Mulher de Ciro Nogueira, deputada Iracema Portella tem ilha em reserva extrativista no MA

In De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Senador foi alvo nesta sexta-feira da Operação Compensação, da Polícia Federal, que apura corrupção passiva e lavagem de dinheiro; família tem vários empreendimentos agropecuários e pelo menos 1,8 mil hectares em terras

Por Leonardo Fuhrmann

Empresas estão em nome da deputada Iracema Portela. (Foto: Instagram)

A deputada federal reeleita Iracema Portella (PP-PI), casada com o senador também reeleito Ciro Nogueira (PP-PI), declarou à Justiça Eleitoral ter uma ilha de 659, 74 hectares no litoral do Maranhão. A Ilha de São Bernardo pertence à União, mas a parlamentar adquiriu de outra pessoa física a cessão de direito de uso. A ilha, no município de Água Doce do Maranhão, é um dos vértices da reserva extrativista marinha do Delta do Parnaíba, de 27 mil hectares, criada em 2000 pelo governo Fernando Henrique Cardoso.

A ilha é apenas uma parte das terras pertencentes à família do senador, presidente nacional do PP. A função de dirigente partidário tem relação direta com a investigação da qual ele foi alvo nesta sexta-feira. Segundo a Polícia Federal, ela é baseada nos depoimentos prestados por colaboradores que afirmaram ter repassado cerca de R$ 43 milhões ao PP, em pagamentos em espécie e doações oficiais, por intermédio de Ciro Nogueira, em troca de apoio político do partido na campanha presidencial de 2014.

A Ilha de São Bernardo é apresentada em materiais de divulgação como “um paraíso”. O cantor e ex-deputado Frank Aguiar (PTB-SP) passou lá sua lua de mel.

FAZENDA DO SENADOR FOI OCUPADA PELO MST

Em sua declaração de bens, entre outros negócios, o senador aparece como sócio da Ciro Nogueira Agropecuária e Imóveis. Ele tem como sócia na empresa sua mãe, Eliane Nogueira, sua primeira suplente no Senado. Eliane é acionista ainda da Fazenda Reunidas Nogueira Lima e tem 50% das fazendas Santa Teresa, de 380 hectares, e Cachoeira, de 76 hectares. Ambas ficam em Teresina e constam como recebidas por herança.

Fazenda do senador foi ocupada pelo MST. (Imagem: Reprodução)

Além das propriedades registradas em nome de pessoa física, a família Nogueira tem outras propriedades em nome das empresas. É o caso da Fazenda do Junco, de 726,5 hectares, em Teresina, cuja proprietária é a Ciro Nogueira Agropecuária e Imóveis. A propriedade foi ocupada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em julho de 2017 e desocupada no mês seguinte.

Um dos dirigentes nacionais do MST, João Luiz Vieira de Sousa, disse na época ao Brasil de Fato que o terreno teria,  oficialmente, uma área de 1.800 hectares,  sem atividade agrícola ou pecuária – ou seja, serviria somente para especulação imobiliária, ou seja, não tem nenhuma plantação ou criação de animais. “Algumas pessoas na região nos disseram que, na verdade, o terreno tem 2.800 hectares, ou seja, além de a terra ser improdutiva, há suspeitas de grilagem”, afirmou.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.