Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no campo, na luta por territórios e direitos; muitas delas foram mortas a mando de latifundiários

De Olho nos Ruralistas inaugura uma série sobre heroínas brasileiras: De Olho na História trará, a cada semana, o retrato de uma mulher que ousou enfrentar poderosos e desafiar costumes para conquistar igualdade de gênero, liberdade, respeito e direitos trabalhistas, defender territórios e a identidade de seu povo.

Símbolos da resistência no campo, elas se sobressaem porque, muito além de suas lutas, impulsionam outras mulheres a tomarem à frente por seus direitos civis, sociais e políticos. Muitas delas, com seu exemplo, deram origem a movimentos e organizações, um legado que se perpetua no tempo.

Um dos maiores exemplos dessas mulheres é Margarida Maria Alves, camponesa de Alagoa Grande, na Paraíba, que morreu, em 1983, com um tiro no rosto por defender direitos de trabalhadores rurais da Usina Tanques. É ela quem abre a galeria de perfis: “De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: ‘Da luta não fujo’“.

Por sua trajetória, Margarida tornou-se um símbolo da luta da mulher camponesa: enfrentou um contexto extremamente machista e patriarcal e tornou-se presidente do sindicato rural de Alagoa Grande em plena ditadura. Lutou contra latifundiários poderosos, protegidos por políticos, e venceu muitas batalhas. Ameaçada de morte algumas vezes, jamais abriu mão do seu direito de lutar.

Sua força é tanta que ela dá nome à Marcha das Margaridas, uma ação que ocorre a cada quatro anos, desde 2000, e reúne milhares de camponesas, trabalhadoras rurais, indígenas e quilombolas em Brasília, em viagens – algumas bastante longas – feitas a partir de vários pontos do país.

Nos dias 13 e 14, cerca de 100 mil mulheres reuniram-se mais uma vez para prestar tributo a Margarida Alves e deixar claro, às autoridades, quais são suas necessidades, alertando sobre situações de violência e opressão. Em sua sexta edição, a marcha teve como foco o protesto contra as novas regras da aposentadoria rural e contra a flexibilização do porte de armas no campo: “Marcha das Margaridas deixa recado em meio à retirada de direitos: ‘Vamos renascer das cinzas’“.

Entre outras heroínas, De Olho na História homenageará a líder quilombola Dandara dos Palmares, um símbolo da luta contra a opressão imposta aos negros; a missionária americana Dorothy Stang, ativista ambiental no Pará, assassinada em 2005; e Elizabeth Teixeira, camponesa e militante das Ligas Camponesas da Paraíba juntamente com o marido João Pedro Teixeira, assassinado em 1962.

Foto principal: Primeira Marcha das Margaridas, em 2000 (Cláudia Ferreira/Contag).

You may also read!

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.