Acúmulo de poder econômico e midiático influencia eleições, afirma Intervozes

In De Olho na Imprensa, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Coletivo de defesa do direito à comunicação repercute reportagens do De Olho nos Ruralistas sobre candidatos donos de rádios e TVs; para grupo, lei que proíbe parlamentares federais de possuir concessão pública deve se estender à esfera estadual e municipal 

Por Patrícia Cornils

Na série de reportagens “O Voto que Devasta”, De Olho nos Ruralistas publicou um levantamento com base nos bens declarados por candidatos a prefeituras e Câmaras Municipais ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Duas reportagens iniciais sobre o tema mostram que 51 candidatos a prefeito em 21 estados e 65 candidatos a vereador e vice-prefeito são donos de rádios e TVs. Outra mostra que a família do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, domina a mídia no Amapá.

Olívia Bandeira, do coletivo Intervozes: propriedade de mídia por políticos prejudica a democracia. (Foto: Divulgação)

Essa concentração de poder midiático é também um acúmulo de poder político, explica Olívia Bandeira, que integra a coordenação executiva do Intervozes. “Isso acaba influenciando as reeleições e fazendo com que os mesmos grupos de poder se mantenham por mais tempo”, ela afirma.

O Intervozes é um coletivo que trabalha pelo direito à comunicação no Brasil. A organização é protagonista de duas Arguições por Descumprimento de Preceito Fundamental da Constituição (ADPFs) em que demanda que o Artigo 54 da Constituição — que estabelece que deputados federais e senadores não podem ter concessões de serviço público — seja respeitado.

Para o Intervozes, esta proibição alcança deputados estaduais e vereadores, levando em conta outros dois artigos constitucionais que estendem para esses cargos as restrições impostas a deputados federais e senadores. São eles o Artigo 27, Parágrafo 1.º, referente a deputados estaduais; e o Artigo 29, Inciso 9, que se refere a vereadores. Além disso, informa Olívia, há constituições estaduais e leis orgânicas municipais que têm restrições de teor similar à do Artigo 54.

No caso de ocupantes de cargos do Poder Executivo, não há proibição direta. “O que argumentamos, no entanto, é que políticos titulares de mandato eletivo não podem ser sócios de empresas de radiodifusão porque isso viola preceitos fundamentais da Constituição, como a liberdade de expressão e o equilíbrio das eleições”, afirma Olívia. “E isso prejudica a democracia”.

CONCENTRAÇÃO DE VEÍCULOS FAVORECE INTERESSES ECONÔMICOS 

O tema da concentração da mídia costuma ganhar destaque durante eleições, quando o uso de meios de comunicação em favor de seus controladores é denunciado e fiscalizado pelos tribunais eleitorais. É parte, no entanto, de um debate político mais amplo. Um levantamento sobre a propriedade da mídia no Brasil realizado em 2017 pelo Intervozes em parceria com os Repórteres Sem Fronteiras mostra que os donos da mídia possuem, em geral, interesses econômicos relacionados — o que vale para os candidatos em 2020.

“Alguns no agronegócio, como o De Olho nos Ruralistas mostra nas reportagens, outros na área de educação, de infraestrutura, de saúde, de transporte”, detalha Olívia. “Os grupos acumulam o poder de mídia com o poder econômico e o poder político”.

Outra característica é que se trata de um poder familiar. “Muitos desses candidatos transferem suas outorgas e seu poder para políticos”, prossegue. “Vários são de famílias com bastante tradição na política e a maior parte combina a tradição na mídia com a tradição na política”. Mesmo entre os candidatos que se apresentam como “novos” na política há muitos de famílias com tradição na área da mídia, ou seja, que influenciam a sociedade por meio da propriedade de meios de comunicação. Esta visibilidade acumulada durante anos redunda em poder político.

Nas ADPFs, além do pedido principal para que o Supremo Tribunal Federal (STF) explicite que nenhum titular de mandato eletivo pode ser sócio de empresa de radiodifusão, o Intervozes faz um pedido subsidiário, pelo reconhecimento de que os membros do Poder Legislativo, em todas as esferas, também estão impedidos. As ADPFs do Intervozes defendem a constitucionalidade desta proibição. Há uma terceira em tramitação, apresentada pela Advocacia-Geral da União do governo de Michel Temer, que defende que o impedimento é inconstitucional.

Todas as três estão prontas para serem julgadas. “Todos os pareceres foram dados, depende da agenda dos ministros. Gilmar Mendes está com as nossas duas e Rosa Weber com a do Temer”, afirma Olívia. A ministra Rosa Weber já emitiu uma decisão negando medida liminar pedida durante o governo Temer, para que fossem suspensas todas as ações em curso no Brasil em relação a outorgas para políticos.

Patrícia Cornils é jornalista. |

Foto principal (Reprodução): TV Amazônia, do tio de Davi e Josiel Alcolumbre, retransmite o SBT em Macapá

 

You may also read!

Prefeito com fazenda no quilombo Mesquita, na divisa com Brasília, se reelege em Cidade Ocidental (GO)

Nos últimos quatro anos, Fabio Correa (PP) triplicou o patrimônio e adquiriu mais 20 hectares dentro da comunidade tradicional

Read More...

Apresentador do SBT no Paraná diz que “polícia pode descer bala” em indígenas

Retransmissora pertence à família do governador Ratinho Junior; discriminação e ameaças de morte em Nova Laranjeiras colocam em risco

Read More...

Território indígena no Pará é invadido dois dias após acusado de grilagem se eleger prefeito

Em 2016, quando também era prefeito, João Cleber ameaçou renunciar ao cargo em São Félix do Xingu (PA) caso

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.