Campo e cidade cobram políticas públicas para um Brasil Sem Veneno

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Representantes de movimentos socias, da academia e do legislativo se articulam para barrar o PL do Veneno, derrubar incentivos fiscais aos agrotóxicos e fortalecer políticas públicas de incentivo à produção agroecológica e camponesa

Por Nanci Pittelkow

Brasil Sem Veneno mapeia resistências contra os agrotóxicos em âmbito nacional.

O projeto Brasil Sem Veneno – uma parceria entre De Olho nos Ruralistas e O Joio e o Trigo – identificou 542 iniciativas de combate aos agrotóxicos em todo o Brasil. O levantamento inédito mostra uma ampla gama de ações, com diferentes estratégias. De movimentos sociais a grupos de comunicação, passando por iniciativas legislativas, ações educativas e grupos acadêmicos. Em meio a essa diversidade, há uma perspectiva em comum entre elas: a urgência de criar pontes entre campo e cidade para reverter a agenda de retrocessos movida por Jair Bolsonaro e pela bancada ruralista no Congresso.

“A prioridade é barrar o Pacote do Veneno, que infelizmente parece estar próximo de ser aprovado, e avançar nas legislações de redução de uso de agrotóxicos”, explica Alan Tygel, da Campanha Permanente Contra Agrotóxicos e Pela Vida. “Estamos numa disputa de narrativas com o agronegócio, que tem muito poder e dinheiro e consegue influenciar meios de comunicação e a política”.

“Outra questão que está caindo de madura é a concessão de subsídios fiscais aos agrotóxicos”, afirma Neice Muller Faria, pesquisadora associada da Universidade Federal de Pelotas (RS), cujo grupo de pesquisa é um dos destaques do levantamento do Brasil Sem Veneno. “É um absurdo que um país em crise econômica conceda benefícios para grandes indústrias”. Para contestar esse incentivo, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) moveu a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 5.553 no Supremo Tribunal Federal (STF), questionando os dispositivos tributários que concedem isenção parcial de ICMS e total de IPI para a produção e comercialização de pesticidas.

Segundo Tygel, a disputa por políticas públicas que viabilizem a produção sem veneno no orçamento federal continuará intensa. “Mesmo com a vitória de um governo progressista nossa luta continua árdua”, opina. “Sabemos que as alianças para a vitória contra o Bolsonaro incluem representantes do agronegócio”.

“Vai ser muito difícil a gente conseguir algo sem tirar o Bolsonaro do poder, ele é a peça-chave nessa engrenagem”, concorda Fernando Carneiro, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e membro do GT de Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). “Sobre os erros do passado, podíamos ter aprovado o Programa Nacional de Redução de Agrotóxicos (Pronara), que está para ser votado. Os governo PT tiveram essa oportunidade e não fizeram por pressão do agronegócio”.

Enquanto políticas de incentivo à produção camponesa minguam, agrotóxicos recebem incentivos. (Foto: Reprodução)

 

 

 

 

REVERSÃO DE SUBSÍDIOS PARA PESTICIDAS É PRIORITÁRIA

O julgamento da ADI 5.553 encontra-se suspenso desde novembro de 2020, após pedido de vistas de Gilmar Mendes. Em 2018, o ministro do Supremo foi alvo de duas ações do Ministério Público do Estado do Mato Grosso (MPMT) devido ao plantio irregular de transgênicos em área de preservação e uso abusivo de agrotóxicos em duas fazendas situadas no município de Diamantino, às margens do rio Paraguai. O ministro Edson Fachin, relator da ação, votou favoravelmente à ação.

Deputado estadual Renato Roseno foi um dos proponentes da ADI. (Foto: Alece)

“São produtos que podem matar e, ao invés de ter o uso restrito, recebem incentivos para venda”, avalia Beth Cardoso, da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA). Para o deputado estadual Renato Roseno (PSOL-CE), autor da primeira lei contra a pulverização aérea de agrotóxicos aprovada no país, a isenção de impostos para agrotóxicos é inconstitucional. “O princípio da seletividade tributária é isentar o que se quer estimular, e a gente não deveria estimular veneno”, afirma.

O tema também tem impacto direto sobre o Sistema Público de Saúde (SUS). “A cada 1 dólar gasto com agrotóxicos, gasta-se 1,3 com intoxicações agudas”, ilustra Fernando Carneiro, da Fiocruz. “Capitaliza-se o lucro e socializa-se o prejuízo para saúde e ambiente”.

“O agronegócio tem todo o apoio do estado, recebe milhões em incentivos”, analisa Edivagno Rios, coordenador do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA). “No semiárido costumamos dizer que o problema não são as secas, são as cercas que concentram a terra e a falta de políticas públicas”.

POVOS DO CAMPO SE ARTICULAM POR MAIS POLÍTICAS PÚBLICAS

Para pressionar o poder público, os movimentos intensificaram a agenda de mobilizações, ocupando ministérios, câmaras municipais, unidades da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Congresso. “São ações em torno das políticas públicas, contra o pacote do veneno, pela agroecologia”, informa Jakeline Pivato, militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e integrante da Campanha Permanente Contra Agrotóxicos e Pela Vida. “Nossa motivação é tirar os agricultores da dependência dos pacotes prontos, caros e muitas vezes inadequados às condições tropicais de produção”.

Retomada de políticas para produção agroecológica e camponesa é prioridade dos movimentos. (Foto: Reprodução)

A sociedade civil busca se organizar para acumular força política e direcionar as ações para voltar ao rumo iniciado nos anos 1990 e 2000, com a criação da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e de programas de compras públicas como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e todo arcabouço criado pela Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PNAPO).

“Nossa proposta é a criação de um programa camponês a partir da criação de uma empresa brasileira de alimentos que possa garantir a sobrevivência de quem produz e de quem está com fome”, acrescenta Edivagno Rios, do MPA. “Outro desafio é o de distribuir para um mercado controlado pelo capital e as feiras e os mercados próprios são algumas das saídas”.

Para Beth Cardoso, do GT de Mulheres da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), produzir a mesma quantidade de comida para alimentar o país, ou até mais do que se produz hoje, por meio da agroecologia, é possível. “Pode-se usar a mesma extensão de terra, o que não pode é ter um dono só”, afirma. “A agricultura camponesa produz para o mercado e para o autoconsumo. O camponês não vai ter só café. Vai ter feijão, mandioca, galinha, porco”. Diversas metodologias, como as dos Sistemas Agrícolas Integrados (SAT) do Rio Negro e do Vale do Ribeira comprovam que as pequenas propriedades diversificadas mantêm o equilíbrio daquela propriedade, comunidade e região.

“Até os anos 40 nós produzíamos sem ‘pacote verde’, que de verde só tem o nome”, afirma o deputado Renato Roseno, candidato à reeleição para a Assembleia Legislativa do Ceará. “Esse pacote tecnológico é insustentável, pois ele é hidro intensivo, tem alta contaminação e é muito caro”, completa.

Imagem em destaque (Denise Matsumoto): projeto Brasil Sem Veneno mapeia resistências contra os agrotóxicos em todo o país

| Nanci Pittelkow é jornalista.|

LEIA MAIS:
De Olho nos Ruralistas e O Joio e O Trigo lançam projeto Brasil sem Veneno
Projeto Brasil Sem Veneno mapeia 542 iniciativas de resistência aos agrotóxicos pelo país
Pesquisa mostra 59 iniciativas legislativas contra os agrotóxicos em todo o Brasil
Legado de Zé Maria do Tomé consolida Ceará na resistência aos agrotóxicos
Contato com agrotóxicos pode levar a dano do DNA, causar câncer, problemas renais e doenças no sangue
Após censura, cientista faz levantamento inédito de pesquisas brasileiras sobre impacto dos agrotóxicos na saúde
Quando estudar agrotóxicos vira caso de perseguição
Infertilidade e aborto espontâneo: como a exposição a agrotóxicos pode afetar jovens agricultores

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu