Conheça o argentino que lucrará caso seja liberado o trigo transgênico

In De Olho na Comida, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Empresas estrangeiras, Principal, Transgênicos, Últimas

Gustavo Grobocopatel é sócio da maior produtora de soja e trigo da Argentina e fez parte da diretoria da empresa responsável pelo desenvolvimento da variante geneticamente modificada; CTNBio deve se reunir nesta quinta-feira para discutir a liberação

Por Bruno Stankevicius Bassi e Leonardo Fuhrmann

Integrante de um grupo de música folclórica e do conselho da Universid di Tella, ex-professor da Universidade de Buenos Aires, autor de artigos publicados no Le Monde Diplomatique Cono Sur e estudante de canto lírico. Há muitas formas possíveis de contar a história do empresário Gustavo Grobocopatel, sócio e principal executivo até o ano passado do grupo Los Grobo. Para os brasileiros, seu nome pode ficar ligado a algo bem menos nobre: a liberação da importação de trigo transgênico para o país.

Grobocopatel foi um dos grandes articuladores da liberação do plantio de trigo transgênico na Argentina para a exportação. E a empresa da qual é sócio deve ser a maior beneficiária da liberação da importação do ingrediente presente nos pães, massas e farinhas vendidos no Brasil.

O empresário Gustavo Grobocopatel em uma de suas plantações. (Foto: Instituto Interamericano de Cooperación para la Agricultura)

O Grupo Los Grobo é o maior produtor de soja e trigo da Argentina. Grobocopatel nunca escondeu sua predileção pela produção com organismos geneticamente modificados. Uma decisão que passa por assumir que há riscos ambientais e de saúde. “Nossa posição é que há riscos que devem ser assumidos e que estes riscos devem ser mitigados através de processos e esses processos são os que estão em discussão”, chegou a afirmar.

O trigo HB4 é uma tecnologia patenteada desenvolvida pela Trigall Genetics, joint venture da Bioceres — empresa que teve o empresário como um de seus diretores — com a francesa Florimond Desprez. São esses riscos a serem mitigados que Grobocopatel pretende trazer ao Brasil.

A decisão sobre a autorização para a importação de trigo transgênico poderá ser tomada nesta quinta-feira (10), durante uma reunião da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). O assunto está na pauta da comissão, ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, por sua vez comandado pelo astronauta Marcos Pontes. A aprovação no Brasil é condicionante para a liberação da comercialização na Argentina, aprovada no ano passado. O Brasil é responsável pela compra de 50% do trigo exportado pelos argentinos.

Grobocopatel era um apoiador do ex-presidente Mauricio Macri, de direita, que se empenhou diretamente na liberação do trigo geneticamente modificado. Após a derrota de Macri, o empresário passou a dialogar com o atual presidente, o peronista Alberto Fernández.

GROBOCOPATEL PARTICIPA DO LIDE, O GRUPO EMPRESARIAL DE JOÃO DORIA

Ele não está mais à frente dos negócios: renunciou à presidência do grupo Los Grobo em outubro e anunciou que passaria a viver no Uruguai. Mas Grobocopatel ainda é a face mais visível do grupo empresarial, do qual permanece sócio. Atualmente, o grupo é presidido por Santiago Cotter, representante da empresa de investimentos Victoria Capital Partners, dona desde 2016 de 76% do total de ações do grupo. A empresa investe em diversos negócios com participação no mercado brasileiro, como o Grupo Educacional Damásio, a Relógios Technos, a empresa de eventos Brazil Trade Show Partners, a rede de saúde Oncoclínicas e o Grupo Editorial Santillana.

Gustavo Grobocopatel é fundador do Lide, de João Doria, na Argentina. (Foto: Divulgação)

Antes da entrada da Victoria, o grupo chegou a ter negócios no Brasil. No início da década passada, a empresa era sócia da Ceagro, que produzia soja no Mato Grosso e na região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), fundada em 1995 por Paulo Fachin, um empresário paranaense que passou a comercializar grãos no Maranhão.

O Grobo e a Vinci Partners, financeira fundada pelo ex-sócio do Banco Pactual Gilberto Sayão, entraram no negócio em 2008. Entre 2012 e 2013, as duas venderam gradativamente o controle do grupo, que havia se fundido com a goiana Selecta em 2010, para a Mitsubishi. Junto com a agropecuária baiana Synagro, adquirida em 2012, a Ceagro passou a se chamar Agrex. Fachin continua como executivo da empresa.

Mesmo com seus negócios concentrados na Argentina e no Uruguai, Grobocopatel mantém uma relação próxima com o empresariado brasileiro. Ele é fundador e dirige na Argentina o setor de agronegócios do Grupo de Líderes Empresariais (Lide). O movimento é brasileiro, foi criado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e atualmente é presidido por um de seus filhos.

|Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

Bruno Stankevicius Bassi é repórter e coordenador de projetos do De Olho nos Ruralistas. |

Foto principal (Reprodução): Gustavo Grobocopatel defende a comercialização de trigo transgênicos no Brasil

LEIA MAIS:
Zeca Camargo apresenta no UOL “publieditorial” em defesa de agrotóxicos e transgênicos
Parceiro de Doria, rei da segurança em SP avança com arroz e agrotóxicos no Paraguai
Cuba adere aos transgênicos

You may also read!

Josimar Maranhãozinho, deputado flagrado com dinheiro vivo, já extraiu madeira de terra indígena

Revista Crusoé mostrou bolsonarista retirando maços de uma caixa, no escândalo do orçamento secreto; fazendeiro, ele saltou do zero

Read More...

Inimigo dos indígenas e alinhado ao agronegócio: quem é o novo ministro do STF

Próximo de Bolsonaro e "terrivelmente evangélico", André Mendonça defendeu tese ruralista na AGU e deve seguir a mesma linha

Read More...
Ceará 5 anos

No Ceará, indígenas e camponeses sofrem com pandemia, fome e exploração

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas mostrou pressão do agronegócio e o efeito avassalador da pandemia nas comunidades

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu