FHC, o Fazendeiro – Luciana Cardoso assinou em abril doação de áreas em fazendas para prefeitura de Botucatu

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Últimas

Duas propriedades às margens do Rio Pardo somam 242 hectares; 76 se tornarão uma represa; a vizinha Central Bela Vista, que era de Jovelino Mineiro, também cedeu terras

Por Alceu Luís Castilho

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) não conseguiu ficar com terras da família de Fernando Henrique Cardoso. Mas a prefeitura tucana de Botucatu (SP), sim. A maior parte da Barragem do Rio Pardo, que abastecerá o município, será construída em terras que pertencem à Goytacazes Participações Ltda, de Beatriz, Luciana e Paulo Henrique Cardoso.

O anúncio do acordo foi feito pelo próprio prefeito, Mário Eduardo Pardini Affonseca (PSDB), em seu Facebook, no início de abril, após reunião com Luciana Cardoso, a filha do meio de Fernando Henrique Cardoso.

As terras que também já foram do ex-presidente constituem um grande canavial – sem cercas, sem placas, sem portaria. Confira a reportagem do De Olho nos Ruralistas sobre essas propriedades: “FHC, o Fazendeiro – Fazenda da família de Fernando Henrique em Botucatu (SP) é um canavial sem casa e sem cercas”.

Terras são tomadas por canavial. (Fotos: Vanessa Nicolav/Pavio)

O prefeito informou que os 76 hectares da família Cardoso foram desapropriados amigavelmente, “por um valor simbólico”. “Este ato demonstra o espírito público do ex-presidente, que viabilizou 27% da área total para finalizar o projeto”, escreveu Mário Pardini.

Ele já tinha assinado no dia 2 de março uma declaração de utilidade pública das áreas, “para fins de desapropriação amigável”. Não foi informado o valor. O investimento da prefeitura na barragem é de R$ 50 milhões.

A imprensa nacional ainda não divulgou a desapropriação. A imprensa local, sim. Confira a informação do Leia Notícias: “Família de Fernando Henrique Cardoso assina doação de área para represa de Rio Pardo”.

 TERRAS ESTÃO EM NOME DA GOYTACAZES

Foram desapropriados 40 dos 205 hectares da Fazenda Três Sinos. E os 36,5 hectares da Fazenda Rio Pardo, contígua. As fazendas ficam nas margens do Rio Pardo, um afluente do Rio Paranapanema que nasce na Serra do Limoeiro, em Pardinho, e atravessa logo em seguida o município de Botucatu.

As duas fazendas pertencem à Goytacazes Participações Ltda, empresa registrada em Osasco em nome de Beatriz, Luciana e Paulo Henrique Cardoso. Até dois anos atrás Fernando Henrique também era sócio. Confira também o vídeo – feito em parceria com a Pavio – sobre as terras da família no interior paulista.

O processo de desapropriação foi iniciado no ano passado. A nova barragem, a 9 quilômetros da Represa do Mandacaru, abastecerá o município durante décadas, segundo a prefeitura. Ela terá 319 hectares, entre os quais 164 hectares de Área de Preservação Permanente – em um município com apenas 10% de vegetação nativa e 40% do território ocupado por eucaliptos.

CENTRAL BELA VISTA TAMBÉM CEDEU TERRAS

De um lado, cana; dos outros lados, cana. (Fotos: Vanessa Nicolav/DeOlho-Pavio)

A família de FHC está entre os nove donos de terras na região que precisam ser desapropriadas para a represa. Uma das fazendas, a Três Sinos, faz divisa com a empresa de pecuária Central Bela Vista, com 130 hectares. O acesso a essas propriedades fica no quilômetro 5 da Rodovia Gastão Dal Farra, vicinal da Rodovia Marechal Rondon (SP-300).

A Bela Vista foi fundada pelo pecuarista Jovelino Carvalho Mineiro Filho – amigo da família do ex-presidente – e vendida em 2011 para o grupo holandês CRV. Jovelino é o segundo personagem mais importante desta série de reportagens. Foi nessa região (Pardinho, Botucatu, Bofete) que ele construiu parte de seu império agropecuário. Essa história pode ser conferida aqui: “FHC, o Fazendeiro – No famoso apartamento de Paris, o DNA da família Abreu Sodré”.

O acordo da prefeitura de Botucatu com a Central Bela Vista foi feito em fevereiro, informam o Acontece Botucatu e o site da própria empresa. A empresa formada por fazendeiros holandeses e belgas doou 2 dos 14 lotes que a prefeitura precisa desapropriar para construir a barragem.

As duas fazendas da família FHC – compradas em 2011 por R$ 4 milhões, cifra informada por Fernando Henrique Cardoso – ficam entre a Cachoeira Véu da Noiva e a Central Bela Vista.

AO LONGO DAS ÁGUAS PAULISTAS

Fazenda Bela Vista, em Pardinho. (Foto: Reprodução/Gaudenzi)

Essas terras fazem divisa com os Córregos do Campo e da Madalena, com o Rio Pardinho e com o próprio Rio Pardo, o mais importante da região, um dos grandes afluentes do Rio Paranapanema – fronteira natural entre os estados de São Paulo e Paraná.

A lógica hidrográfica da região ajuda a entender a extensão das propriedades de Jovelino Mineiro e de sua mulher, Maria do Carmo Abreu Sodré Mineiro. Ela é filha do ex-governador Roberto de Abreu Sodré, radicado em São José do Rio Pardo (município cortado pelo rio).

Eles possuem terras desde a nascente do Rio Pardo, em Pardinho (onde FHC comemorou ali a eleição, em 1994), até o extremo oeste do estado, no Pontal do Paranapanema. Fernando Henrique Cardoso contou ter ficado deslumbrado com a paisagem da Fazenda Bela Vista, pertencente a Jovelino: “FHC, o Fazendeiro – Em 1994, Fernando Henrique comemorou eleição em fazenda de Jovelino Mineiro, em Pardinho (SP)”.

Localizado na transição entre o Cerrado e a Mata Atlântica, o município de Botucatu ganhou seu nome do tupi-guarani Ybytu-Katu. Ou seja, “bons ares”. Não à toa, celebridades como o médico Dráuzio Varella e a apresentadora Ana Maria Braga possuem propriedades na região: “FHC, o Fazendeiro – Em 1994, Fernando Henrique comemorou eleição em fazenda de Jovelino Mineiro, em Pardinho (SP)”.

MUNICÍPIO É UM DOS MAIORES DO ESTADO

A Bacia do Rio Pardo ocupa cerca de 72.100 hectares das terras de Botucatu – quase a metade do território do município, o décimo mais extenso do estado, logo atrás da capital. Boa parte dessas terras foi historicamente ocupada pela Companhia Agrícola Botucatu – hoje dividida entre Cosan e uma empresa de Jovelino Mineiro.

Parte dessas terras da antiga Fazenda Morrinhos passou pelas mãos da família Abreu Sodre e, depois, de Jovelino Mineiro. Ele chegou a explorá-las em parceria com os portugueses do Grupo Espírito Santo (GES): “FHC, o Fazendeiro – Antes de falir, Grupo Espírito Santo aliou-se a Jovelino Mineiro em Botucatu”.

LEIA A SÉRIE COMPLETA:
“FHC, o Fazendeiro – tudo sobre as terras da família, os amigos pecuaristas e a Odebrecht”.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu