Fundo americano de professores passa a controlar 270 mil hectares no Brasil

In De Olho no Agronegócio, Empresas estrangeiras, Principal, Últimas

TIAA tinha metade da Radar, mas Cosan vendeu parte de sua fatia; relatório de 2015 diz que empresa adquiriu terras griladas e que compra de terras era ilegal

A Cosan vendeu fatia não revelada de sua participação – antes metade – na empresa Radar, que administra 270 mil hectares em nove estados (SP, GO, PI, MT, MS, MA, MG, TO e BA). As 555 propriedades agrícolas passam a ser controladas pelo TIAA, um fundo de pensão de professores americanos – e uma das 100 maiores corporações financeiras estadunidenses. O fundo já tinha a outra metade da empresa.

Quem presidia até o mês passado a empresa era Collin Butterfield, que está de mudança para o fundo de pensão da Universidade de Harvard. Ele é um dos líderes do Vem Pra Rua, movimento que participou ativamente da queda de Dilma Rousseff – e que elegeu uma vereadora em São Paulo, Janaina Lima (Novo). Confira aqui: “Líder de Vem Pra Rua sai da Cosan para investir em ativos florestais pela Universidade de Harvard“.

A informação sobre a compra da Radar foi dada pelo Valor Econômico, entre outros veículos, no sábado. Segundo o jornal, o Grupo Cosan – o mais poderoso no setor usineiro – vendeu sua participação por R$ 1,06 bilhão à Mansilla Participações, veículo de investimento do TIAA. O fechamento definitivo da operação depende do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

PODE OU NÃO PODE?

Em novembro de 2015 o TIAA foi acusado, conforme um relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos e da organização espanhola Grain, de comprar irregularmente terras no Brasil. A notícia saiu até no New York Times: “Fundo norte-americano é acusado de comprar terras agrícolas no Brasil“.

Segundo o jornal, o fundo gastou centenas de milhões de dólares para comprar terras no Cerrado: “Em um empreendimento labiríntico, o grupo financeiro americano e seus parceiros acumularam novas terras agrícolas apesar da decisão do governo brasileiro em 2010 de proibir acordos de grande escala desse tipo por estrangeiros”.

A aprovação de lei que autoriza a compra de terras em grande escala por estrangeiros é uma das prioridades do governo Temer e da bancada ruralista no Congresso. O Ministério da Justiça restringe desde 2010, em tese, essas aquisições. Na prática, milhões de hectares já estão nas mãos de multinacionais.

O relatório da Grain e da Rede Social pode ser lido aqui: “A Empresa Radar S/A e a Especulação com Terras no Brasil“.

Ele diz que as fazendas adquiridas no Maranhão e Piauí eram controladas por Euclides de Carli, acusado de ser o “maior grileiro da região”. O Grupo de Carli teria destruído plantações e incendiado a casa de um líder comunitário. O ex-deputado estadual Manoel Ribeiro chegou a dizer publicamente que ele já teria grilado 1 milhão de hectares e mandado matar mais de 70 pessoas.

You may also read!

Para se proteger de ameaças, maior quilombo do país, o Kalunga, mapeia território em Goiás

Com apoio internacional, quilombolas georreferenciam suas terras para se defender do avanço do agronegócio, da invasão de grileiros, da

Read More...

Contra reforma da Previdência, camponeses aderem à greve geral e participam de manifestações em 26 estados

Em dia marcado por paralisações, trabalhadores rurais de diversos municípios saíram às ruas para protestar contra a reforma da

Read More...

Dono de empresas agropecuárias, senador banca projeto que extingue Reserva Legal

Filho de ex-governador do MA ligado a conflitos agrários, tucano Roberto Rocha considera a manutenção de matas nativas uma

Read More...

2 commentsOn Fundo americano de professores passa a controlar 270 mil hectares no Brasil

Leave a reply:

Your email address will not be published.