Idec e Campanha Contra Agrotóxicos repudiam relatório da Anvisa

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Organizações dizem que relatório da agência ignora risco das doenças que aparecem ao longo de anos de exposição e quer ocultar os problemas causados pelos venenos

A Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida e o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) manifestaram-se contra o relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que apresenta os resultados  do Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para) de 2013 a 2015. Entre outros problemas apresentados pelo relatório está o fato de ignorar, em suas análises, as substâncias mais presentes (56%) nos agrotóxicos que consumimos no Brasil, o glifosato e o 2,4-D.

A Campanha, que já vem denunciando a atuação da Anvisa por atender a interesses empresariais, lançou nota em repúdio ao relatório, o qual afirma que “apenas” 1% dos alimentos representa risco agudo à saúde, isto é, de intoxicação em 24 horas, enquanto 42% das amostras estão limpas – e recomenda que se lave o alimento “com água corrente e bucha ou escovinha” para reduzir a quantidade de veneno.

“Será possível?”, pergunta a organização. “Este relatório apresenta uma clara tentativa de ocultar os problemas causados pelos agrotóxicos no Brasil. Afirmar a lavagem de  alimentos como possível solução é um perigo para a sociedade, e demonstra um gravíssimo retrocesso no Para e na Anvisa. A quase totalidade dos agrotóxicos possui ação sistêmica, ou seja, opera ‘por dentro’ e não na superfície dos vegetais.”

A Campanha afirma também que a conclusão de que apenas 1% dos alimentos analisados representa risco agudo à saúde oculta o risco maior, o das doenças crônicas: como câncer, depressão, doença celíaca  e outras que aparecem ao longo de anos de exposição. Além de desconsiderar os riscos da exposição a vários tipos de veneno, que grande parte das amostras apresenta.

A nota repudia ainda a conclusão de que significa “segurança alimentar aceitável” o fato de uma em cada cem amostras apresentar risco de causar intoxicação aguda – que considera gravíssima. E o fato de a Anvisa ignorar os agrotóxicos contrabandeados, estimados em 20%.

O Idec destacou o incrível número de agrotóxicos diferentes num mesmo alimento – 88 tipos nas amostras de pimentão, 78 nas de abobrinha e 72 nas de uva, por exemplo – muitos deles não permitidos para esses cultivos. “Em todos os alimentos foram encontradas essas substâncias não autorizadas”, diz o instituto. “O agrotóxico mais utilizado indevidamente foi o acefato, encontrado em 18 dos 25 alimentos testados. A própria Anvisa afirmou em 2009 que essa substância possui acentuada neurotoxicidade e que há suspeitas de que seja cancerígena, tanto que é proibida em vários países”.

O pimentão lidera a lista de problemas com 89% das amostras irregulares (agrotóxicos acima do limite permitido e/ou proibido para essa cultura). Depois vêm a abobrinha, com 78% (em 2012 eram 48%), e a uva, com 75% (em 2012 eram 29%). No caso da presença de resíduos de agrotóxicos acima do Limite Máximo de Resíduos o morango é o “campeão”. Em seguida vêm o abacaxi e a uva.

“Seguiremos atentos e denunciando que é o modelo do agronegócio que torna nossa agricultura insustentável e quimicamente dependente. Seguimos afirmando a agroecologia como única forma de produção de alimentos saudáveis para o Brasil e mundo”, afirma a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos. “Essa orientação para higienização dos alimentos pode causar ao consumidor uma falsa impressão de segurança”, alerta o Idec. “Além disso, sentimos falta da recomendação do consumo de alimentos orgânicos, como já foi feito anteriormente”.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.