Observatório detalha, até novembro, retrocessos sociais e ambientais da era Temer

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Governo Temer, Políticas Públicas, Principal, Últimas

‘De Olho nos Retrocessos’ apontará medidas do governo e do Congresso que destroem direitos garantidos nas últimas décadas; leitores receberão um boletim semanal

Receba grátis o boletim De Olho nos Retrocessos.

A velocidade impressiona. As medidas do governo Temer – e do Congresso – contra direitos sociais e ambientais atingem diretamente o cotidiano de cada brasileiro. E, no campo, não é diferente. Dependente da bancada ruralista, o presidente Michel Temer promove o maior pacote de retrocessos da história recente. Por isso o De Olho nos Ruralistas manterá, até novembro, uma editoria especial, chamada De Olho nos Retrocessos.

Serão notícias, reportagens e vídeos sobre os impactos da era Temer no ambiente, na alimentação, na vida dos camponeses e povos indígenas, quilombolas, extrativistas. Quais projetos de lei já foram aprovados? E quais ainda podem ser? O mesmo em relação à Medidas Provisórias: o que tem feito para camponeses e povos indígenas o governo que perdoa as dívidas bilionárias dos ruralistas?

Durante esses três meses o leitor receberá gratuitamente um boletim homônimo, o De Olho nos Retrocessos, com uma seleção semanal de notícias da grande imprensa e da mídia independente. Para se cadastrar clique aqui. O cadastro dá acesso exclusivo ao documentário “Sem Clima“, sobre bancada ruralista e mudanças climáticas, lançado pelo observatório em março.

Confira o vídeo de divulgação do projeto:

PRESIDENTE DEPENDE DA BANCADA RURALISTA

Os exemplos de ataques a direitos ambientais e dos povos do campo se multiplicam. Logo no início Michel Temer extinguiu o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Acabou com a Ouvidoria Agrária Nacional. Um ano depois, explode a violência no campo. 2017 assiste a um aumento do número de assassinatos políticos de camponeses, por fazendeiros e madeireiros. Já são mais de 50, em pouco mais de um semestre. E o número de 2016, 61 mortos, já tinha sido um dos maiores do período democrático.

Temer com Nilson Leitão, presidente da Frente Agropecuária.

É exatamente a democracia que está em jogo. A Constituição de 1988 segue sendo retalhada, a favor dos proprietários de terra. Metade dos votos na Câmara para derrubar a investigação de corrupção passiva contra Temer foi dada por deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Em troca, o presidente perdoa dívidas bilionárias. A CPI da Funai e do Incra indiciou indígenas, antropólogos e até procuradores, enquanto o orçamento das instituições que defendem os povos do campo diminui.

O horizonte pautado pelos ruralistas é o da flexibilização dos licenciamentos ambientais e das regras para agrotóxicos. Ou o da regularização da grilagem. Ou o da venda de terras para estrangeiros. Na foto principal, de Alan Santos (Presidência da República), Temer e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, divertem-se em um campo de algodão, no Mato Grosso. Eles inauguraram uma usina de etanol de milho que pertence a um estadunidense, um empresário do Iowa que foi conselheiro de Donald Trump para a agricultura, durante a campanha eleitoral: “Temer inaugura, no MT, usina de etanol que pertence a conselheiro de Trump“.

OBSERVATÓRIO PRECISA DE ASSINANTES

Ainda faltam 600 assinaturas para o observatório atingir a meta.

Essa notícia foi dada pelo De Olho nos Ruralistas na semana passada e ilustra a importância de um observatório específico sobre agronegócio no Brasil. Com a editoria De Olho nos Retrocessos, o observatório poderá fazer uma cobertura ainda mais atenta das medidas do governo e do Congresso. A editoria De Olho nos Retrocessos – temporária – tem o apoio da Fundação Heinrich Böll. Mantido pelos leitores (site, vídeos, boletins diários e semanal), o observatório ampliou a equipe nos próximos três meses para o projeto específico.

Os assinantes do De Olho nos Ruralistas receberão automaticamente, às quintas-feiras, o boletim De Olho nos Retrocessos. Quem colabora com o observatório – a partir de R$ 12 mensais – recebe, às sextas-feiras, uma seleção do que saiu durante a semana nos quatro boletins diários: De Olho no Ambiente, De Olho nos Agronegócio, De Olho na Comida, De Olho nos Conflitos. Estes são enviados para os que doam a partir de R$ 25 mensais. Confira mais informações na página da campanha De Olho nos Mil Parceiros.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.