Bancada do agronegócio inicia campanha contra o De Olho nos Ruralistas

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Frente Parlamentar da Agropecuária volta a atacar o observatório, insinuando que matérias críticas aos seus interesses são “fake news”; financiada por multinacionais como Bayer, BRF, JBS, Bunge e Cargill, frente já barrou equipe de reportagem em 2016

Por Alceu Luís Castilho

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), braço mais conhecido da bancada ruralista, a maior do Congresso, voltou a atacar o De Olho nos Ruralistas. Em post publicado nesta terça-feira (07), o perfil oficial da organização no Twitter convida as pessoas a seguirem a página, para ficarem “de olho nos ruralistas de verdade, sem fake news”.

FPA fez posts acusando o observatório de “fake news”. (Imagem: Twitter)

Usuários da plataforma logo perceberam a referência a este observatório, que tem como missão justamente fiscalizar o poder político e econômico do agronegócio, defendido pela FPA e por seus financiadores. Um deles disse que continuará a observar os ruralistas por meio deste projeto. A resposta veio em tom abaixo em relação ao post inicial:

— Nós estamos propondo um local onde possamos expor nossos debates e posicionamentos, uma vez que quem se opõe a nós já o faz. Dessa forma vocês (usuários) conseguem ter os dois lados do debate. Afinal, é assim que funciona a democracia, não?

Frente se diz democrática, mas já barrou equipe de reportagem do De Olho. (Imagem: Twitter)

O questionamento da frente nas redes sociais contrasta com o comportamento público dos membros do próprio grupo. Em 2016, a equipe do De Olho (este editor, inclusive) foi expulsa da sede da organização, quando fazia reportagem sobre bancada e mudanças climáticas.

Pouco depois das entrevistas com o então presidente, Alceu Moreira (MDB-RS), e com o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), o secretário-executivo do Instituto Pensar Agro (IPA), João Henrique Hummel, se dirigiu aos repórteres e afirmou: “Saiam da minha casa”. A equipe apenas fazias perguntas — jornalísticas — em um evento que a própria assessoria de imprensa da instituição reconheceu como público.

O IPA é o motor logístico da FPA. A expulsão e as posições dos parlamentares, pouco afeitos ao diálogo que dizem propor, foram registradas no documentário “Sem Clima — Uma República Controlada pelo Agronegócio“. Assista:

REPORTAGEM MOSTROU QUEM SÃO OS FINANCIADORES OCULTOS DA FPA

Não foi a primeira vez que o grupo se mostrou incomodado com o trabalho do De Olho e partiu para o ataque. Em novembro de 2020, dois dias após o primeiro turno das eleições, a frente comparou o site com blogs como o Jornal da Cidade e o Conexão Política, ambos bolsonaristas (assim como a própria FPA, um dos eixos do Centrão), investigados na CPMI da Fake News por divulgarem informações mentirosas sobre a pandemia, algo que este observatório combate.

A publicação foi uma resposta ao 32º episódio da quarta temporada do Greg News — um programa humorístico baseado em informações jornalísticas. Em “Siga a Grana”, o apresentador Gregório Duvivier falou sobre o financiamento da bancada. Empresas como Bayer, Basf, BRF, JBS, Bunge, Syngenta e Cargill compõem as associações cujos recursos custeiam o IPA, como mostra reportagem de 2019 assinada pela jornalista Priscilla Arroyo.

Após essa edição do Greg News, a Ceratti disse que não sabia que financiava indiretamente a FPA e informou que estava se desfiliando da associação.

No momento da expulsão da equipe de jornalistas, o principal executivo do IPA — e da FPA — segurava a pasta da Aprosoja, uma das associações citadas na reportagem. A sequência de dez posts da frente no Twitter busca emplacar a tese de que o Brasil e o agronegócio são defensores eficazes do ambiente: “A pergunta que fazemos é por que não mostrar que somos vanguarda na preservação, enquanto alguns países concorrentes não possuem nenhuma floresta preservada?”

FOCO ATUAL É NO PL DA GRILAGEM E CONTRA DEMARCAÇÃO DE TERRAS INDÍGENAS

A campanha mais recente contra a cobertura crítica do setor acontece em meio à tramitação do Projeto de Lei 2633/2020, conhecido como PL da Grilagem, e do PL 490/2007, do Marco Temporal, que retira direitos territoriais indígenas. Enquanto ataca o De Olho nos Ruralistas e representantes dos povos do campo, a FPA se articula para aprovar as propostas.

Afagos a membros do governo Bolsonaro são comuns na página da FPA. (Foto: Twitter)

Nos últimos posts no Twitter, a frente se divide entre cards em defesa dos projetos, respostas a veículos de imprensa e afagos ao governo Bolsonaro. Nesta quarta-feira (07), a assessoria da organização também usou de forma equivocada o termo fake news para rebater reportagem do Congresso em Foco — outro veículo absolutamente sério — sobre o PL 2633. “A regularização é para quem ocupa as terras de forma mansa e pacífica”, escreveu, na postagem.

Um dia antes, a FPA fez uma homenagem à ministra Tereza Cristina, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a quem chamou de “um presente para o setor agropecuário brasileiro”.

E, em 16 de junho, relatou que membros da bancada se reuniram com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para “debater pautas prioritárias“. Lira é um dos pilares da sustentação do governo Bolsonaro, ao barrar pedidos de investigação sobre o presidente da República — um genocida que vem produzindo provas diárias contra si mesmo, para muito além da corrupção. A ponto de arrancar máscara de uma criança.

PRESIDENTE DA FRENTE RECEBEU DOAÇÃO DE INVESTIGADO NA CARNE FRACA

Alceu Moreira fez parte da base de apoio de Michel Temer e esteve entre os que organizaram o apoio da FPA a Jair Bolsonaro, ainda durante a campanha. Em 2014, ele conclamou fazendeiros contra os povos indígenas, no Rio Grande do Sul. Foi no mesmo evento em que Heinze referiu-se a gays, lésbicas, indígenas e quilombolas como “tudo o que não presta”. Confira o perfil de ambos feito pelo De Olho nos Ruralistas durante a última campanha eleitoral, em 2018: “Influentes e virulentos, ruralistas gaúchos tentam manter poder no Congresso e no Executivo“.

Sérgio Souza: financiado por empresas do agronegócio

Atualmente, a FPA é presidida pelo deputado federal Sérgio Souza (PMDB-PR), que não declarou bens rurais à Justiça Eleitoral em 2014. Dos R$ 2,2 milhões que recebeu de financiamento de campanha, porém, mais de R$ 400 mil vieram de empresas – ou donos de empresas – do agronegócio. Parte deste montante veio de investigados na operação Carne Fraca, que apurou um esquema de fraudes no Mapa e irregularidades cometidas por grandes frigoríficos.

O sexto maior doador foi Valdecio Antonio Bombonatto, presidente da Fortesolo, com R$ 50 mil. Ele e o irmão Almir Jorge Bombonatto foram flagrados em conversas com Daniel Gonçalves Filho, então superintendente do ministério e considerado pela Polícia Federal (PF) o “líder da organização”. A doação para Souza – dentro da legalidade – foi a maior feita por Bombonatto naquele pleito.

Outro investigado da Carne Fraca que contribuiu financeiramente para a campanha eleitoral do paranaense foi seu ex-chefe de gabinete Ronaldo Troncha. Ele também foi alvo de condução coercitiva. Em 2014, doou R$ 12 mil para a campanha do futuro chefe – comandou o gabinete do peemedebista entre abril de 2015 e agosto de 2016.

SAIBA COMO APOIAR A IMPRENSA INDEPENDENTE E CRÍTICA

De Olho nos Ruralistas sobrevive de sua base de assinantes, aqueles que acessam a página De Olho nos Mil Parceiros, e de financiamentos pontuais — de editais, fundações e institutos — para ações específicas. Fundado em 2016, o projeto parte da convicção de que o jornalismo crítico é vital para a construção de um novo país, com um tratamento mais humano às pessoas e ao ambiente. Saiba mais e veja como contribuir, a partir de R$ 12, aqui.

Mostrar o outro lado do agronegócio — para muito além do marketing da FPA e da rede de meios de comunicação que faz publicidade a favor desse modelo, em vez de fazer jornalismo — continuará a ser prioridade deste observatório.

Sobre fake news, a Frente Parlamentar da Agropecuária está convidada a um debate sobre o tema. Dois representantes do observatório, dois representantes da bancada. Para falarmos sobre notícias falsas. Topam?

| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas. |

Foto principal (Divulgação/FPA): membros da bancada ruralista se reúnem com o presidente da Câmara para debater pautas de interesse do setor

LEIA MAIS:
“Carne Fraca”: novo presidente da Comissão de Agricultura da Câmara recebeu doação de investigado
Em resposta ao Greg News, Frente Parlamentar da Agropecuária ataca o De Olho nos Ruralistas
Multinacionais são financiadoras ocultas da Frente Parlamentar da Agropecuária
Influentes e virulentos, ruralistas gaúchos tentam manter poder no Congresso e no Executivo

You may also read!

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu