Homem é recebido a tiros em fazenda recém-comprada por Blairo Maggi

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Empresas brasileiras, Governo Temer, Principal, Últimas

Ministro da Agricultura pagou R$ 2,2 bilhões em propriedade de 105 mil hectares, a Itamarati, avaliada em R$ 300 milhões; fazenda no Mato Grosso tem onze pistas de pouso

No inicio do ano, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, arrematou a Fazenda Itamarati, da família de Olacyr de Moraes, o antigo “rei da soja”, por R$ 2,2 bilhões – no valor estariam inclusos outros ativos além da terra. A fazenda com 105 mil hectares foi um símbolo de desenvolvimento – e de conflitos – no Mato Grosso. Na semana passada, cenário de um caso de policia, como registrou o jornal mato-grossense O Livre.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na delegacia de Campo Novo do Parecis, a 404 quilômetros de Cuiabá, um veículo Cruze dirigido por duas pessoas foi atingido, às 11h40, por uma bala disparada pela equipe de seguranças da fazenda. O motorista não quis revelar seu nome. O homem de 31 anos disse na delegacia que ia em direção a Tangará da Serra quando ficou com sede e desviou no sentido da fazenda do grupo Amaggi.

Em direção à guarita, após dirigir por cerca de 300 metros, um estrondo – e a janela do carro estilhaçada. Os cacos cortaram a testa da passageira. De acordo com o B.O., houve mais dois disparos em direção do casal. Ambos abaixaram e desligaram o carro. Um segurança armado pediu que o casal descesse e colocasse as mãos para o alto. “Como vou saber se vocês não querem me agredir?”, disse o guarda.

Foto da fazenda / Divulgação: O Livre
Foto da fazenda / Divulgação: O Livre

De acordo com o boletim de ocorrência, o segurança não deu opção de diálogo. Em seguida, outros guardas armados chegaram. O gerente da segurança alegou que o motorista estava em alta velocidade e derrapou o carro antes do quebra-molas. Por causa disso, a guarda efetuou o disparo “de advertência”. A vitima negou essa versão. Na quinta-feira (1), o caso foi registrado como tentativa de homicídio doloso.

O grupo Amaggi informou em nota que também registrou um B.O na Polícia Civil para reportar que, “por volta das 22h30 de quarta-feira, um veículo em alta velocidade adentrou as dependências da Fazenda Itamarati, propriedade privada, localizada na rodovia MT-358, desobedecendo as placas de sinalização no local (onde o limite de velocidade é de 20 km/h)”.

A empresa conclui a nota da seguinte forma: “Vendo-se em situação de risco, os vigilantes adotaram os procedimentos de segurança. Os suspeitos foram abordados e, após averiguação, liberados. A empresa se colocou à disposição e aguarda a apuração dos fatos por parte das autoridades policiais”.

VALOR SETE VEZES MAIOR

Dias antes da compra pelo grupo, de acordo com o Estadão, a Fazenda Itamarati estava estimada em R$ 300 milhões. Uma reportagem do Globo Rural confirmava o valor. A propriedade pertencia aos herdeiros de Olacyr de Moraes, morto em 2015, e estava sendo arrendada ao Grupo Amaggi desde 2002. Acabou sendo comprada por R$ 2,2 bilhões.

Ao jornal mato-grossense O Livre, o Grupo Amaggi disse que no valor estavam inclusos outro ativos pertencentes à Companhia Agrícola do Parecis (Ciapar). A propriedade conta com 700 funcionários e tem 51 mil hectares de área produtiva. O jornal local informa que dentro da propriedade há onze pistas de pouso e decolagens, hangar, silos e uma vila que abriga centenas de funcionários. A ideia do ministro é transformar a região em um município.

Foto: Divulgação / FAB

UM POUSO FICTÍCIO

Em junho do ano passado, a fazenda Itamarati Norte protagonizou outro caso nas páginas policiais. Um bimotor foi interceptado com 653 quilos de cocaína pela Força Aérea Brasileira (FAB), na região de Aragarças (GO). Em nota, a FAB informou que o avião, de matrícula PT-IIJ, decolara da Fazenda Itamarati Norte, conforme disse o piloto durante a abordagem. No mesmo dia, o Grupo Amaggi confirmou administrar uma fazenda com “o mesmo nome”, mas negou ter qualquer relação com a aeronave.

Dois dias depois, a Policia Federal (PF) alegou que, segundo uma analisa feita do GPS, o avião não tinha decolado da Fazenda Itamarati Norte. À TV Anhanguera, retransmissora da TV Globo em Goiás, a PF disse que a aeronave saiu de Cuiabá às 4 horas e chegou na Bolívia às 6h40. O piloto da aeronave, Apoena Índio do Brasil Siqueira Rocha, teria mentido sobre o plano de voo para a FAB ao ser interrogado.

Em nota, o grupo Amaggi reforçou não ter qualquer relação com o bimotor e alegou que a região de Campo Novo de Parecis é “vulnerável à ação de grupos do tráfico internacional de drogas, dada a sua proximidade com a fronteira do estado de Mato Grosso com a Bolívia”. (Cauê Seignemartin Ameni)

You may also read!

Vercilene Dias, primeira advogada quilombola com mestrado em Direito, descreve trajetória de violências e ameaças

Assessora jurídica da Terra de Direitos aponta efeitos da intolerância de Bolsonaro no território e na defesa de direitos

Read More...

Pai de Blairo Maggi escravizou trabalhadores nos anos 80, diz relatório da PF

Trabalhador relatou ter sido açoitado com um chicote de couro em fazenda pertencente à Agropecuária Maggi, de André Maggi,

Read More...

Maria do Socorro, quebradeira de coco: “Quando a palmeira é derrubada, é como se morresse uma mãe de família”

Em entrevista ao De Olho nos Ruralistas, a presidente da Rede Cerrado fala sobre sua relação com o babaçu,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.