“Ataque da bancada ruralista aos povos indígenas é estruturado”, diz coordenadora do ISA

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, De Olho nos Retrocessos, Em destaque, Governo Temer, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Adriana Ramos vê a frente como principal força do governo Temer; ela considera bizarro que se preocupem com terras indígenas “e não com o que vão fazer no resto do país”

Por Izabela Sanchez

A bancada ruralista foi a principal frente responsável por dar sobrevida ao governo de Michel Temer (PMDB). Dos 263 votos pelo arquivamento da denúncia contra o presidente no dia 2 de agosto, 129 foram dados por deputados da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA). Coordenadora do Programa de Política e Direito Socioambiental do Instituto Socioambiental (ISA), Adriana Ramos acredita que essa bancada, hoje, configura a simbiose completa do governo: mantém Temer no Poder em troca das demandas do agronegócio.

Ela diz que essas demandas ameaçam por completo os direitos territoriais e de proteção ao meio ambiente. Que a bancada é retrógrada e tem como prioridade a desconstrução desses direitos. Isso tudo fora o perdão das dívidas ruralistas, como no caso do Funrural:

– Além de atentar contra os direitos territoriais, a bancada também busca criminalizar as instituições representativas ou de apoio aos povos indígenas, comunidades tradicionais e assentados da reforma agrária. Ou seja, buscam fragilizar a luta e a vida dessas populações em diferentes dimensões. É um ataque estruturado.

AMEAÇAS AOS DIREITOS DOS POVOS TRADICIONAIS

Adriana Ramos comenta que a principal moeda de troca do governo com a bancada ruralista são os direitos dos povos tradicionais. Ganhou força no governo Temer a tese do Marco Temporal, interpretação jurídica desenhada pelo Supremo Tribunal Federal em 2009 na decisão sobre a Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima.

(Foto: Helio Carlos Mello/Jornalistas Livres)

A tese seria apenas uma das diversas ameaças a esses povos:

A força da tese vem da defesa que o setor rural faz dela. O porquê disso eu não sei dizer, acho bizarro que os proprietários de terra estejam preocupados com um percentual baixo de terras de uso coletivo em vez de discutir o que fazer e como ocupar o restante do país.

Segundo a coordenadora, a tese do Marco Temporal foi a forma que eles encontraram para restringir os direitos territoriais e ampliar seu potencial de receber recursos de indenização pelas terras tradicionalmente ocupadas:

– Quando as autoridades demonstram seu desrespeito com os direitos da população com decisões como o parecer da AGU que afeta os direitos indígenas, ou a decisão da Casa Civil de paralisar a titulação de territórios quilombolas, elas sinalizam para a sociedade que esses grupos são descartáveis, o que acaba por estimular a violência.

MAIS VENENO, MAIS PODER

Outra barganha de Temer junto aos ruralistas é uma Medida Provisória, prestes a sair da Casa Civil, que altera as regras do uso de agrotóxicos no país. A proposta possibilita a autorização de substâncias cancerígenas. Enquanto isso, o Senado também articula o enfraquecimento na fiscalização dos pesticidas, com o PL 209/2013, de autoria do ex-senador Ruben Figueiró (PSDB-MS).

Ex-senador Ruben Figueiró. (Foto: Agência Senado)

Essa proposta quer excluir os Ministérios do Meio Ambiente e da Saúde do processo de análise toxicológica. Para a coordenadora do ISA, os venenos são uma das faces retrógradas do agronegócio brasileiro:

Ele está estruturado em um modelo que é dependente dos agrotóxicos tanto técnica quanto economicamente. O pacote tecnológico disponibilizado para os agricultores impõe o uso e consumo de agrotóxicos, de modo que naturalizou o uso de pesticidas como se não fosse possível produzir sem eles.

LEIA MAIS:
Bancada ruralista já propôs 25 Projetos de Lei que ameaçam demarcação de terras indígenas e quilombolas

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu