Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no campo, na luta por territórios e direitos; muitas delas foram mortas a mando de latifundiários

De Olho nos Ruralistas inaugura uma série sobre heroínas brasileiras: De Olho na História trará, a cada semana, o retrato de uma mulher que ousou enfrentar poderosos e desafiar costumes para conquistar igualdade de gênero, liberdade, respeito e direitos trabalhistas, defender territórios e a identidade de seu povo.

Símbolos da resistência no campo, elas se sobressaem porque, muito além de suas lutas, impulsionam outras mulheres a tomarem à frente por seus direitos civis, sociais e políticos. Muitas delas, com seu exemplo, deram origem a movimentos e organizações, um legado que se perpetua no tempo.

Um dos maiores exemplos dessas mulheres é Margarida Maria Alves, camponesa de Alagoa Grande, na Paraíba, que morreu, em 1983, com um tiro no rosto por defender direitos de trabalhadores rurais da Usina Tanques. É ela quem abre a galeria de perfis: “De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: ‘Da luta não fujo’“.

Por sua trajetória, Margarida tornou-se um símbolo da luta da mulher camponesa: enfrentou um contexto extremamente machista e patriarcal e tornou-se presidente do sindicato rural de Alagoa Grande em plena ditadura. Lutou contra latifundiários poderosos, protegidos por políticos, e venceu muitas batalhas. Ameaçada de morte algumas vezes, jamais abriu mão do seu direito de lutar.

Sua força é tanta que ela dá nome à Marcha das Margaridas, uma ação que ocorre a cada quatro anos, desde 2000, e reúne milhares de camponesas, trabalhadoras rurais, indígenas e quilombolas em Brasília, em viagens – algumas bastante longas – feitas a partir de vários pontos do país.

Nos dias 13 e 14, cerca de 100 mil mulheres reuniram-se mais uma vez para prestar tributo a Margarida Alves e deixar claro, às autoridades, quais são suas necessidades, alertando sobre situações de violência e opressão. Em sua sexta edição, a marcha teve como foco o protesto contra as novas regras da aposentadoria rural e contra a flexibilização do porte de armas no campo: “Marcha das Margaridas deixa recado em meio à retirada de direitos: ‘Vamos renascer das cinzas’“.

Entre outras heroínas, De Olho na História homenageará a líder quilombola Dandara dos Palmares, um símbolo da luta contra a opressão imposta aos negros; a missionária americana Dorothy Stang, ativista ambiental no Pará, assassinada em 2005; e Elizabeth Teixeira, camponesa e militante das Ligas Camponesas da Paraíba juntamente com o marido João Pedro Teixeira, assassinado em 1962.

Foto principal: Primeira Marcha das Margaridas, em 2000 (Cláudia Ferreira/Contag).

You may also read!

Guarani de 28 anos é morto a pauladas e pedradas no Paraná

Corpo de Demilson Ovelar Mendes foi encontrado na quinta-feira, poucas horas depois do crime em uma plantação de soja,

Read More...

Sojeiros brasileiros na Bolívia compõem movimento político que derrubou Evo Morales

Latifundiários têm proximidade histórica com o Comitê Cívico pró-Santa Cruz, organização que reúne a elite empresarial de Santa Cruz

Read More...

De olho no STF, governo goiano e indústria do amianto jogam pesado para retomar atividades

Principal polo de exploração no país fica em Minaçu (GO), onde a população convive com casos de câncer abafados

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.