FHC, o Fazendeiro – Luciana Cardoso assinou em abril doação de áreas em fazendas para prefeitura de Botucatu

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Últimas
Área onde fica o canavial da família FHC. (Reprodução/Google)

Duas propriedades às margens do Rio Pardo somam 242 hectares; 76 se tornarão uma represa; a vizinha Central Bela Vista, que era de Jovelino Mineiro, também cedeu terras

Por Alceu Luís Castilho

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) não conseguiu ficar com terras da família de Fernando Henrique Cardoso. Mas a prefeitura tucana de Botucatu (SP), sim. A maior parte da Barragem do Rio Pardo, que abastecerá o município, será construída em terras que pertencem à Goytacazes Participações Ltda, de Beatriz, Luciana e Paulo Henrique Cardoso.

O anúncio do acordo foi feito pelo próprio prefeito, Mário Eduardo Pardini Affonseca (PSDB), em seu Facebook, no início de abril, após reunião com Luciana Cardoso, a filha do meio de Fernando Henrique Cardoso.

As terras que também já foram do ex-presidente constituem um grande canavial – sem cercas, sem placas, sem portaria. Confira a reportagem do De Olho nos Ruralistas sobre essas propriedades: “FHC, o Fazendeiro – Fazenda da família de Fernando Henrique em Botucatu (SP) é um canavial sem casa e sem cercas”.

Terras são tomadas por canavial. (Fotos: Vanessa Nicolav/Pavio)

O prefeito informou que os 76 hectares da família Cardoso foram desapropriados amigavelmente, “por um valor simbólico”. “Este ato demonstra o espírito público do ex-presidente, que viabilizou 27% da área total para finalizar o projeto”, escreveu Mário Pardini.

Ele já tinha assinado no dia 2 de março uma declaração de utilidade pública das áreas, “para fins de desapropriação amigável”. Não foi informado o valor. O investimento da prefeitura na barragem é de R$ 50 milhões.

A imprensa nacional ainda não divulgou a desapropriação. A imprensa local, sim. Confira a informação do Leia Notícias: “Família de Fernando Henrique Cardoso assina doação de área para represa de Rio Pardo”.

 TERRAS ESTÃO EM NOME DA GOYTACAZES

Foram desapropriados 40 dos 205 hectares da Fazenda Três Sinos. E os 36,5 hectares da Fazenda Rio Pardo, contígua. As fazendas ficam nas margens do Rio Pardo, um afluente do Rio Paranapanema que nasce na Serra do Limoeiro, em Pardinho, e atravessa logo em seguida o município de Botucatu.

As duas fazendas pertencem à Goytacazes Participações Ltda, empresa registrada em Osasco em nome de Beatriz, Luciana e Paulo Henrique Cardoso. Até dois anos atrás Fernando Henrique também era sócio. Confira também o vídeo – feito em parceria com a Pavio – sobre as terras da família no interior paulista.

O processo de desapropriação foi iniciado no ano passado. A nova barragem, a 9 quilômetros da Represa do Mandacaru, abastecerá o município durante décadas, segundo a prefeitura. Ela terá 319 hectares, entre os quais 164 hectares de Área de Preservação Permanente – em um município com apenas 10% de vegetação nativa e 40% do território ocupado por eucaliptos.

CENTRAL BELA VISTA TAMBÉM CEDEU TERRAS

De um lado, cana; dos outros lados, cana. (Fotos: Vanessa Nicolav/DeOlho-Pavio)

A família de FHC está entre os nove donos de terras na região que precisam ser desapropriadas para a represa. Uma das fazendas, a Três Sinos, faz divisa com a empresa de pecuária Central Bela Vista, com 130 hectares. O acesso a essas propriedades fica no quilômetro 5 da Rodovia Gastão Dal Farra, vicinal da Rodovia Marechal Rondon (SP-300).

A Bela Vista foi fundada pelo pecuarista Jovelino Carvalho Mineiro Filho – amigo da família do ex-presidente – e vendida em 2011 para o grupo holandês CRV. Jovelino é o segundo personagem mais importante desta série de reportagens. Foi nessa região (Pardinho, Botucatu, Bofete) que ele construiu parte de seu império agropecuário. Essa história pode ser conferida aqui: “FHC, o Fazendeiro – No famoso apartamento de Paris, o DNA da família Abreu Sodré”.

O acordo da prefeitura de Botucatu com a Central Bela Vista foi feito em fevereiro, informam o Acontece Botucatu e o site da própria empresa. A empresa formada por fazendeiros holandeses e belgas doou 2 dos 14 lotes que a prefeitura precisa desapropriar para construir a barragem.

As duas fazendas da família FHC – compradas em 2011 por R$ 4 milhões, cifra informada por Fernando Henrique Cardoso – ficam entre a Cachoeira Véu da Noiva e a Central Bela Vista.

AO LONGO DAS ÁGUAS PAULISTAS

Fazenda Bela Vista, em Pardinho. (Foto: Reprodução/Gaudenzi)

Essas terras fazem divisa com os Córregos do Campo e da Madalena, com o Rio Pardinho e com o próprio Rio Pardo, o mais importante da região, um dos grandes afluentes do Rio Paranapanema – fronteira natural entre os estados de São Paulo e Paraná.

A lógica hidrográfica da região ajuda a entender a extensão das propriedades de Jovelino Mineiro e de sua mulher, Maria do Carmo Abreu Sodré Mineiro. Ela é filha do ex-governador Roberto de Abreu Sodré, radicado em São José do Rio Pardo (município cortado pelo rio).

Eles possuem terras desde a nascente do Rio Pardo, em Pardinho (onde FHC comemorou ali a eleição, em 1994), até o extremo oeste do estado, no Pontal do Paranapanema. Fernando Henrique Cardoso contou ter ficado deslumbrado com a paisagem da Fazenda Bela Vista, pertencente a Jovelino: “FHC, o Fazendeiro – Em 1994, Fernando Henrique comemorou eleição em fazenda de Jovelino Mineiro, em Pardinho (SP)”.

Localizado na transição entre o Cerrado e a Mata Atlântica, o município de Botucatu ganhou seu nome do tupi-guarani Ybytu-Katu. Ou seja, “bons ares”. Não à toa, celebridades como o médico Dráuzio Varella e a apresentadora Ana Maria Braga possuem propriedades na região: “FHC, o Fazendeiro – Em 1994, Fernando Henrique comemorou eleição em fazenda de Jovelino Mineiro, em Pardinho (SP)”.

MUNICÍPIO É UM DOS MAIORES DO ESTADO

A Bacia do Rio Pardo ocupa cerca de 72.100 hectares das terras de Botucatu – quase a metade do território do município, o décimo mais extenso do estado, logo atrás da capital. Boa parte dessas terras foi historicamente ocupada pela Companhia Agrícola Botucatu – hoje dividida entre Cosan e uma empresa de Jovelino Mineiro.

Parte dessas terras da antiga Fazenda Morrinhos passou pelas mãos da família Abreu Sodre e, depois, de Jovelino Mineiro. Ele chegou a explorá-las em parceria com os portugueses do Grupo Espírito Santo (GES): “FHC, o Fazendeiro – Antes de falir, Grupo Espírito Santo aliou-se a Jovelino Mineiro em Botucatu”.

LEIA A SÉRIE COMPLETA:
“FHC, o Fazendeiro – tudo sobre as terras da família, os amigos pecuaristas e a Odebrecht”.

You may also read!

Saiba quem é Luis Carlos Heinze, o arrozeiro negacionista

Antes de se tornar o principal defensor de Bolsonaro na CPI da Covid, senador ruralista se tornou conhecido por

Read More...

Comunidades tradicionais de Sergipe enfrentam petrolífera ExxonMobil

Fórum de Povos e Comunidades Tradicionais do estado busca mobilizar grupos e organizações do Rio Grande do Norte ao

Read More...

Corretor diz que negociação em terras de retireiros no MT é “amigável” e “legal”

Áudio obtido por De Olho nos Ruralistas mostra homem oferecendo uma fazenda “topíssima” às margens do Rio Araguaia, em

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu