De Olho nos Ruralistas comemora um ano com debate sobre governo Temer

In De Olho na Imprensa, Em destaque, Governo Temer, Principal, Últimas

Observatório foi lançado em setembro de 2016; Chico Whitaker, do IV Tribunal Tiradentes, Larissa Bombardi, da USP, e Gilmar Mauro, do MST, discutirão a onda de retrocessos socioambientais

Um observatório jornalístico sobre agronegócio no Brasil, o De Olho nos Ruralistas comemora um ano nesta terça-feira (05/09). O aniversário marca também o lançamento da editoria De Olho nos Retrocessos, no ar desde o dia 15 de agosto, por meio de um debate sobre os retrocessos sociais e ambientais do governo Temer.

O evento será realizado em São Paulo (Rua Conselheiro Ramalho, 945, Bexiga), a partir das 19 horas. Antes do debate será feita uma exibição do documentário “Sem Clima“, sobre bancada ruralista e mudanças climáticas, lançado em março. O cadastro para receber o boletim De Olho nos Retrocessos dá acesso ao filme.

Os convidados da mesa são o arquiteto e ativista Chico Whitaker, a professora Larissa Bombardi, da Universidade de São Paulo (USP), e Gilmar Mauro, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), sob a coordenação do jornalista Alceu Luís Castilho, coordenador do observatório.

OS DEBATEDORES

Chico Whitaker, fundador do Fórum Social, na entrega do Prêmio Nobel Alternativo, em 2006.

Ligado à Comissão de Justiça e Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Chico Whitaker foi vereador em São Paulo e um dos fundadores do Fórum Social Mundial, em 2001. Em 2006 ele venceu o Prêmio Nobel Alternativo, uma distinção oferecida pela Right Livewood Award, do Parlamento Sueco. Ele é um dos organizadores do IV Tribunal Tiradentes, que julgará simbolicamente o Congresso no dia 25 de setembro.

Larissa Bombardi é professora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP). Entre as suas linhas de pesquisa está a geografia agrária, em particular – e mais recentemente – pesquisas sobre o uso de agrotóxicos no Brasil. Ela adianta que falará sobre os projetos de lei que discutem o tema no Congresso.

O MST será representado por um de seus coordenadores nacionais, Gilmar Mauro. O movimento é uma das organizações que apoiam o De Olho nos Ruralistas. Um de seus coordenadores nacionais, João Pedro Stédile, gravou um vídeo solicitando doações para a campanha de assinaturas do observatório, De Olho nos Mil Parceiros. Ele considera o material produzido essencial para quem pesquisa sobre questão agrária.

OBSERVATÓRIO EM CRESCIMENTO

O De Olho nos Ruralistas foi idealizado em 2013 durante o ciclo de debates “Partido da Terra”, que leva o nome de um livro sobre políticos ruralistas (Contexto, 2012) escrito por seu coordenador, Alceu Castilho. Naquele ano e em 2014 foram realizados programas-piloto que reuniam notícias sobre o universo político e econômico do agronegócio, com ênfase nos impactos sociais e ambientais.

No ano passado Castilho e o coordenador de Projetos do observatório, André Takahashi, decidiram fazer um crowdfunding, com apoio de Outras Palavras, da TV Drone e de outros parceiros (como a jornalista Patricia Cornils), para colocar o projeto no ar por pelo menos seis meses. Essa meta mínima foi atingida e possibilitou o salto para a campanha de assinaturas, iniciada no fim de março. A meta de mil parceiros ainda não foi atingida. Hoje o projeto tem cerca de 430 doadores, ainda distante do objetivo de mil assinantes.

Essa verba obtida por assinaturas é necessária para a manutenção do projeto principal, que consiste num portal na internet, com notícias, reportagens e vídeos sobre os temas agrários – o que inclui ambiente, alimentação, questão indígena, conflitos no campo. Quem doa a partir de R$ 25 por mês recebe, diariamente, pelo menos um destes quatro boletins: De Olho no Ambiente, De Olho no Agronegócio, De Olho na Comida, De Olho nos Conflitos. Os que assinam por R$ 12 mensais recebem, às sextas-feiras, uma seleção dessa seleção, o boletim semanal De Olho nos Ruralistas.

PROJETOS ESPECÍFICOS

Em paralelo ao projeto principal, o De Olho nos Ruralistas desenvolve trabalhos jornalísticos específicos. Em 2016, uma verba da Escola de Ativismo possibilitou a realização do documentário “Sem Clima – uma República controlada pelo agronegócio”. O filme foi um dos 28 selecionados pelo Cine Agroecologia, que será realizado durante o Congresso Brasileiro de Agroecologia, em Brasília, entre os dias 12 e 15 de setembro.

Em novembro a equipe do De Olho foi expulsa da sede da Frente Parlamentar da Agropecuária.

Durante a realização desse documentário, a equipe do observatório foi expulsa da sede da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), mantida em Brasília por entidades do agronegócio, embora a reunião-almoço (realizada todas as terças-feiras) seja aberta à imprensa e os jornalistas tenham se limitado a fazer perguntas. A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) incluiu o episódio em seu relatório anual sobre violações à liberdade de expressão em 2016.

A editoria De Olho nos Retrocessos funcionará temporariamente até o dia 16 de novembro, com o apoio financeiro da Fundação Heinrich Böll. Ela se propõe a detalhar algumas medidas do governo federal e do Congresso que atingem frontalmente direitos sociais e ambientais garantidos na Constituição de 1988 – ou mesmo anteriores a ela. Esse projeto inclui outro boletim semanal, distribuído na quinta-feira aos assinantes e a quem mais queira se cadastrar, neste link.

VEM AÍ O ‘DE OLHO NO PARAGUAI’

Ainda em setembro outro projeto irá ao ar: o De Olho no Paraguai, sobre a ação dos latifundários e do agronegócio brasileiro no país vizinho. Serão seis semanas de reportagens sobre o tema, organizadas em um site especial, com o apoio da Fundação Rosa Luxemburgo.

Documentário fala sobre bancada ruralista e mudanças climáticas: é com eles que o mundo vai?

A equipe para a produção do site, dos vídeos e dos boletins é mantida com a contribuição dos assinantes. A meta de mil parceiros é importante para que o observatório consiga manter uma estrutura mínima, editorial e administrativa, com uma cobertura regular de sua temática, e ainda consiga alguma verba para viagens e outros projetos especiais.

A percepção do observatório é a de que há uma desproporcionalidade nas noticias sobre o campo brasileiro. Um dos exemplos dessa distorção é a campanha “O Agro é Pop“, da Rede Globo, com o patrocínio do grupo JBS. Por conta disso o De Olho – que se define também como um observatório da imprensa – prepara também um livro sobre imprensa e questão agrária, escrito por seu coordenador, que será lançado em 2018.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.