Empresário que atirou ao receber PF em Manaus recebeu ministro alemão em fazenda

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas
O empresário é pai das gêmeas acusadas de furar fila. (Fotos: Reprodução)

Nilton Lins Júnior é pai das gêmeas acusadas de furar fila das vacinas; ele mesmo recebeu Gerd Müller na propriedade da família, em tour que incluiu encontro com Ricardo Salles; elas são sócias do Rancho Ferradurinha, que teve incentivos dos governos estadual e federal 

Por Alceu Luís CastilhoLeonardo Fuhrmann 

Ao ser preso por agentes da Polícia Federal, na manhã desta quarta-feira (02), em Manaus, Nilton Lins Júnior recebeu os policiais com tiros, durante a Operação Sangria, que investiga desvio de verbas para o combate à pandemia no Amazonas. O empresário é pai das gêmeas Gabrielle e Isabelle Kirk Maddy Lins, de 25 anos, acusadas de furar a fila da vacina na cidade, em janeiro.

Leilão Nilton Lins, em 2020, em parceria com universidade homônima. (Imagem: Reprodução)

É em nome das duas médicas que estão duas propriedades rurais que conseguiram benefícios estaduais e federais para seus negócios no estado. Elas são sócias do Rancho Ing Ferradurinha Agroindustrial, com sede em Manacapuru, na região metropolitana de Manaus, e filial em Minas Gerais. A fazenda já foi visitada — e elogiada — pelo ministro alemão da Cooperação e Desenvolvimento, Gerd Müller, que foi recebido pelo próprio empresário.

A história apurada pelo De Olho nos Ruralistas é um dos exemplos das relações do empresário Nilton Lins e de sua família com o poder público. Em 2018, a empresa agropecuária conseguiu um empréstimo subsidiado do Banco da Amazônia (Basa) com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A informação consta em um ofício do Ministério da Economia de 17 de março de 2020, em resposta a uma solicitação de informações feita no mês anterior pelo senador Omar Aziz (PSD-AM), hoje presidente da CPI da Covid.

As irmãs conseguiram ainda o incentivo estadual para negócios na mesma propriedade. O governo do Amazonas aprovou um incentivo fiscal de 100% para a instalação de uma fábrica de laticínios na fazenda. A proposta 144/2020, apresentada ao Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam), prevê uma instalação industrial no local para a produção de manteiga, queijo, doce de leite e iogurte. Com investimento fixo de R$ 1,47 milhão e financeiro de R$ 235 mil, a fábrica deve gerar 25 empregos.

INVESTIGADOS, PREFEITO E GOVERNADOR DECRETARAM OS INCENTIVOS FISCAIS

Rancho Ing Agroindustrial tem unidades em Manacapuru (AM) e Uberaba (MG). (Foto: Divulgação)

O incentivo havia sido aprovado originalmente em 2017, por decreto do então governador interino David Almeida (Avante). Um decreto de 2019 do atual governador, Wilson Lima (PSC), alongou o prazo para o início da instalação da unidade industrial para 03 de outubro de 2020. Os benefícios valem até 05 de outubro de 2023. Em 2018, a fazenda foi palco do início da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Amazonas.

Segundo o site do Rancho Ing Ferradurinha, o negócio começou quando as gêmeas nasceram. E iniciou como um local para a criação de pôneis e depois cavalos para as meninas, que chegaram a vencer competições de equitação na infância. Hoje, além de pôneis e cavalos da raça BH (brasileiro de hipismo), vacas das raças Gir e Girolano e caprinos. Junto com a criação para produção, a empresa tem negócios em genética animal.

GERD MÜLLER, O MINISTRO: “UM DOS LUGARES MAIS LINDOS DO MUNDO”

O ministro Gerd Müller com o secretário do Meio Ambiente do Amazonas, Eduardo Taveira. (Foto: Divulgação)

A empresa possui uma filial em Uberaba (MG). Na fazenda mineira estão registradas as atividades de produção de leite, produção de ovos e frutas e criação de frangos, bovinos, caprinos, suínos e equinos. “Um dos lugares mais lindos do mundo, um paraíso”, afirmou Gerd Müller, ministro alemão de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, segundo o site do rancho. Müller ocupa o cargo desde 2013, no governo comandado pela chanceler Angela Merkel.

A agenda do ministro alemão, no dia 10 julho de 2019, incluiu a visita a “uma fazenda modelo” em Manaus, conforme o site da embaixada da Alemanha informou, dois dias antes. A fazenda dos Lins fica, a rigor, em Manacapuru, na região metropolitana da capital. Ali Müller se informou sobre “medidas de agricultura sustentável” e se reuniu com “representantes dos povos tradicionais indígenas”.

A imprensa local não noticiou a visita ao rancho da família Lins. O site do governo do Amazonas, sim:

— A comitiva da Alemanha, assim como os representantes do Sistema Sepror, conheceram [sic] as instalações do Rancho Ferradurinha, localizado no Km 64 da rodovia estadual AM-070 (Manaus-Manacapuru), que promove o desenvolvimento da pecuária de leite na região Norte. “Temos o objetivo de, com uso da mais moderna tecnologia, promover o desenvolvimento da pecuária de leite na região Norte, com o menor impacto ambiental possível”, afirmou o pecuarista Nilton Lins Júnior.

Site do Rancho ING, da família Lins, cita visita do ministro alemão. (Imagem: Reprodução)

Um dia antes dessa visita, no dia 09 de julho, Müller esteve em Brasília com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para discutir temas “como proteção ambiental, biodiversidade e agricultura sustentável”.

Um dos temas centrais era o Fundo Amazônia, que tem como principais financiadores a Noruega e a Alemanha. O ministro alemão já foi acusado de plagiar sua tese de doutorado — uma acusação recorrente entre membros do governo Bolsonaro.

A agenda de Müller no Amazonas em 2019, segundo o jornal A Crítica, começou em Brasília, com o governador Wilson Lima e e encontros com Salles e o presidente Jair Bolsonaro. No dia 11 de julho ele visitou a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro e conheceu projetos apoiados pela Alemanha, em Iranduba (AM).

FILHAS FORAM NOMEADAS PELA PREFEITURA DIAS ANTES DE VACINA

Wilson Lima e o atual prefeito de Manaus, David Almeida, assinaram os decretos que beneficiam Nilton Lins e aparecem em outros casos relacionados à família do empresário manauara.

Gabrielle e Isabelle foram nomeadas dias antes da vacina. (Imagem: Reprodução)

Lins, o governador e seu secretário de Saúde, Marcellus Campêlo, são alvos da investigação sobre irregularidades na aplicação de recursos da saúde para o combate à Covid-19. Lima foi alvo de buscas e Campêlo teve sua prisão decretada por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

David Almeida foi responsável pela nomeação de Gabrielle e Isabelle para cargos comissionados na Secretaria Municipal de Saúde. Ambas são formadas em Medicina. No dia seguinte à nomeação, as duas foram vacinadas contra o coronavírus. Elas deixaram o cargo pouco depois. O prefeito e a secretária Shadia Fraxe são investigados pela Justiça por conta de denúncias de favorecimento a aliados na distribuição de vacinas.

Além do complexo hospitalar e das propriedades rurais, a família do empresário é proprietária da Fundação Nilton Lins, mantenedora da universidade de mesmo nome, com sede em Manaus. Ela é um dos polos de divulgação da cultura do agronegócio no Amazonas.

Nilson Lins Júnior admitiu ter recebido agentes da polícia federal com tiros, durante a prisão, ontem, em Manaus. Ele disse ter pensado que era um assalto.

Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

|| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do observatório. ||

Imagem principal (Reprodução/Brasil 247): empresário Nilton Lins é pai das gêmeas acusadas de furar fila

You may also read!

Josimar Maranhãozinho, deputado flagrado com dinheiro vivo, já extraiu madeira de terra indígena

Revista Crusoé mostrou bolsonarista retirando maços de uma caixa, no escândalo do orçamento secreto; fazendeiro, ele saltou do zero

Read More...

Inimigo dos indígenas e alinhado ao agronegócio: quem é o novo ministro do STF

Próximo de Bolsonaro e "terrivelmente evangélico", André Mendonça defendeu tese ruralista na AGU e deve seguir a mesma linha

Read More...
Ceará 5 anos

No Ceará, indígenas e camponeses sofrem com pandemia, fome e exploração

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas mostrou pressão do agronegócio e o efeito avassalador da pandemia nas comunidades

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu