. O edital informa que há pendências: quem arrematar as fazendas herdará 23 processos, em trâmite em Comodoro e São Paulo. Há ainda um segundo lote de leilão, com 17 unidades do loteamento Realeza do Guaporé I e II. Esses não têm ônus. Somados, totalizam 3.216 hectares, avaliados em R$ 14,8 milhões.

A área de 131 mil hectares foi avaliada em R$ 510 milhões. Só que já foram feitas tentativas de venda, em agosto, sem sucesso. Por isso, agora, o deságio.

O anúncio do leilão traz informações curiosas. Como o tamanho da área leiloada, quase a do município de São Paulo. Ou o tempo que um trabalhador com salário mínimo levaria para reunir R$ 4 bilhões,  o valor da dívida atual da Boi Gordo: 379 mil anos.

Vejamos o resumo da fraude feito por O Globo: “Em 1996, a Fazenda Reunidas Boi Gordo iniciou um processo de investimentos em animais. Pela proposta, investidores receberiam após 18 meses o lucro da venda do boi engordado, com promessas de 42% de rendimento via certificados de investimentos, como aponta a Lut Leilões. A empresa, no entanto, pagava contratos vencidos com recursos de novos investidores, em esquema configurado como pirâmide financeira. Em 2001, a empresa pediu concordata, e faliu em 2004”.

A Fazendas Reunidas Boi Gordo foi uma aventura capitaneada pelo fazendeiro paulista Paulo Roberto de Andrade, que tinha sido indicado duas vezes, pela Gazeta Mercantil, como empresário do ano. O Supremo Tribunal Federal (STF) o livrou em 2009 de processo criminal relativo à pirâmide.

Confiram imagens de divulgação do leilão, pela Lut Leilões:

Infográfico Boi Gordo

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu