Frente Parlamentar da Agropecuária compôs 50% dos votos do impeachment e 51% dos votos para manter Temer

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, Em destaque, Especiais, Governo Temer, Principal, Últimas

E o grupo nem representa toda a bancada ruralista; 83% dos deputados votantes da FPA fecharam contra Dilma em 2016; em agosto, 72% deles mantiveram Temer no poder

Por Alceu Luís Castilho

É numérico: os membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) têm, hoje, o poder de derrubar uma presidente e de manter outro no poder. Metade dos votos pelo impeachment (50%) de Dilma Rousseff, no ano passado, e mais da metade dos votos para manter Temer (51%) saíram dessa bancada.

E mais: De Olho nos Ruralistas atualizou os dados sobre essas votações na Câmara e constatou uma sobreposição até agora inédita: entre 155 deputados dessa frente que votaram tanto no dia 17 de abril de 2016 como na sessão do dia 2 de agosto de 2017, 124 deles votaram contra Dilma Rousseff e a favor de Michel Temer. Ou seja, 80% dos votantes da FPA. A taxa de fidelidade a eles mesmos é alta.

Conheça aqui os deputados da FPA que ajudaram – com participação nas duas votações – a derrubar Dilma e a manter Temer: “Conheça os 124 deputados da FPA que derrubaram Dilma e mantiveram Temer“. Esse núcleo duro ruralista somou mais de 1/3 dos que votaram contra Dilma (34% do total de votos pelo impeachment) – fora os que participaram de somente uma votação – e quase a metade dos que estiveram na sessão que manteve Michel Temer no poder (47%).

O PREÇO DA ALTA FIDELIDADE

Em outras palavras: entre os ruralistas que derrubaram Dilma, quase a metade da Câmara, há um grupo ainda mais coeso, que votou em dobradinha – e é responsável direto pela atua sobrevida de Temer. Isto aconteceu após sucessivas reuniões na sede da Frente Parlamentar da Agropecuária, numa mansão no Lago Sul, em Brasília – até mesmo nas vésperas do golpe. Resultado: atendimento, pelo presidente, das pautas do setor.

Votaçaõ na Câmara foi no dia dos 20 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás (PA).

A porcentagem dos deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária que votaram pela admissão do pedido de impeachment de Dilma atinge 82,7% do universo eleitoral da FPA. Isso significa que 172 deputados, entre 208 votantes dessa bancada em 2016, deram “sim” no plenário, no dia em que o Massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, completava 20 anos, em 17 de abril do ano passado.

Apenas 36 membros da FPA votaram contra o impeachment, no dia 2 de agosto de 2017; 6 deles são do PT (sim, há uma minoria petista dentro da frente ruralista); 23 deles, do Nordeste, região de forte eleitorado petista. Contra Temer, foram ainda menos votos oriundos dessa bancada do que aqueles que tentaram salvar Dilma: 31.

RURALISTAS SÃO DO SUL E SUDESTE

Ao contrário do que diz o senso comum, que imagina uma maioria absoluta de ruralistas em regiões como o Centro-Oeste, a maior parte dos ruralistas sai das regiões mais populosas – inclusive como representantes de outras Unidades da Federação. Deputados da FPA do Sudeste e do Sul somaram mais da metade dos votos da frente contra Dilma: 106, diante de 76 votos que saíram das demais regiões.

Votos da FPA contra Dilma:
-> Sudeste – 58
-> Sul – 38
-> Nordeste – 29
-> Centro-Oeste – 25
-> Norte – 22
Total: 182.

Esses políticos do Nordeste não se mostraram fiéis ao governo deposto. Mudaram de lado. Em agosto, 187 deputados da FPA votaram no dia do arquivamento da denúncia contra Temer. E 134 deles, positivamente. A soma dos deputados do Nordeste – região populosa, com muitos parlamentares – chegou a ultrapassar a dos deputados da região Sul, onde houve votos surpreendentes contra o presidente, como o dos deputados Luis Carlos Heinze (PP-RS) e Jerônimo Goergen (PP-RS).

Nilson Leitão, presidente da FPA, com Temer e Blairo Maggi.

Votos da FPA a favor de Temer:
-> Sudeste – 40
-> Nordeste – 25
-> Norte – 24
-> Sul – 24
-> Centro-Oeste – 21
Total: 134.

Goergen, membro ativo da bancada ruralista, tinha votado contra Dilma duas vezes: em plenário e na Comissão Especial que admitiu inicialmente o processo na Câmara. Ao lado dele estava o deputado matogrossense Nilson Leitão (PSDB). Que, em fevereiro, voltou a ser presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, sucedendo o deputado Marcos Montes (PSD-MG). Os dois mostraram-se fiéis a Temer: derrubaram Dilma e as investigações contra o presidente.

O PESO DA BANCADA EM NOSSA DEMOCRACIA

Dos 367 votos na Câmara que ajudaram a derrubar Dilma Rousseff em abril de 2016, 182 saíram de integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária. A porcentagem é de 49,59% do total de votos contra Dilma – de ruralistas ou não – no dia 17 de abril de 2016. Naquele momento a votação no Senado (repleto de ruralistas, mas com pouco poder na FPA), efetivada em maio, já se apresentava apenas como uma confirmação desse movimento. Dilma estaria fora. Michel Temer tornou-se presidente interino.

Alvo de denúncias muito mais graves que as pedaladas fiscais, réu no Supremo Tribunal Federal, Temer poderia ter sofrido o mesmo que a presidente deposta. Livrou-se. Com a ajuda de 134 dos 187 votantes que são signatários da Frente Parlamentar da Agropecuária. Ou seja, 50,9% dos 263 votos que impediram um processo parlamentar contra Michel Temer. Uma ausência importante foi a do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), ex-ministro da Justiça em seu governo e líder jurídico da FPA.

Clique aqui e receba o boletim De Olho nos Retrocessos

O levantamento do observatório foi feito a partir de mais de uma base de dados mais completa sobre os integrantes da FPA, divulgada por Marcos Montes ao Globo Rural em 2016. O site foi o primeiro a fazer um levantamento sobre os ruralistas que votaram contra Dilma. Em agosto, o De Olho nos Ruralistas divulgou a primeira notícia – horas antes do UOL – sobre os deputados dessa frente que livraram Temer do ritual de cassação. Os números estavam incompletos. É que o site da FPA estava – e ainda está – desatualizado.

BANCADA RURALISTA É AINDA MAIS AMPLA

Naquele mês, informamos: “Metade dos votos para Temer saiu da Frente Parlamentar da Agropecuária“. E o arredondamento percentual está correto. Só que não foram 129 deputados da frente que barraram o processo, como consta daquele texto, e sim 134. (Fora os fazendeiros e donos de empresas agropecuárias que não compõem a FPA, como os paulistas Beto Mansur, Paulo Maluf e, entre muitos outros ruralistas, o paraibano Aguinaldo Ribeiro, ministro das Cidades no governo Dilma e, desde fevereiro, líder do governo Temer na Câmara.)

As duas listas de membros da Frente Parlamentar da Agropecuária – a do ex-presidente Montes e a que consta no site oficial da FPA – contêm nomes de deputados que não estão em exercício. Por isso optamos por trabalhar, metodologicamente, com o número de deputados que efetivamente votaram. O que exclui, também, os ausentes e os que deixaram temporariamente de votar naqueles dias específicos, para cederem o posto a ministros e outros políticos licenciados de seu cargo exclusivamente para as votações em plenário.

Conheça aqui os deputados da FPA que ajudaram a derrubar Dilma e votaram pela continuidade da denúncia contra Temer: “Entre os deputados da FPA, 31 derrubaram Dilma e votaram contra Temer em 2017“.

Aqui, os membros da FPA na Câmara que absolveram Dilma e votaram contra ou a favor do atual presidente: “Deputados ruralistas que votaram a favor de Dilma dividiram-se em relação a Temer“.

IV TRIBUNAL TIRADENTES

Os números foram compilados pelo De Olho nos Ruralistas para apresentação no IV Tribunal Tiradentes, em São Paulo, neste dia 25 de setembro. A cerimônia julgou simbolicamente o Congresso. Ela foi inspirada no Tribunal Russell, nos Estados Unidos, que julgou os crimes de guerra no Vietnã e motivou, em 1983 e 1984, as duas primeiras edições do Tribunal Tiradentes, ainda em plena ditadura.

O testemunho feito no tribunal incluiu também números sobre conflitos no campo, em sua interface com as políticas do governo Temer e do Congresso, e dados que indicam conflitos de interesse – ou mistura de interesses públicos e privados – relativos aos parlamentares que derrubaram Dilma e mantiveram Temer.

Em outras palavras, esses dados mostram alguns dos motivos (do perdão de dívidas à votação de projetos importantes para os ruralistas) para que a FPA invoque um poder que não deveria ter: o de manter ou derrubar presidentes. Isto enquanto os conflitos e número de assassinatos políticos no campo se multiplicam.

LEIA MAIS:
Conheça os 124 deputados da FPA que derrubaram Dilma e mantiveram Temer
Entre os deputados da FPA, 31 derrubaram Dilma e votaram contra Temer em 2017
Deputados ruralistas que votaram a favor de Dilma dividiram-se em relação a Temer

E AINDA:
9 deputados ruralistas estão entre 13 recordistas de acusações criminais no STF
Ruralistas da ‘bancada do Refis’ devem R$ 135 milhões à União; seus líderes respondem por crimes tributários no STF
Governo Temer atendeu 13 das 17 pautas prioritárias dos ruralistas, diz a Folha

You may also read!

General Etchegoyen diz que quilombolas de Alcântara são “cooptados por antropólogos estrangeiros”

Áudio divulgado pelo The Intercept Brasil mostra ministro minimizando luta dos maranhenses pelo território: "Ah, não quero sair porque

Read More...

Em relatório, Cimi descreve ‘ataque ruralista’ generalizado contra povos indígenas

Documento aponta papel do Congresso e mostra como direitos foram pulverizados em 2016, do número zero de demarcações ao

Read More...

ICMBio abre parcerias privadas para “uma Bélgica” de parques nacionais na Amazônia, Sul e Sudeste

Editais para estudos de Unidades de Conservação se encerram nesta terça (10/08); incluem o Parque do Itatiaia, no Rio,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu