Em nota, Grupo Progresso nega ocorrência de trabalho análogo à escravidão em fazenda

In Sem categoria

Veja abaixo íntegra da nota da empresa, em resposta à reportagem “Fazenda onde foi feita abertura da colheita de soja já teve flagrante de trabalho escravo“:

 

NOTA DE POSICIONAMENTO GRUPO PROGRESSO:

Não há nenhum fundamento nas acusações de que o sr. Cornélio Adriano Sanders tem envolvimento com o trabalho escravo. Realmente houve uma denúncia em 2005, mas o próprio MPF pediu arquivamento do caso em 2019, após as manifestações defensivas apresentadas pelo advogado Thomaz Rangel, comprovando a ausência de provas contra o acusado. Além disso, o MPF não conseguiu ouvir nenhuma testemunha da acusação para confirmar as denúncias, nem mesmo os fiscais. Do contrário, foram ouvidos colaboradores da Fazenda Progresso, que relataram as boas condições de trabalho da empresa, desde as relações trabalhistas até as instalações da propriedade.

Também é importante ressaltar que o nome do sr. Cornélio Adriano Sanders não consta na Lista Suja do Trabalho Escravo. Logo após as acusações terem sido desmentidas, foi apresentado mandado de segurança para que o nome do produtor fosse desvinculado da referida lista, o que foi prontamente atendido pela justiça. A Fazenda Progresso nunca esteve envolvida em trabalho escravo. O caso em questão ocorreu a 12 km da sede, em uma área da propriedade que havia sido arrendada. Os supostos trabalhadores envolvidos no caso eram, na verdade, prestadores de serviço para outra pessoa sem nenhuma ligação com o Grupo Progresso.

Em tempo, informo que atualmente o Grupo Progresso atende às exigências do mercado internacional, no que diz respeito ao cumprimento de normas técnicas e posturas alinhadas com a responsabilidade social e ambiental. Em reconhecimento ao compromisso do grupo com seus colaboradores, com a comunidade e com o meio ambiente, temos três fazendas com certificações que atestam a responsabilidade socioambiental do Grupo: a Fazenda Progresso (Soja com Certificação RTRS; Algodão com Certificação ABR/BCI); a Fazenda Rainha da Serra (Soja com Certificação RTRS) e a Fazenda Ouro Branco (Soja com  Certificação RTRS).

Além das certificações, o Grupo também investe em projetos de fortalecimento dos compromissos socioambientais da empresa, como é possível constatar no site do Grupo.

You may also read!

Filho de Bolsonaro defende fazendeiros que ocupam terras ligadas ao clã Dallagnol

Propriedades da família do ex-procurador, em Nova Bandeirantes (MT), têm sobreposições com Projeto de Assentamento Japuranã; deputado estadual

Read More...

Saiba quem é o dono da fazenda onde Guarani Kaiowá foi assassinado, no Mato Grosso do Sul

Massacre policial ocorreu nesta sexta-feira, em Amambai, na fronteira com o Paraguai, e deixou oito feridos; pecuarista tem várias

Read More...

Perícia mostra “triplex” de terras rurais da família Dallagnol no Mato Grosso

Sobreposição é uma das acusações do Incra para reaver dinheiro gasto com desapropriações; fazendas de tios e pai do

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu