Metade da diretoria da Frente Parlamentar da Agropecuária não declarou propriedades rurais

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Latifundiários, Principal, Sem-Terra, Últimas

Mapa das Terras dos Parlamentares esmiúça as propriedades dos congressistas, conforme declarações deles ao TSE; série sobre bancada ruralista mostra que todos os grandes latifundiários do Congresso fazem parte da FPA, mas a maioria não integra seu comando

Por Leonardo Fuhrmann

Todos os grandes latifundiários do Congresso fazem parte da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), grupo que representa os interesses do agronegócio. A maioria deles, no entanto, tem participação discreta no colegiado. Dos maiores donos de terras declaradas à Justiça Eleitoral, apenas o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) faz parte da direção da frente. Ele preside a comissão que trata de assuntos trabalhistas.

Preso em 2018, Acir Gurgacz declarou 31,6 mil hectares à Justiça Eleitoral. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Gurgacz é o segundo senador com maior extensão de terras, segundo os dados do TSE. Ele declarou 31,6 mil hectares, em Rondônia e no município de Envira, no Amazonas, na fronteira com o Acre, uma região com muitas reservas e florestas estaduais e federais. Eleito em 2014, Gurgacz atualmente cumpre pena, em regime semiaberto, de quatro anos e meio de prisão por crime contra o Sistema Financeiro Nacional. Sua família também tem negócios no Paraná, onde o senador nasceu.

Com uma participação discreta de outros grandes latifundiários, como Jayme Campos (PSD-MT) e Marcelo Castro (MDB-PI), primeiro e terceiro entre os maiores latifundiários do Congresso, sobram na direção da frente os ruralistas “sem terra”. São pessoas que defendem os interesses da agroindústria e dos grandes proprietários sem se apresentar como fazendeiros ou donos de empresas do agronegócio.

PRESIDENTE DA COMISSÃO TEM EMPRESA, MAS NÃO TERRAS

Um exemplo é a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP). Quando registrou sua candidatura a deputada federal, no ano passado, ela declarou não ter um bem sequer. Ela coordena a comissão de abastecimento da frente. Seu colega de partido Nelson Barbudo (MT) declarou uma situação econômica um pouco mais confortável. Disse ser dono apenas de uma carreta de reboque, avaliada em R$ 2,5 mil. Ele coordena a comissão de infraestrutura e logística da comissão. Segundo vice-presidente da frente para a Câmara, Evair de Mello (PP-ES) também afirmou ter menos de R$ 10 mil em bens. Ele declarou ter apenas uma conta corrente no Banco do Brasil, com pouco menos de R$ 9,9 mil.

O deputado Capitão Augusto (PR-SP), da comissão de segurança no campo da frente, declarou R$ 596 mil em bens, sem propriedade rural. Assim como Jerônimo Goergen (PP-RS), dono de um patrimônio declarado de R$ 1,3 milhão e coordenador da comissão de endividamento rural. Vice-presidente da frente parlamentar na Câmara, Sérgio Souza (MDB-PR) também não declarou propriedades rurais entre seus bens avaliados em R$ 1,9 milhão, assim como Evandro Roman (PSD-PR), coordenador político da FPA na Câmara e da comissão de alimentação e saúde. Os bens dele somam R$ 1,8 milhão.

Integrante de uma família tradicional entre os ruralistas e coordenador da comissão de política agrícola, o também paranaense Pedro Lupion (PP) não declarou nenhuma propriedade rural. Sua declaração, com valor de R$ 914 mil, inclui uma empresa do setor, a Nova Florida Pecuária e Agricultura. O presidente da comissão, Alceu Moreira (MDB-RS), declarou uma empresa do setor agropecuário, a Moreira Lopes. Seus bens, com estimativa declarada de R$ 2,7 milhões, incluem um terreno identificado como rural, de apenas 450 metros quadrados, um tamanho menor do que a grande área de um campo de futebol.

A série De Olho na Bancada Ruralista esmiúça as propriedades dos parlamentares e discutirá também financiamento de campanhas – além do financiamento da Frente Parlamentar da Agropecuária. A primeira reportagem da série mostra – com o auxílio do Mapa das Terras dos Parlamentares – que os grandes latifundiários da bancada, entre eles os do Sul e do Sudeste, possuem terras em fronteiras agrícolas do Centro-Oeste, do Nordeste e do Norte, como o Matopiba e a Amazônia.

DEPUTADO NÃO DÁ DETALHES SOBRE LATIFÚNDIO DA FAMÍLIA

Outros parlamentares declaram serem donos de terras, mas não dão detalhes sobre o tamanho da propriedade. É o caso do Paulo Bengtson (PTB-PA), dono de uma fazenda em Viseu (PA), e do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), dono de duas fazendas em São Luiz do Anauá (RR). O pai de Paulo, o ex-deputado Josué Bengtson (PTB-PA), declarou 3.850 hectares em Santa Luzia do Pará e Ananindeua. Irmão do deputado, Marcos Bengtson chegou a ser preso em 2010, acusado de ser o mandante do trabalhador rural José Valmeristo Soares. Segundo os camponeses, as terras declaradas por Josué em Santa Luzia eram públicas.

Alguns parlamentares informaram ao TSE serem donos de terrenos, mas sem dar detalhes sobre as propriedades serem urbanas ou rurais. Entre eles estão o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), os deputados Zé Silva (SDD-MG) e Hildo Rocha (MDB-MA) e o senador Sérgio Petecão (PSD-AC), coordenador da Frente Parlamentar da Agropecuária no Senado. O deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) declarou uma série de terrenos, apenas um deles como terra nua – ou seja, propriedade rural.

Deputado Celso Maldaner é dono de 2,8 mil hectares no Pará.

Entre os principais latifundiários da diretoria da FPA estão os deputados Celso Maldaner (MDB-SC), dono de 2,8 mil hectares no Pará, e Neri Geller (PP-MT), dono de 745 hectares de terra em dois municípios do estado. Vice-presidente da FPA para o Senado, Luís Carlos Heinze (PP-RS) soma 1.582 hectares espalhados em diversas propriedades em São Borja.

Assim como a senadora Selma Arruda (PSL-MT), coordenadora institucional da FPA, Heinze tem um grande latifundiário como suplente. A ex-juíza não incluiu propriedades rurais na sua declaração. Suplente de Heinze, Irineu Orth (PP-RS) é dono de mais de 9 mil hectares. São três fazendas, que somam 6,8 mil hectares em Correntina, na Bahia, e mais 1,2 mil hectares em Aripuana, no Mato Grosso. Orth é só um dos exemplos de políticos do Sul que são donos de terras em outras regiões.

Beto Possamai (PSL), suplente de Selma,é dono de mais de 14 mil hectares. O político tem mais de R$ 44 milhões em patrimônio e é suplente da juíza aposentada Selma Arruda (PSL). Os dois foram cassados por caixa dois e abuso do poder econômico pelo TRE-MT, que determinou novas eleições. A senadora mantém o mandato enquanto recorre da decisão.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.