No Mato Grosso, 89% do desmatamento é ilegal, aponta levantamento

In Amazônia, De Olho no Ambiente, De Olho nos Retrocessos, Desmatamento, Em destaque, Principal, Últimas

Somente o Pará desmatou mais na Amazônia; Colniza, palco de massacre, lidera entre os municípios;  governador se comprometeu a eliminar desmatamento ilegal até 2020

Por Cauê Seignemartin Ameni

Mais de 1,3 mil km² desmatados entre agosto de 2016 e julho de 2017, no Mato Grosso, não tiveram autorização da Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Isso significa 89% do total no estado. É o que mostra análise do Instituto Centro de Vida (ICV): Mato Grosso segue longe de acabar com desmatamento ilegal. O estudo foi feito a partir de dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Outros 145 km² foram desmatados de forma legal.

O Mato Grosso é responsável por 20% do desmatamento florestal detectado na Amazônia. Desde 2012, é o segundo estado que mais desmata na região. Fica atrás apenas do Pará.

Em 2015, na COP21, em Paris, o governador Pedro Taques (PSDB) se comprometeu a eliminar o desmatamento ilegal até 2020. A meta está longe de ser alcançada, mas o resultado é um pouco melhor que os dados do ano passado, quando o desmatamento ilegal atingiu 95% do total.

A região noroeste do Mato Grosso concentra a maior parte do desmatamento. O município de Colniza, palco do massacre de nove camponeses em abril, ficou em primeiro lugar, com uma área de 174,7 km² desmatado ilegalmente (mais do que toda a área desmatada legalmente no estado). Em segundo lugar está Aripuanã, que desmatou 92 km². Em terceiro aparece Nova Maringá, com 49 km² desmatado irregularmente.

De Olho nos Ruralistas mostrou, em julho, que o principal suspeito de articular o massacre de Colniza exporta madeira para os Estados Unidos.

De acordo com os dados do ICV, o tamanho das áreas desmatadas aumentou. Mais da metade das áreas que cortaram suas florestas sem autorização são maiores que 50 hectares e parte significativa foi em áreas superiores a 100 hectares. Ainda segundo os dados, 47,5% do desmatamento foi feito em imóveis rurais privados.

O desmatamento em áreas de assentamentos da reforma agrária teve redução de 20% em relação ao ano anterior, aponta o estudo. O desmatamento ilegal em áreas de assentamentos representa 15,4% do total.

O relatório completo pode ser lido no Infogram do instituto.

You may also read!

Novo defensor dos agrotóxicos, Nizan Guanaes tem casa de campo com horta orgânica

Publicitário contratado para melhorar imagem do agronegócio vendeu touros e promoveu o Canal Rural; ele tem imóvel na Fazenda

Read More...

Imobiliária põe Ilha das Couves à venda por R$ 31 milhões e será notificada pela União

Informada pelo De Olho nos Ruralistas sobre o anúncio, SPU diz que comercialização de ilhas é proibida pela Constituição;

Read More...

De Olho nos Ruralistas lança canal no Instagram

Observatório pretende ter mais independência na divulgação das reportagens, em relação à hegemonia do Facebook, e conversar com novos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu