Fotos documentam avanço do agronegócio na região do Xingu

In De Olho no Agronegócio, Principal, Últimas

Projeto “Ameríndios do Brasil”, de Renato Soares, documenta as 300 etnias indígenas do país; uma das tarefas é identificar as mudanças ambientais provocadas por usinas, mineração e agropecuária

Frequentador assíduo do Parque Indígena do Xingu, o fotógrafo Renato Soares está atento à movimentação do agronegócio na região. O projeto “Ameríndios do Brasil” registra o cotidiano das 300 etnias indígenas do Brasil. Em paralelo a isso, ele se propõe a documentar também as mudanças na paisagem, ou seja, os impactos causados pela mineração, pelas barragens e pela agropecuária. O caso do Xingu é exemplar.

“A soja vai até a fronteira, não respeita o limite de 30 quilômetros”, diz o fotógrafo, em entrevista à TV DeOlho, programa quinzenal do De Olho nos Ruralistas. “Está bem nas margens do parque. E ali está virando um deserto”. Ele define o parque – uma área de 2,6 milhões de hectares, onde vivem 5.500 indígenas de 14 etnias – como um oásis, cercado de fazendas por todos os lados. “E está todo mundo de olho nesse oásis”, afirma. 

Confira aqui o trecho do programa relativo ao tema:

Um dos proprietários das terras próximas do parque, segundo o fotógrafo, é o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, um dos maiores produtores de soja do mundo. “É assustadora a quantidade de caminhões que entram para levar soja”.

Soares fala também dos agrotóxicos despejados na região. Uma vez, o vento levou o veneno – destinado a uma lavoura de milho – para uma aldeia. Os indígenas reclamaram. E ouviram o seguinte: “Vocês têm de ir para mais longe”.

O relato sobre agronegócio é o segundo trecho desta edição da TV DeOlho. Para ver o primeiro trecho, sobre o projeto Ameríndios do Brasil (que visa registrar as 300 etnias), clique aqui: https://www.youtube.com/watch?v=6p73UMls0dI

LEIA MAIS:
Renato Soares fotografa as 300 etnias do país: “É preciso registrar os sorrisos”

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.