Engie questiona relatório que apontou impacto de linhas de transmissão em quilombos

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Quilombolas, Últimas

Multinacional francesa diz que quilombolas foram ouvidas em todas as fases do licenciamento e que área de abrangência inclui apenas cinco comunidades, número inferior ao divulgado pelo Observatório de Justiça e Conservação e por pesquisadores da UFPR 

A multinacional francesa Engie, operadora do Sistema de Transmissão Gralha Azul, um complexo de mais de mil quilômetros de linhas de transmissão na região dos Campos Gerais, no Paraná, enviou à redação do De Olho nos Ruralistas uma resposta a reportagem publicada na última quinta-feira (15) sobre os impactos ambientais em dez quilombos, conforme estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a pedido do Observatório de Justiça e Conservação: “Empreendimento de multinacional francesa ameaça dez quilombos no Paraná“.

Com mil quilômetros de extensão e 1.069 torres, projeto impactará área de 320 mil hectares. (Imagem: Divulgação/Engie)

Segundo a assessoria de imprensa da empresa, todas as atividades desenvolvidas pela Engie foram autorizadas e licenciadas pelos órgãos competentes, incluindo o processo de licenciamento junto à Fundação Cultural Palmares (FCP), iniciado em 2018. “Mediante a apresentação dos traçados das linhas de transmissão pelo Empreendedor, a FCP identificou as comunidades que se localizavam dentro do raio de influência estabelecido pela legislação, aprovando o Plano de Trabalho para execução das etapas subsequentes de licenciamento”, diz a nota.

Segundo a empresa, foram apontadas pela FCP apenas cinco comunidades localizadas em um raio de até 5 quilômetros das linhas de transmissão, e não dez, como indicado no estudo da UFPR. São elas: Rio de Meio e São Roque, em Ivaí; Sutil e Santa Cruz, em Ponta Grossa; e Invernada Paiol de Telha (Assentamento) em Guarapuava.

“Todo o processo de licenciamento vem sendo conduzido com total abertura, transparência e diálogo com as comunidades”, afirma a nota, contestando o posicionamento de líderes ouvidos na reportagem. “[Elas] participaram ativamente de todas as etapas, desde a elaboração dos Estudos de Componente Quilombola – ECQs, até a construção conjunta dos Planos Básicos Ambientais Quilombolas – PBAQs, anuindo formalmente, por meio de reuniões registradas em atas, os estudos apresentados”.

CONFIRA, NA ÍNTEGRA, A RESPOSTA DA ENGIE

Região dos Campos Gerais possui riquezas naturais e arqueológicas ainda pouco exploradas. (Foto: Reprodução/UEPG)

O observatório reproduz na íntegra, com a grafia e os padrões de texto enviados pela multinacional, a resposta da Engie à reportagem:

POSICIONAMENTO ST – GRALHA AZUL

Todas as atividades desenvolvidas no projeto são devidamente autorizadas e licenciadas pelos órgãos competentes – nas esferas municipal, estadual e federal.

O licenciamento quilombola conduzido pelo Sistema de Transmissão Gralha Azul (STGA) junto à Fundação Cultural Palmares – FCP e definido conjuntamente com as comunidades, foi realizado com o suporte de consultoria especializada, de forma extremamente qualificada, e seguindo estritamente todas as normas técnicas e legais aplicáveis.

Conforme previsto na Portaria Interministerial nº 60/2015, a linha de transmissão deve ser submetida à processo de licenciamento junto à FCP, quando esta estiver localizada a uma distância inferior a cinco quilômetros de comunidade quilombola. Sendo assim, ainda em 2018, foi iniciado o processo de licenciamento quilombola do STGA junto à Fundação. Mediante a apresentação dos traçados das linhas de transmissão pelo Empreendedor, a FCP identificou as comunidades que se localizavam dentro do raio de influência estabelecido pela legislação, aprovando o Plano de Trabalho para execução das etapas subsequentes de licenciamento. Foram apontadas pela FCP cinco comunidades tradicionais localizadas próximas às Linhas de Transmissão (em um raio de até 5 km), sendo essas: Rio de Meio e São Roque, em Ivaí; Sutil e Santa Cruz, em Ponta Grossa; e Invernada Paiol de Telha (Assentamento) em Guarapuava.

Desde a fase de planejamento, seguindo as diretrizes estabelecidas pela Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho – OIT, todo o processo de licenciamento vem sendo conduzido com total abertura, transparência e diálogo com as comunidades, que participaram ativamente de todas as etapas, desde a elaboração dos Estudos de Componente Quilombola – ECQs, até a construção conjunta dos Planos Básicos Ambientais Quilombolas – PBAQs, anuindo formalmente, por meio de reuniões registradas em atas, os estudos apresentados. Todas as consultas e reuniões realizadas junto às comunidades foram acompanhadas presencialmente pela FCP, que conduziu todo o processo de licenciamento e anuiu a emissão das Licenças Prévias e de Instalação das Linhas de Transmissão pelo órgão ambiental licenciador, o Instituto de Água e Terra – IAT.

Cumpre ressaltar que o STGA vem desenvolvendo junto às comunidades todas as medidas compensatórias previstas na legislação vigente e ações estabelecidas nos Planos Básicos Ambientais Quilombolas – PBAQs. Somam-se à essas medidas compensatórias aquelas de caráter voluntário, desenvolvidas em alinhamento às políticas de sustentabilidade da Companhia, como a doação de mais de 7 mil toneladas de alimentos em cestas básicas às famílias, a distribuição de 230 kits de proteção contra a COVID 19, a entrega de mudas de espécies nativas, entre outras ações de caráter social.

Foto principal (Reprodução): obras em estação de transmissão de energia do STGA

You may also read!

No Rio e no Espírito Santo, apenas Coser apresenta propostas para combater a fome

Paes e Crivella ignoram segurança alimentar; atual prefeito carioca chegou a reter verba da merenda escolar durante a pandemia;

Read More...

País tem troca de cestas básicas por votos em 25 dos 26 estados

De Olho nos Ruralistas fez levantamento após viralização de vídeo contra a candidatura de Bruno Covas, em São Paulo,

Read More...

Cenário atual da fome, Norte tem só dois candidatos com planos para o tema

Dos dez candidatos que que disputarão o segundo turno em cinco capitais da região, apenas Edmilson Rodrigues, em Belém,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.