Frente Parlamentar da Agropecuária nomeia senador preso para coordenar Comissão Trabalhista

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Empresário Acir Gurgacz (PDT-RO) cumpre pena em regime semiaberto por crimes contra o sistema financeiro e compõe nova diretoria da FPA; Bolsonaro prestigiou posse de Alceu Moreira (MDB-RS) e contou que já plantou arroz no Mato Grosso do Sul

Por Alceu Luís Castilho

Com a presença do presidente Jair Bolsonaro, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) promoveu na terça-feira a posse de sua nova diretoria, em um clube nas margens do Lago Paranoá, em Brasília. O novo presidente – que já vinha exercendo o cargo, já que a ex-presidente Tereza Cristina (DEM-MS) tornou-se ministra da Agricultura – é o deputado Alceu Moreira (MDB), conhecido pelo discurso virulento contra povos indígenas. “Reúnam verdadeiras multidões”, disse ele a fazendeiros gaúchos em 2014, ” e expulsem do jeito que for necessário”.

Mourão e Bolsonaro na posse de Alceu Moreira. (Foto: FPA)

A vice-presidência no Senado ficou com Luis Carlos Heinze (PP-RS), presente nesse evento de cinco anos atrás com uma fala que se tornou famosa. Ele se referiu aos povos indígenas, gays, lésbicas e quilombolas como “tudo o que não presta”. Nos últimos anos a FPA – a face institucional mais conhecida da bancada ruralista – tem sido dominada por deputados. Com um de seus caciques eleitos para o Senado, ela tende a ganhar força na Casa.

O Clube Naval foi criado em 1974 pelo ditador Emílio Garrastazu Médici, para atender os oficiais da Marinha e seus parentes. Duplamente em seu ambiente, Bolsonaro revelou em seu discurso que já foi fazendeiro: “Eu já plantei 30 hectares de arroz em Mato Grosso do Sul e senti na pele o que é produzir”. Ele definiu o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, como “amigo do homem do campo”. “Contem agora com alguém que não vai mais atrapalhar e estará ao lado de vocês, para que possam ter segurança jurídica para poder plantar e produzir”.

RELATOR DO PL DO VENENO COORDENARÁ REGIÃO SUL

A lista completa da nova diretoria da FPA traz nomes mais do que controversos. O vice-presidente na Câmara, Sérgio Souza (MDB-PR), foi citado durante as investigações da Operação Carne Fraca, em dezembro de 2017. Segundo o veterinário Flávio Cassou, ex-funcionário do frigorífico Seara, o parlamentar teria recebido uma mesada de R$ 20 mil para colaborar com o esquema de afrouxamento das fiscalizações apurado pela Polícia Federal.

Nishimori recebeu doações de campanha de dois comerciantes de agrotóxicos. (Ilustração: Eduardo Baptistão)

O vice-presidente para a Região Sul é o paranaense Luiz Nishimori (PR), relator do PL do Veneno. O observatório publicou no ano passado duas reportagens sobre os conflitos de interesses relacionados ao deputado. Uma delas diz respeito a suas atividades empresariais: “Relator do PL do Veneno, Luiz Nishimori vendeu agrotóxicos no Paraná“. Outra, a sua atuação política: “Deputado pró-agrotóxicos promoveu Mitsui, empresa flagrada com venenos ilegais na BA“.

O novo secretário da Frente Parlamentar da Agropecuária, o pastor Paulo Bengtson (PTB), é novato na Câmara. Ele é filho do pecuarista e pastor Josué Bengtson (PTB), condenado à perda do mandato por atuar na máfia das ambulâncias. A família Bengtson tem mais de 4 mil hectares de terras em Santa Luzia do Pará, município do norte do estado com 91% do território desmatado. O ex-deputado atuou para isentar multas por desmatamento em propriedades rurais. Um dos irmãos de Paulo, Marcos Bengtson, foi preso em 2010, acusado de mandar torturar e matar o camponês José Valmeristo Soares, o Caribé, que ocupava parte da Fazenda Cambará. Três anos antes, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) denunciara que os Bengston havia grilado parte da Gleba Pau de Remo.

A nova coordenadora da Comissão de Política de Abastecimento, a jornalista Joice Hasselman (PSL-SP), representa a nova leva de parlamentares eleita na esteira do sucesso eleitoral do presidente Bolsonaro. A falta de conexão dela com o universo agropecuário indica que a FPA não terá problema para renovar seus quadros, diante da perda ocorrida na eleição de outubro: “Aliada a Bolsonaro, Frente Parlamentar da Agropecuária reelege 52% de seus membros na Câmara“.

A lista traz outros nomes com histórico peculiar. O observatório publicará nos próximos dias mais informações sobre a nova bancada ruralista no Congresso: quantidade de terras, as empresas agropecuárias, as acusações e investigações envolvendo alguns desses políticos.

Mas cabe adiantar um dos casos mais espetaculares, o do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), preso em regime semiaberto no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, por crimes contra o sistema financeiro. Ele foi indicado por seu partido para ser um dos fiscais da eleição da Presidência do Senado, no dia 1º, que levou ao cargo o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). Na FPA, comandará por um ano a Comissão Trabalhista.

GURGACZ DECLARA 30 MIL HECTARES NO AMAZONAS

Gurgacz: três latifúndios no coração da Amazônia. (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Candidato derrotado ao governo de Rondônia, Gurgacz declarou um patrimônio de R$ 11,3 milhões em 2018. Entre os bens, duas aeronaves, sociedade da mulher no Diário da Amazônia, um dos principais veículos jornalísticos de seu estado, um relógio Rolex de R$ 22 mil, uma empresa de transporte no Paraguai, um trio elétrico, sociedade em várias empresas – ele é filho de Assis Gurgacz (PDT-RO), seu primeiro suplente, dono de um patrimônio de R$ 86 milhões.

A declaração de bens entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no ano passado confirma a posse de três grandes propriedades rurais – em meio a outras propriedades menores em Rondônia – que já constavam da declaração de 2014. Elas somam 30.500 hectares de terras em Envira, no sul do Amazonas, na divisa com o Acre. É uma área do tamanho de Granada, no Caribe.

Gurgacz declarou as terras em três etapas: uma propriedade de 15 mil hectares, por R$ 400 mil; uma de 10 mil hectares, por R$ 336 mil; e outra de 5.500 hectares, por R$ 640 mil. Total gasto pelo senador nos três latifúndios: R$ 1,37 milhão. Pouco mais de 10% de seu patrimônio declarado.

As três propriedades foram definidas como “terra nua”, portanto sem exploração comercial – na região do Rio Juruá, na fronteira com o Acre, no coração da Amazônia.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.