“Está em curso um genocídio”, dizem povos indígenas e partidos em apelo ao STF

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Documento entregue ao Supremo pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), com apoio de PSB, PSOL, PT, PDT, PCdoB e Rede, fala em “irresponsabilidade sanitária” do governo federal e da “possibilidade real de extermínio de etnias inteiras”

Por Alceu Luís Castilho

A possibilidade real de extermínio de etnias inteiras e a “irresponsabilidade sanitária do governo federal” foram enumeradas pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) como motivos para pedido de liminar, entregue nesta terça-feira (30) ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelo direito de existir. O documento tem o apoio dos seguintes partidos, situados do centro à esquerda do espectro político: PSB, PSOL, PT, PDT, PCdoB e Rede. “Está em curso um genocídio!”, diz a Apib.

O documento começa mencionando as dezenas de milhares de mortos — já são 58 mil — e o número de pessoas contaminadas, acima de 1 milhão, além da crise econômica, para informar que os danos e riscos para os povos indígenas “são ainda maiores do que para o restante da população”. “Existe a possibilidade real de extermínio de etnias inteiras, sobretudo de grupos isolados ou de recente contato”, informa a Apib.

O governo federal “se aliou ao aberto racismo institucional contra os povos indígenas, para gerar uma verdadeira tragédia civilizacional”, diz o documento. Mesmo diante do número de mortes, ele “continua tratando o coronavírus como gripezinha, com indiferença e negacionismo científico”, caracterizando a irresponsabilidade sanitária. “Está em curso um genocídio! E vidas indígenas importam!”

“Diante desse quadro aterrador”, prossegue a Apib, representada no documento por Sonia Guajajara, “os povos indígenas do Brasil não poderiam ficar inertes”. “Protagonistas da sua própria história, eles vêm, através da entidade nacional que os representa”, a Apib, junto com os partidos mencionados, “defender perante esta Suprema Corte o mais básico dos seus direitos constitucionais: o direito de existir”.

‘DISCURSO DO PRESIDENTE ESTIMULA INVASÃO DE TERRAS’

A Apib e os partidos dizem ao Supremo que, no atual momento de pandemia, vários fatores contribuem para o agravamento dos riscos. O primeiro deles, a presença impune de invasores nas terras indígenas, garimpeiros e madeireiros, “estimulados por políticas governamentais e pelo discurso de ódio do próprio presidente da República”. As deficiências do sistema de saúde indígena e as omissões da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e Fundação Nacional do Índio (Funai) também são esmiuçadas no documento de 88 páginas.

Teste de Covid-19 em Macapá. (Foto: Nelson Carlos/Governo do Amapá)

Segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, o índice de letalidade da Covid-19 entre povos indígenas é de 9,6%, quase o dobro daquele constatado na população brasileira com um todo, de 5,6%.

O texto observa que o Estado vem se omitindo intencionalmente no seu dever de proteger os territórios indígenas, especialmente aqueles onde vivem povos isolados ou de recente contato, “abstendo-se de impedir e de reprimir invasões”. “Pior ainda: muitas vezes, é o Estado que causa ativamente a disseminação do vírus entre povos indígenas”.

A Apib e os partidos citam as manifestações “frequentes e odiosas” de Bolsonaro, em linha de incentivo às invasões:

— Com seu discurso assimilacionista e inconstitucional, francamente contrário ao direito dos povos indígenas aos seus territórios tradicionais, o governo tem incentivando ativamente invasões criminosas em terras indígenas, que cresceram exponencialmente na gestão do presidente Jair Bolsonaro.

A Sesai e a Funai, “que já vinham sendo sucateadas”, assinala o documento entregue ao STF, “não formularam políticas públicas adequadas para o enfrentamento da pandemia para os povos indígenas brasileiros, e têm se abstido de adotar medidas concretas minimamente suficientes para a garantia do direito à saúde dos povos indígenas diante da pandemia”.

DOCUMENTO EXIGE RETIRADA IMEDIATA DE INVASORES

Entre as medidas propostas pela Apib estão as seguintes:

-> “a determinação à União Federal de que imponha imediatamente barreiras sanitárias que efetivamente protejam os territórios em que habitam os povos indígenas isolados e de recente contato”;

-> “a determinação à União Federal de que providencie a imediata retirada de invasores não indígenas dos territórios indígenas a seguir listados, os quais se encontram em situação especialmente crítica de vulnerabilidade ao Covid-19 em razão da presença ilícita dessas pessoas”;

-> “a determinação de que o subsistema de saúde indígena, administrado pela Sesai, passe a contemplar todos os indígenas no Brasil, independentemente de serem ou não ‘aldeados’ e de estarem ou não em TIs homologadas”.

Mulheres indígenas na frente do STF, em 2019. (Foto: Ricardo Stuckert)

O documento observa que, como há risco real de extinção de povos indígenas, a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (o direito de existir) envolve “a própria defesa da Nação brasileira, com a plurietnicidade e interculturalidade que a caracteriza”. “O risco é para os próprios povos indígenas, mas também para todos os demais brasileiros, das presentes e futuras gerações, que tanto perderiam com os danos irreparáveis à riqueza e a diversidade cultural do país”.

| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Ingrid Ãgohó Pataxó/Cimi): bloqueio do povo Pataxó na aldeia Mucugê, TI Comexatibá, na Bahia

You may also read!

Indicado pelo Centrão, ex-deputado ruralista do Paraná é cotado para assumir o MEC

Fazendeiro e dono de cartório, Alex Canziani (PTB) teve cinco mandatos na Câmara e era membro da Frente Parlamentar

Read More...

Bolsonaro assume projeto genocida com os vetos, diz Articulação dos Povos Indígenas

Apib considera que derrubada de itens do PL que prevê apoio emergencial aos povos do campo mostra a determinação

Read More...

Frente quilombola no Congresso vê racismo e “requintes de crueldade” em vetos de Bolsonaro

Ao derrubar itens do PL 1.142, que prevê medidas emergenciais para os povos do campo durante a pandemia, presidente

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.