Mapa interativo reúne 128 candidaturas de indígenas, quilombolas e camponeses

In De Olho na Política, Em destaque, Principal, Resistência, Sem categoria, Últimas

Povos do campo se organizaram para lançar nomes em todo Brasil e representar comunidades, biomas, tradições e culturas sem espaço na política; chapas propõem mais diversidade em oposição a um congresso “homem, branco e mais velho” 

Por Nanci Pittelkow e Luma Prado

Nas eleições de 2022 os eleitores devem escolher entre dois projetos: um governo autoritário que age contra o povo ou aquele que sempre atuou no campo democrático. Para os governos estaduais e na renovação do Congresso, Senado, Câmara Legislativa (no Distrito Federal) e Assembleias Legislativas , a dicotomia se repete.

Mulheres indígenas fazem ato em Brasília. (Foto: Divulgação)

Para facilitar a busca e a escolha dos eleitores que querem proteger os biomas e os povos do campo, das florestas e das águas — e que lutam por comida de verdade no prato, e para todos — o De Olho nos Ruralistas fez uma ampla pesquisa e reuniu candidaturas de indígenas, camponeses e quilombolas de todo o Brasil em um mapa interativo.

Os critérios de seleção são as candidatas e candidatos estarem alinhados aos movimentos quilombola, indígena e campesino. Serem de partidos progressistas, ou pelo menos não alinhados com o campo bolsonarista, como PT, PSOL, PSB, PCdoB, PCB, PSTU, Rede, PDT, UP, PV, PCO. Ou estarem em partidos alinhados com candidatos progressistas nacional ou regionalmente, observando-se as composições locais.

O mapa abaixo conta com 128 candidaturas individuais ou coletivas, por estado, e traz nome, número de chapa, pequena descrição e link para página ou rede social do candidato, sempre que disponível. Confira.

Mapa interativo reúne 128 candidaturas de indígenas, quilombolas e camponeses. (Elaborado por Eduardo Damiani Goyos Carlini)

POR QUE VOTAR EM QUILOMBOLAS, INDÍGENAS E CAMPONESES

Ainda que a população brasileira seja composta por 56% de pretos e pardos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Congresso apenas 17,8% dos parlamentares são negros. Este observatório identificou ao menos 24 candidaturas de quilombolas em 16 estados. O estado com mais chapas é o Maranhão, com quatro. Entre as individuais, duas são de homens e doze são de mulheres, uma trans entre elas, e todas as coletivas incluem mulheres. De acordo com a Fundação Palmares, o país soma 6 mil quilombos; 1.700 estão em processo de titulação e apenas 154 possuem reconhecimento formal de suas terras.

Os indígenas foram as maiores vítimas durante a ditadura, contabilizando mais de 8 mil mortos, conforme já tratado na série De Olho na História. Durante o governo Bolsonaro, a situação que já não era favorável para os povos da floresta piorou muito, com invasões, exploração ilegal e assassinatos. Em reportagem recente, Mariana Franco Ramos cobriu para este observatório mais um protesto indígena contra a violência, em Brasília.

Por isso, mais do que nunca, mulheres e homens originários querem aldear a política. Entre 182 candidatos que se autodeclararam indígenas no pleito deste ano, a equipe do De Olho nos Ruralistas levantou pelo menos 62 chapas alinhadas ao movimento indígena e a partidos ou coligações progressistas. São candidaturas das cinco regiões, que defendem a Amazônia, a Mata Atlântica, o Cerrado e a Caatinga, em 24 estados; oito são de Roraima.

Marcha das Margaridas busca diálogo com o governo. (Foto: Divulgação)

Para completar o mapa, somam-se candidaturas sem-terra, ribeirinhas, pescadoras e de populações tradicionais, que defendem reforma agrária, direito à terra, direitos humanos e políticas de incentivo à agroecologia, todas elas no universo do campesinato.

São pelo menos 42 candidaturas camponesas, reunindo homens e mulheres de todas as regiões do Brasil, em 18 estados e no Distrito Federal. O Pará, com longo histórico de violência no campo, como o massacre de Eldorado do Carajás, reúne mais candidaturas, cinco.

Os programas da série eleitoral do De Olho na Resistência detalharam as propostas de indígenas, quilombolas e camponeses em três programas especiais. Mais três vídeos abordam essas candidaturas, aliadas a ambientalistas, representantes da agroecologia e acadêmicos, que falam da necessidade de criar políticas públicas em defesa da segurança alimentar e comida de verdade, defesa do ambiente, combate às mudanças climáticas e combate à violência no campo. 

O próximo programa tratará de diversidade e representatividade, escassas nos espaços políticos no Brasil desde o início da República. 

CANDIDATURAS PROTEGEM AMBIENTE E QUEM PRODUZ COMIDA DE VERDADE

“Por que é importante ter um camponês?”, pergunta o professor Rafael Chapéu de Couro, candidato a deputado estadual pelo PT na Paraíba. “Só quem sabe a dor da gente saberá nos dar valor”, afirma. “A gente luta diariamente contra o agronegócio, contra o capitalismo, que vem desenfreado trazendo doenças, enfermidades, alimentos com venenos”. Ele lembra que os camponeses conhecem os desafios em relação à infraestrutura, comercialização e produção ecológica sem uso de venenos.

Camponeses fazem produção agroecológica. (Foto: Divulgação)

As comunidades camponesas conhecem de perto a força do capital. “Por um lado, são os plantadores de soja, do outro lado, a Suzano”, descreve Vânia Ferreira, militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e candidata a deputada federal pelo PT no Maranhão. “A pecuária de outro lado, as barragens de outro lado”. Ela ressalta que a atuação política dos camponeses vai além da institucionalidade. “Produzir alimentos saudáveis é um ato político, assim como defender a saúde pública de qualidade, a democratização do acesso à terra, o direito ao trabalho, ao lazer, ao esporte”.

Diante da falta de representatividade e políticas públicas, os povos se organizaram. “Logo que Bolsonaro assumiu, ele transformou a violência contra os indígenas numa política, como não demarcar terras indígenas”, diz Sônia Guajajara, candidata a deputada federal pelo PSOL em São Paulo. Sobre ocupar a política, ela diz: “Precisamos ter condições para poder fazer a gestão e fortalecer as iniciativas próprias de cada povo”.

“Aquilombar é fortalecer as nossas lutas, é unificar, é juntar, é dar as mãos”, explica José Carlos Galiza, quilombola e co-candidato a deputado federal pelo PSOL no Pará. Galiza ressalta o momento de abandono da população negra e especialmente a quilombola, que sempre esteve à margem das decisões de governo e sem nenhuma atenção do poder público. “Eu sempre falo que a gente veio sequestrado da África, numa condição sub-humana e parece que até hoje a gente ainda vive nessa condição”. Para o cabeça da chapa, participar das eleições é ocupar e reconstruir os espaços de poder e decisão.

EMPRESÁRIOS E RURALISTAS TÊM REPRESENTAÇÃO DESPROPORCIONAL NO CONGRESSO

A organização dos povos do campo é uma resposta à falta de diversidade e representatividade em todas as instâncias políticas. A representação feminina na câmara, de 15%, fica bem distante do índice de 51,5% de mulheres que representam a maioria da população brasileira, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os negros também não estão representados com equilíbrio. São 125 deputados que se autodeclaram negros, entre 513. Segundo dados do IBGE, a população brasileira é formada por 56% de negros.

Diante de dados que dão conta de que 70% da população ganha até dois salários-mínimos, a representação de quem detém o poder econômico aparece em flagrante contraste: entre os deputados eleitos em 2018, há 108 empresários e 280 fazem parte da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

| Nanci Pittelkow é jornalista. |

|| Luma Prado é historiadora, roteirista e apresentadora do De Olho na Resistência. ||

Foto principal (Victor Moreira/De Olho nos Ruralistas): mulheres durante a Marcha das Margaridas, em Brasília

You may also read!

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu