Sem quilombolas, candidatos ignoram debate sobre expansão da Base de Alcântara

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Quilombolas, Últimas

Município maranhense é o que tem mais quilombos no Brasil; acordo entre Brasil e Estados Unidos deve remover cerca de 800 famílias de suas comunidades, mas campanhas do PCdoB, PSL e Pode minimizam impactos sociais e ambientais do programa espacial 

Por Márcia Maria Cruz

Cerca de 800 famílias quilombolas temem ser retiradas das comunidades onde vivem quando entrar em vigor o acordo entre Brasil e Estados Unidos para operação do Centro Espacial de Alcântara, no Maranhão. A remoção deve alterar o modo de vida da maior população quilombola do Brasil, cujos antepassados estão no território desde o século 17.

Apesar da mudança iminente, líderes quilombolas queixam-se de que o tema não tem sido tratado de maneira adequada pelos candidatos à prefeitura de Alcântara. Estão na disputa o prefeito Anderson Wilker (PCdoB), que tenta a reeleição, Antonio Rosa (PSL), Padre William (PL) e Sargento Leitão (Pode). O município abriga 220 comunidades, tem a maior população quilombola do país e o terceiro maior território étnico, a 30 quilômetros de São Luís.

 “Nos programas dos quatro candidatos à prefeitura praticamente não há menção às palavras quilombo e quilombola”, afirma Danilo Serejo, da Comunidade Quilombola Canelatíua, que integra o Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara (Mabe). “Há um verdadeiro silêncio sobre o acordo”.

Esse acordo foi promulgado no início deste ano pelo presidente Jair Bolsonaro e só não está em fase de implementação por uma decisão liminar que suspende a Resolução 11, de 26 de março de 2020, com as deliberações do Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro. Essa resolução determina a realocação das centenas de famílias para a consolidação da Base de Alcântara.

O deputado federal Bira do Pindaré (PSB-MA) obteve a liminar para suspender o pacto. E a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu. “Essa eleição de Alcântara é uma das mais importantes e estratégicas dos últimos anos”, diz Danilo Serejo. “O futuro prefeito será o operador, na administração do município, de dois projetos de envergadura internacional”.

O texto do acordo prevê, no âmbito da operação da Base Espacial em conjunto com os EUA, a instalação de um porto privado de cargas que será construído na Ilha de Cajual, onde há várias comunidades quilombolas. Está prevista a construção de uma ferrovia que interligará o município maranhense à estrada de ferro de Carajás (PA). “Os dois projetos, se implementados, vão resultar na expulsão de famílias quilombolas de todo o município”, afirma Serejo. 

Os líderes quilombolas afirmam que o tema não está sendo debatido na campanha municipal porque o acordo é aprovado por todos os partidos, incluindo os de esquerda. O PCdoB, do atual prefeito e do governador Flávio Dino, votou a favor do acordo no Congresso.

Na época, o partido defendeu sua posição em nota“O desenvolvimento tecnológico múltiplo e intensivo é um dos alicerces da soberania nacional. E por isso defende que a retomada das atividades de Alcântara cumpre um papel importante. Descortina um impulso novo ao projeto espacial brasileiro”. O PCdoB considera que o acordo não trará prejuízo às comunidades. Danilo Serejo analisa:    

Flávio Dino orientou a bancada maranhense, da base de apoio a ele ou não, a votar em favor do acordo. O que se esperava era que Dino – como um dos principais nomes do campo da esquerda, como oposição a Bolsonaro, como nome que se coloca na corrida presidencial, como nome forte de ressonância nacional – utilizasse do lugar político que ocupa hoje para se colocar contra o acordo. 

No ano passado, o movimento reuniu-se com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), para acertar uma articulação que condicionava a aprovação do acordo à consulta prévia. No entanto, o convênio foi aprovado na Câmara e no Senado sem essa ressalva. “Dino e o PCdoB apoiaram esse acordo que é ‘trumpista’ e ‘bolsonarista'”, diz Serejo.

TITULAÇÃO DE TERRAS ESTÁ ENTRE PRINCIPAIS DEMANDAS DE COMUNIDADES

Mesmo sem conseguir viabilizar a consulta, os quilombolas apresentam reivindicações que, acreditam, podem ser atendidas, como a titulação do território, reconhecido pelo Estado brasileiro com relatório técnico publicado no Diário Oficial da União em 2008. “A titulação do território é o que vai dar garantia jurídica e política para que as comunidades dialoguem com o Estado brasileiro com autonomia sobre suas vidas e destinos”, ressalva Serejo.

Comunidades quilombolas resistem à remoção para instalação de base. (Foto: Brasil de Fato)

Em maio de 2019, De Olho nos Ruralistas publicou reportagem sobre o esforço das comunidades para obter a  titulação: “Ignorados em audiência com ministro, quilombolas de Alcântara reafirmam luta pela titulação de seus territórios“. 

Outra reivindicação é que seja realizado estudo do impacto ambiental causado pelo aplicação global do pacto e pela operação do centro de lançamento. “A base funciona há quarenta anos sem licença ambiental e sem nenhum estudo que dimensione os impactos causados pela operação de lançamento de foguetes em Alcântara”. 

Em abril do ano passado, Flávio Dino participou do painel “Alcântara, Quilombos e Base Espacial” e, na ocasião, defendeu a necessidade de garantir contrapartidas sociais ao projeto de exploração comercial do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

Em 1979, o governo federal, sob regime militar, lançou as bases para o programa espacial brasileiro. Na época, aprovou-se a implementação da Missão Espacial Completa Brasileira. O objetivo era construir e operar um programa espacial abrangente, tanto na área de satélites e de veículos lançadores, como de centros de lançamentos. Três anos depois, a Aeronáutica escolheu Alcântara para instalar o complexo e os sistemas do novo centro de lançamento. Em 1º de março de 1983, o projeto foi ativado.

PROGRAMAS DE GOVERNO EXCLUEM POLÍTICAS PARA QUILOMBOLAS

O prefeito Anderson Wilker declarou patrimônio de R$ 846,5 mil em bens ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e é proprietário de 120 cabeças de gado nelore no valor R$ 160 mil. Ele faz menções vagas às comunidades em seu plano de governo. Na área de assistência social, apresenta como proposta o fortalecimento de políticas públicas para o Movimento Negro e Quilombola com a criação da Secretaria Municipal de Igualdade Racial.

O candidato Antonio Rosa declara R$ 311 mil referentes a dois imóveis e um automóvel como patrimônio. Ele tem como bandeira a criação de escolas cívico-militares. Em relação aos quilombolas, propõe otimizar os acessos viários às comunidades para o transporte de alunos. E planeja firmar parcerias para abrir o Centro de Lançamento de Alcântara para visitas turísticas.

Padre William propõe a implementação de programa de assistência técnica e capacitação de acordo com a aptidão de cada povoado local e o fortalecimento da agricultura familiar. Ele declarou patrimônio de R$ 505 mil, a maior parte em imóveis.

Sargento Leitão, com patrimônio declarado de R$ 173,6 mil, propõe políticas de apoio tecnológico aos trabalhadores rurais, apoio aos trabalhadores da zona rural para formação de cooperativas e associações e suporte técnico para as boas práticas de exploração de recursos naturais, como a piscicultura e o extrativismo. No entanto, não faz referência específica aos quilombolas.

Márcia Maria Cruz é jornalista. |

Foto principal (Instituto Socioambiental): Plataforma de lançamento de foguetes da base de Alcântara, que deve ser operada em parceria com os EUA 

|| A cobertura do De Olho nos Ruralistas sobre o impacto da pandemia nas comunidades quilombolas tem o apoio da Fundo de Auxílio Emergencial ao Jornalismo da Google News Initiative ||

You may also read!

Após reportagem, Ceratti rompe com associação que financia bancada ruralista

Pesquisa do observatório, repercutida no Greg News, listou a Associação Brasileira de Proteína Animal entre as financiadoras do Instituto

Read More...

Violência no oeste da Bahia tem assinatura de fundos paulistas de investimentos

No Cerrado, grileiros destruíram casas de vaqueiros tradicionais do fecho de Vereda da Felicidade; em Barra, pistoleiros tentaram expulsar

Read More...

Mecenas de Rodinei já foi acusado de desmatamento, sonegação e trabalho escravo

Elusmar Maggi, que doou R$ 1 milhão para o Internacional escalar o jogador contra o Flamengo, em partida decisiva

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.