Cotado para STF liberou agrotóxico associado a câncer em nome da economia

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas
Desembargador Kassio Nunes Marques derrubou, em 2018, liminar que suspendeu o registro de produtos à base das substâncias glifosato, tiram e abamectina no país; ele é um dos favoritos de Bolsonaro para assumir a vaga do ministro Celso de Mello

Por Mariana Franco Ramos

O desembargador Kassio Nunes Marques, 48, cotado para ocupar a vaga do ministro Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF), foi quem derrubou, há dois anos, a liminar suspendendo o registro de produtos à base das substâncias glifosato, tiram e abamectina no Brasil. Conhecido comercialmente como roundup, o glifosato é o agrotóxico mais vendido no mundo.

Em 2015, um relatório da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc) classificou a substância como “provável carcinógeno humano”. Desde então, ela passou a sofrer restrições em diversos países, além de milhares de processos judiciais.

A Monsanto, que pertence ao grupo alemão Bayer, já foi condenada a pagar US$ 2 bilhões a um casal de americanos, diagnosticado com a doença em 2019. Estudos também relacionam o herbicida ao aparecimento de depressão, infertilidade, Alzheimer e Parkinson.

(Samuel Figueira/TRF 1ª Região): para magistrado, interrupção dos pesticidas causaria” lesão à ordem pública”

Vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), Marques atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), em setembro de 2018, para tomar a decisão. Segundo a justificativa, a suspensão dos registros causaria “lesão à ordem pública”, por tirar as substâncias do mercado de maneira “abrupta, sem a análise dos graves impactos que tal medida trará à economia do país e à população em geral”.

Conforme o magistrado, nada justificaria a interrupção. O desembargador acrescentou no despacho que diversos produtos à base do agrotóxico foram aprovados “por todos os órgãos públicos competentes para tanto, com base em estudos que comprovaram não oferecerem eles riscos para a saúde humana e para o meio ambiente, estando em uso há vários anos”.

Na liminar em que suspendeu o glifosato, a juíza Luciana Raquel Tolentino, da 7ª Vara Federal do Distrito Federal, havia atendido a uma solicitação do Ministério Público Federal (MPF), que solicitou a reavaliação toxicológica das substâncias, seguindo estudos mais recentes que apontavam um provável aumento em taxas de mortalidade devido ao seu uso.

No recurso, por sua vez, a AGU justificou que não caberia ao Judiciário “intervir em questões técnicas acerca do registro e (re)avaliação de agrotóxicos no país” e apontou que classifica a questão como “grave violação à ordem administrativa”.

SOB COMANDO DE BOLSONARO, ANVISA LIBEROU SUBSTÂNCIA

O glifosato é utilizado no Brasil para a eliminação de ervas daninhas em lavouras de soja, milho, algodão, arroz, feijão, café, banana, cacau, cana-de-açúcar, citros, coco, fumo, maçã, mamão, nectarina, pastagem, pera, pêssego, ameixa, seringueira, trigo, uva e nas florestas de eucalipto e pinus.

Agrotóxico mais vendido no Brasil e no mundo, glifosato já foi proibido em diversos países. (Foto: Arquivo/EBC)

Há um ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concluiu a reavaliação do herbicida e entendeu que ele não se enquadra nos critérios proibitivos previstos na legislação brasileira. Ou seja, afirmou que ele não causa mutações no DNA, não é carcinogênico, tóxico para a reprodução, nem teratogênico (que causa malformação fetal). A Anvisa alertou apenas que os trabalhadores das lavouras precisam ter cuidados especiais.

Na época, levantamento realizado pela Agência Pública e pela Repórter Brasil mostrou que 93 produtos formulados a partir do princípio ativo tiveram a classificação de toxicidade reduzida no país — ao mesmo tempo que o cerco ao pesticida se fecha no mundo. O produto enfrenta vetos em países europeus, como a Áustria, e mais de 18 mil ações nos tribunais nos Estados Unidos.

DESEMBARGADOR PODE FICAR ATÉ 27 ANOS NO SUPREMO

Natural de Teresina (PI), Kassio Nunes Marques começou a carreira jurídica na advocacia. Em 2008, foi indicado a uma vaga de juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI). Três anos depois, tomou posse como desembargador federal do TRF-1, nomeado pela então presidente Dilma Rousseff, após ser indicado ao cargo em lista sêxtupla elaborada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Diversos veículos de imprensa publicaram nesta quarta-feira (30) que ele é o favorito de Jair Bolsonaro para assumir a vaga na Corte. Para tanto, o candidato precisa ser sabatinado e ter o nome aprovado pelo Senado. Se confirmada a indicação, o magistrado poderá passar 27 anos como ministro do Supremo — a data de aposentadoria compulsória hoje é de 75 anos.

Segundo o blog do comentarista político Gerson Camarotti, da GloboNews, Bolsonaro já consultou individualmente dois ex-presidentes do tribunal, Gilmar Mendes e Dias Toffoli, sobre a provável indicação. De acordo com perfil publicado pela CNN, o desembargador é católico e conservador. Ele também se mostrou, em entrevista concedida ao site Consultor Jurídico, favorável à prisão após julgamento em segunda instância.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Divulgação/STF): Justiça deve levar em conta o ambiente, a sociedade ou a economia?

|| A cobertura sobre segurança e soberania alimentar durante a pandemia tem o apoio da Fundação Heinrich Böll Brasil ||

You may also read!

Em nota, Cargill informa não ter relação com ação questionando demarcação da TI Munduruku do Planalto Santareno

Veja abaixo íntegra da nota da empresa, em resposta à reportagem "Cargill compra soja de fazendeiros com propriedades sobrepostas

Read More...

De Olho nos Ruralistas estreia série sobre avanço de empresas e bancos contra terras indígenas

Relatório da Apib e da Amazon Watch com pesquisa do observatório esmiúça o processo de pilhagem dos territórios; levantamento

Read More...

Terras em 297 áreas indígenas estão cadastradas em nome de milhares de fazendeiros

Pesquisa inédita do De Olho nos Ruralistas mostra registros de propriedades sobrepostos em até 100% dos territórios ancestrais; Cadastro

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.