FHC, o Fazendeiro – Braço usineiro da Odebrecht diz plantar em Unidades de Conservação

In Cerrado, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, Em destaque, Últimas

Relatório da safra 2016/17 da Atvos Agroindustrial informa que empresa planta cana, em terras próprias ou arrendadas, em 83 mil hectares em UCs ou no entorno delas

Por Alceu Luís Castilho

Em seu relatório sobre a safra 2016-17, a Odebrecht Agroindustrial – agora Atvos – informou possuir “algumas áreas de plantio (próprias ou arrendadas) em Zonas de Amortecimento, Áreas de Preservação Ambiental (APAs) e no entorno de outras unidades de conservação”.

Em outros relatórios, como o de 2015, essa informação estava amortecida: falava-se apenas em “entorno” de Unidades de Conservação – o que não é o caso das APAs, por exemplo.

Confira um trecho do documento, selecionado pelo observatório:

A Odebrecht foi uma das financiadoras da criação do Instituto FHC, hoje Fundação FHC, defensora da sustentabilidade no agronegócio: “FHC, o Fazendeiro – Saiba onde estão os empresários que bancaram a criação da Fundação FHC, em jantar no Palácio da Alvorada”.

O patriarca Emílio Odebrecht disse que financiou campanhas do ex-presidente com caixa 1 e caixa 2. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso nega que tenha qualquer relação com a empresa.

CANA EM NASCENTES DO PARQUE NACIONAL DAS EMAS

A área total de plantio em Unidades de Conservação ou no entorno delas, na penúltima safra, somou 83.946 hectares. Enumeremos, como a própria empresa fez, de acordo com a região:

Parque das Emas. (Foto: Divulgação)

-> 2.480 hectares em Teodoro Sampaio (SP), perto do Parque Morro do Diabo e da Estação Ecológica Mico-Leão-Preto;

-> 392 hectares em Mato Grosso do Sul, na Área de Proteção Ambiental das Várzeas do Rio Ivinhema;

-> 939 hectares na Zona de Amortecimento do Parque Nacional das Emas, em Mineiros (GO).

-> 46.014 hectares em Zonas de Amortecimento ligadas às nascentes do próprio Parque Nacional das Emas e dos Rios Sucuriú e Taquari;

-> 4.164 hectares na Área de Proteção Ambiental da Bacia do Alto Paraguai, no Pantanal.

-> 29.957 hectares em três APAs municipais, nas nascentes dos Rios Araguaia, Ninho das Águas e Ribeirão do Sapo, no Mato Grosso.

“Todas essas áreas de conservação são relevantes para a preservação do Cerrado e de nascentes na região”, informou a empresa em relação aos últimos itens.

LEIA A SÉRIE COMPLETA:
“FHC, o Fazendeiro – tudo sobre as terras da família, os amigos pecuaristas e a Odebrecht”.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu