Vídeo da campanha ‘Riquezas são diferentes’ alerta: o agro é tóxico

In Agricultura Camponesa, Agroecologia, Agrotóxicos, De Olho na Comida, Orgânicos, Principal, Transgênicos, Últimas

Segunda peça da série opõe alimentação saudável ao agronegócio, modelo defendido pela Globo e dependente dos venenos; observatório divulga editoria De Olho na Comida

A série “Riquezas são diferentes”, iniciada em agosto pelo De Olho nos Ruralistas, ganha mais uma peça de divulgação: “O agro é tóxico – De Olho na Comida”. O próprio nome da série inspira-se no verso da música “Comida”, dos Titãs. Ela se propõe a apresentar as razões por que o agro não é pop, ao contrário do que defende a Globo, em campanha patrocinada por empresas como JBS.

O primeiro vídeo, elaborado a partir dos temas da editoria De Olho no Agronegócio, falou sobre as condições precárias do trabalho no campo e a bancada ruralista. Neste segundo vídeo, sobre os temas da editoria De Olho na Comida, é possível entender rapidamente a dependência de agrotóxicos com a monocultura. “O agro é mono, porque precisa de escala, não para alimentar o planeta”, diz o editor do observatório, Alceu Luís Castilho.

Ao longo dos próximos meses serão divulgadas outras peças de campanha. Os primeiros temas se referem às principais editorias do observatório: agronegócio, ambiente, comida e conflitos. Os vídeos terão cerca de 1 minuto e meio cada, sempre com referência ao tema: “Riquezas são diferentes”.

Os agrotóxicos são um tema recorrente em Brasília – e no observatório. O relator do Projeto de Lei do Veneno, que pretende flexibilizar a comercialização do agrotóxicos, deputado Luiz Nishimori (PR-PR), já vendeu o produto. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), teve propriedades acusadas por abuso de agrotóxico e transgênicos.

 VÍDEOS DIVULGAM EDITORIAS DO OBSERVATÓRIO

Lançado em setembro de 2016, o De Olho nos Ruralistas teve uma pré-história em 2013 e 2014, com programas de entrevistas transmitidos ao vivo. Estruturou-se a partir de uma vaquinha virtual, há dois anos, e, desde o ano passado, mantém no ar a campanha de assinaturas intitulada inicialmente – até se atingir a primeira meta – De Olho nos Mil Parceiros.

As assinaturas podem ser feitas a partir de R$ 12 mensais, ou R$ 120 anuais. Por esse valor cada leitor recebe um boletim analítico semanal, chamado De Olho nos Ruralistas, com uma seleção do que é publicado nos quatro boletins diários: De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, De Olho na Comida, De Olho nos Conflitos.

Para receber os boletins diários é preciso doar pelo menos R$ 25 mensais, ou R$ 250 anuais. Ao longo dos últimos dois anos selecionamos milhares de notícias em cada tema, ajudando a tornar o debate sobre agricultura mais amplo.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...