Movimentos sociais da América Latina denunciam ataques aos trabalhadores em meio à pandemia

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Chamada aos Povos Originários, Afrodescendentes e Organizações Populares da América Latina aponta também exclusão dos povos indígenas e quilombolas, além de utilização do Covid-19 como pretexto para avanço das forças armadas no continente

Por: Conaie – Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador
Tradução: Natalie Hornos

Conaie, quinta, 2 de abril de 2020.

A crise que globalmente provocou o Covid-19 nos apresenta uma encruzilhada aos povos do Abya Yala – América Latina. As organizações populares são a primeira linha de resistência frente às piores expressões do sistema em decomposição.

Estamos atravessando uma crise integral que ameaça a vida em todas as suas formas. O Covid–19 se transformou em uma pandemia em um momento de acentuada crise capitalista e de reiteradas tentativas do poder econômico para que a classe trabalhadora arque com a recomposição da taxa decrescente de lucro empresarial. Isso conflui com o enfraquecimento dos sistemas de saúde, a deterioração das condições de vida e, como resultado da guinada neoliberal, a pilhagem do que é público. A asfixia a que nos submetem a dívida externa, os organismos internacionais e a agonia permanente do imperialismo contra nossa soberania dão forma a um cenário que antecipa graves consequências.

Em uma América onde nos negamos a aceitar os ajustes estruturais e a aterrissagem de novas políticas imperialistas, na qual nossas populações encarnaram importantes levantamentos populares nos últimos meses, a pandemia se converteu em uma desculpa para legitimar a presença das forças armadas nos nossos territórios e implementar medidas de ajustes e deterioração das condições de existência da classe trabalhadora. Dessa forma, essa crise evidenciou novamente a brutalidade da violência patriarcal sobre as mulheres, bem como a exclusão histórica dos povos indígenas e afrodescendentes, expostos a enfrentar a pandemia em condições de vulnerabilidade extrema.

Como melhor tradição de nossa gente, somos as organizações do povo, as trabalhadoras, camponesas, povos originários, feministas, afrodescendentes, piqueteras, os que estão colocando o corpo, a cabeça e o coração para desenvolver respostas imediatas, mas também para projetar uma saída a essa crise que não seja uma volta à normalidade capitalista, mas uma mudança por uma sociedade melhor. Isso será possível se aproveitarmos o melhor de nós como povos: os laços comunitários e de unidade popular, territorial e regional que alimentemos durante essa batalha serão parte do tecido que construa os horizontes de transformação em Abya Yala.

Diante da falta de moradias ocupamos territórios e construímos casas; diante da falta de trabalho organizamos cooperativas, recuperamos fábricas e enfrentamos fechamentos, demissões e suspensões. Diante do ataque patronal lutamos por melhores condições de trabalho. Diante da falta de educação geramos escolas; diante da opressão às mulheres construímos feminismos populares. Diante da exploração construímos organização sindical de base e lutamos contra a precarização e por salários dignos. Contra a fome, construímos refeitórios populares, contra a crise climática desenvolvemos a agroecologia para garantir a soberania e a autonomia alimentar. Diante da militarização, das milícias, do paramilitarismo e do narcotráfico fazemos substituição de cultivos e lutamos pela paz. Nossa alternativa é de vida contra os que nos propõem a morte.

Frente à política de fronteiras fechadas e de fragmentação, e diante da xenofobia e do neofascismo impostos de cima pra baixo retomamos o horizonte de solidariedade continental e a unidade dos povos.

Frente às políticas de fronteira dos e das capitalistas, que utilizam a crise como revestimento do ajuste, aprofundemos e reforcemos nossa luta histórica por defesa dos territórios, da vida e da socialização das riquezas, construamos poder popular e comunitário.

Mobilização de indígenas no Equador. (Foto: Conaie)

Por isso, exigimos dos governos e convocamos o povo a:

1. Priorizar a vida sobre a dívida. Não ao pagamento da dívida externa, investigação exaustiva e condenação da mesma. É criminoso que se retirem fundos da saúde e dos direitos para pagar as obrigações com o FMI e outros credores. Os sistemas de saúde e de proteção social para enfrentar a pandemia são prioridades. Necessitamos
recuperar nossa riqueza estratégica e o controle dos bancos e do comércio exterior, fonte permanente da sangria econômica dos países latino-americanos. Somente uma política de soberania econômica, a partir do poder popular, pode aliviar a crise econômica mundial que estamos começando a viver.

2. Combater as desigualdades. Impostos extraordinários aos ricos, ao lucro dos bancos e das grandes empresas, aos que evadem o capital. Que os governos assumam um papel preliminar de eliminar as desigualdades promovidas pelo mercado, que os investimentos necessários em políticas de emergência sejam financiados enfrentando a concentração da riqueza, não com a diminuição dos salários dos trabalhadores. Reorientar as linhas de produção das grandes empresas para a produção de insumos destinados a combater o coronavírus, assim como as doenças que enfrentamos sem a atenção do Estado, como desnutrição, dengue, doença de Chagas e tuberculose.

3. Fortalecimento urgente dos sistemas de saúde pública. Investimento urgente e prioritário no sistema público de saúde, estatização da saúde privada e fortalecimento das medidas de contenção pandêmica por parte dos Estados. A pandemia reafirma a necessidade de que todos e todas recebam assistência de saúde universal, fortalecendo a promoção pública dos serviços. Que os Estados tomem o controle da produção e a administração de todos os insumos necessários para enfrentar a crise com participação e controle dos trabalhadores e trabalhadoras. Eliminação do sistema de patente sobre os medicamentos para desenvolver com plenitude a investigação e aplicação científica para resolver os problemas humanos, com reconhecimento da medicina originária ancestral.

4. Por trabalho com todos os direitos. Renda universal garantida para todas e todos. Proibição de despejos e suspensões. É essencial reconhecer os direitos dos e das trabalhadoras para viver uma quarentena digna. Que essa emergência não seja desculpa para continuarem a avançar na precarização do trabalho. Não ao fechamento de empresas, apoio estatal à sua ocupação e recuperação por parte dos trabalhadores.

5. A habitação e o habitat digno como direito social. A quarentena só pode ser realizada sob um teto, com serviços básicos garantidos e um bairro saudável. É necessário suspender as remoções, pagamento de aluguel e serviços. As políticas de habitação devem se direcionar à reforma urbana integral que garanta o acesso à moradia em bairros dignos para todas as famílias trabalhadoras. Acesso universal à água, luz e gás e urbanização dos bairros populares. Não existe uma luta contra a pandemia sem que todas as pessoas possam ter água potável, gás e acesso à eletricidade no lar, bairro ou comunidade. Nem casa sem pessoas, nem pessoas sem casa. Requisição de propriedades vazias para a população em situação de rua e albergues populares.

6. Enfrentar a fome e garantir uma alimentação universal. Priorizar o financiamento de práticas de agricultura familiar cooperativa, comunitária e agroecológica para o abastecimento de alimentos para a população, os refeitórios e cozinhas comunitárias. É necessário avançar na promoção do acesso aos alimentos como uma forma de impulsionar a economia e não causar uma crise de abastecimento. Garantir uma cesta básica com preços regulados e isentas de impostos. Exigir sanções na especulação dos preços com equipamento de supermercados e intermediários. Eliminação de dívidas dos camponeses e camponesas, redistribuição da terra produtiva e implementação do sistema de proteção às comunidades e às iniciativas agroecológicas, com financiamento do Estado.

7. Contra a mercantilização da natureza. Precisamos recuperar a soberania sobre nossos bens comuns como a água, o gás, o petróleo, a terra, a riqueza estratégica usurpada por grupos econômicos com a cumplicidade do governo e da burguesia local. Pleno respeito aos territórios das populações e reimplementação do modelo econômico extrativista local. A exploração de recursos naturais deve respeitar a mãe terra, assim como as populações que a habitam.

8. Fortalecimento da assistência sanitária e humanitária, com garantia de soberania aos territórios e populações originarias, nações indígenas e quilombolas. Especialmente aqueles que têm como habitat ecossistemas vitais como a Amazônia, onde a ameaça epidemiológica pode significar um etnocídio. Fortalecimento de governo próprio e de sistemas para a sobrevivência territorial e cultural da vida dos povos indígenas e quilombolas. Proibição de remoções e ações que violam a soberania dos povos indígenas.

9. Políticas reais para enfrentar a violência machista. Com as medidas de isolamento social, existem possibilidades de aumento da violência doméstica e de outras formas de violência contra a mulher. A expansão das plataformas tecnológicas para as mulheres cis e trans, quando a violência contra a mulher é um fato, não é suficiente para preveni-la ou erradicá-la. Orçamento para prevenção de feminicídios e transfobia. Refúgio para pessoas em situação de violência, entrega de subsídios econômicos especiais para sobreviventes. Planos de trabalho e educação orientados às mulheres.

10. Mais prevenção, não à repressão. Muitos governos aproveitaram o contexto do coronavírus para intensificar a lógica repressiva e de vigilância e para aumentar a prisão dos mais pobres, bem como de líderes comunitários, defensores e defensoras de direitos humanos e da mãe terra. É hora de reduzir a população carcerária, um problema de saúde pública. Também é necessário revalorizar as autoridades próprias e as guardas comunitárias que cuidam dos territórios ancestrais e vêm sendo um efetivo organismo comunitário para garantir a vida no campo e na cidade.

11. Não à intervenção política, econômica e militar imperialista. Rechaçamos de maneira categórica o uso da crise como desculpa para uma intromissão militar na Venezuela por parte do imperialismo ianque e seus sócios, o assassinato permanente de lideranças indígenas e populares na Colômbia, a feroz repressão do regime golpista na Bolívia, Honduras e do governo antipopular de Piñera no Chile, bem como a expansão de projetos de extração em territórios indígenas e camponeses. Exigimos que se suspendam o bloqueio econômico de Cuba e Venezuela.

12. Ajuda Humanitária Internacionalista. Exigimos dos governos que solicitem ajuda humanitária de Cuba e de outros países que desenvolveram experiências técnicas para enfrentar a pandemia e que possam ajudar a conter a expansão do Covid-19 nas cidades onde a pandemia se expandiu com mais intensidade, como Guayaquil (Equador) e São Paulo (Brasil).

Contra a riqueza de poucos, pela soberania dos povos!
Pela vida! Não ao FMI!
Como lutam os latino-americanos: dizendo-fazendo, dizendo-fazendo, dizendo-fazendo! ¡Carajo!
Solidariedade internacionalista, já!

Conaie – Confederación de Nacionalidades Indígenas del Ecuador – Equador
Congreso de los Pueblos – Colômbia
MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto – Brasil
Confeniae – Confederación de Nacionalidades Indígenas de la Amazonía Ecuatoriana – Equador
FPDS Frente Popular Darío Santillán – Argentina
Onic – Organización Nacional Indígena de Colombia – Colômbia
FOL Frente de Organizaciones en Lucha – Argentina
Ukamau – Chile
CRBZ – Corriente Revolucionaria Bolívar y Zamora – Venezuela
CNTE-SNTE – Sindicato Nacional de Trabajadores de la Educación – México
Aute – sindicato electricista – Uruguai
Coordinación y Convergencia Nacional Maya Waqib’Kej – Guatemala
CNA Coordinador Nacional Agrario – Colômbia
Movimiento de los Pueblos/por un socialismo feminista desde abajo. (Frente Popular Darío
Santillán Corriente Nacional, Movimiento por la Unidad Latinoamericana y el Cambio
Social, Izquierda Latinoamericana Socialista, Movimiento 8 de Abril) – Argentina
Cloc (Anamuri, Ranquil, Conaproch, Red Apícola Nacional, ANMI) – Chile
Fenasibancol – Federación Nacional de Sindicatos Bancarios Colombianos – Colômbia
MPA – Movimento dos Pequemos Agricultores – Brasil
Cric – Consejo Regional Indígena del Cauca – Colômbia
UTT – Union de Trabajadores de la Tierra – Argentina
PCN – Proceso de Comunidades Negras – Colômbia
Conamuri – Organización de Mujeres Campesinas e Indígenas – Paraguai
União Nacional de Trabalhadoras(es) Camelôs, Feirantes e Ambulantes do Brasil – Brasil
MICC – Movimiento Indigena y Campesino de Cotopaxi – Equador
Papda – Plate-forme haïtienne de Plaidoyer pour un Développement Alternatif – Haiti
Comisión Intereclesial de Justicia y Paz – Colômbia
Feminismo Comunitario Antipatriarcal – Bolívia
Movimiento Insurgente – Bolivia
MNCI – Movimiento Nacional Campesino Indígena “Somos Tierra” – Argentina
Cenpaz – Coordinación Nacional de Paz – Colômbia
MBL – Movimiento de Barrios en Lucha – Equador
Brigadas Populares – Brasil
Zona humanitaria de San pedro del Ingara Chocó Territorio de paz – Colômbia
Unorcac – Unión de Organizaciones Campesinas de Cotacachi – Equador
MTD Aníbal Verón – Argentina
FOB Autónoma – Argentina
FOB La Libertaria – Argentina
MTR por la democracia directa – Argentina
FAR Frente Arde Rojo/Copa – Argentina
Frente Popular – Equador
Coordinadora Simón Bolívar – Venezuela
Radio al Son del 23 – Venezuela
Plataforma de Lucha Campesina – Venezuela
Colectivo Caminos Verdes – Venezuela
FNL – Frente Nacional de Lutas – Brasil
Movimiento de Mujeres por la Vida de Cajibio y Popayán – Colômbia
Comité por la Abolición de las deuda ilegítimas CADTM Abya Yala Nuestra América – Colômbia, Haiti, Uruguai, Argentina, Venezuela, Brasil e Porto Rico)
Rede Emancipa de Educação Popular – Brasil
Feministas del Abya Yala
MPLT – Movimiento Pueblo Lucha y Trabajo – Argentina
Pañuelos en Rebeldía – Argentina
Red de la Diversidad – Bolívia
Escuela Popular Permanente – Chile
Juntos! – Juventud en Lucha – Brasil
Fabrika Zurda – Equador
Fecaol Movimiento Nacional Campesino – Equador
Asociación de Trabajadores y Trabajadoras del Transporte (Asotraset) – Equador
Corriente Sindical Carlos Chile – Argentina
Colectivo Whipala – Bolivia
Plataforma por la Auditoría Ciudadana de la Deuda de Colombia
OLP Resistir y Luchar – Argentina
Colectivo Alexis Vive – Venezuela
Venceremos Partido de Trabajadores – Argentina
Corriente Social y Política Marabunta – Argentina
Convergencia 2 de Abril – Chile
Democracia Socialista – Argentina
ASL Acción Socialista Libertaria – Argentina
La Junta – Peru
Venceremos Abriendo Caminos – Argentina
ORG Organización Revolucionaria Guevaristas – Argentina
Organización Política Presentes por el Socialismo “PPS”- Colômbia
CPI – Corriente Política de Izquierda – Argentina

Adesões:
fru@resistencia-urbana.org
comunicacion@conaie.org

Foto principal: no Tocantins, povo Apinajé fecha entrada da aldeia. (Divulgação/Seciju – Governo do Tocantins)

You may also read!

Imobiliária de Ricardo Nunes mostra conexão empresarial com parceiros da zona sul

Dono da Topsul Empreendimentos, prefeito e amigos maçons montaram empresa em nome de parentes; todos tinham conexão com Associação

Read More...

Green Village: o condomínio em Interlagos onde Ricardo Nunes e amigos fazem seu “banco imobiliário”

Maçons e empresários do ramo de imóveis, grupo do prefeito tem apartamentos no local e tentáculos na prefeitura, em

Read More...

Abraji define nota da prefeitura de São Paulo como “intimidação” ao De Olho nos Ruralistas

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo manifestou apoio ao observatório após Ricardo Nunes associar cobertura a crime de "perseguição"; reportagem

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu