Deputado Wlad emplaca irmão no comando da Superintendência do Incra no Tapajós

In De Olho na Política, De Olho nos Retrocessos, Em destaque, Governo Temer, Principal, Últimas

Réu no STF e com mandato cassado pelo TRE, Wladimir Costa (SD-PA) também recebeu emendas como agrado do governo Temer, cujo nome ele “tatuou” no ombro direito

Por Cauê Seignemartin Ameni

Ele é conhecido no Congresso como Wlad. E por certas excentricidades. Em seu segundo mandato, agora um milionário, o deputado federal Wladimir Costa (SD-PA) é aquele que tatuou a imagem de Michel Temer no ombro direito. Mas não eternamente: era uma tatuagem removível. Tornou-se um personagem folclórico do impeachment, ao atirar confetes no plenário da Câmara, no dia 17 de abril de 2016. Em julho, ajudou a barrar a investigação contra o presidente com um discurso empolgado: “Tenham vergonha na cara! Temer é um homem ético, transparente“.

Clique aqui e receba o boletim De Olho nos Retrocessos

Sua ousadia por defender um presidente que responde por crime de corrupção em pleno exercício do mandato tem rendido bons frutos. Na semana passada (05/09), seu irmão Mário Sérgio da Silva Costa foi empossado como novo superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no Tapajós, com sede no município de Santarém (PA).

Antes da nomeação, Mário Sergio era titular do Terra Legal em Santarém. O programa ligado à Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), ligada à Casa Civil desde a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, logo no início do governo interino de Temer, em 2016, é responsável por destinar terras públicas federais nos estados da Amazônia Legal.

FANTASMAS E FONTES NÃO DECLARADAS

Em um misto de mundo público com mundo privado, o deputado foi flagrado pedindo nudes durante a votação contra Temer. Na esfera unicamente pública, Wladimir Afonso da Costa Rabelo – integrante de um partido coordenado pelo deputado Paulinho da Força (SD-SP) – coleciona processos e investigações.

“O lado que vai cassar a Dilma não se envolve em roubalheira, em safadeza”, afirmou o deputado na abertura do impeachment

Em julho de 2016, por unanimidade, o TRE-PA cassou o mandato do deputado por ter recebido R$ 410 mil “oriundo de fontes não declaradas” para a campanha de 2014, quando foi reeleito para o Congresso. Ele entrou com dois recursos no TSE e, por isso, ainda exerce o mandato. Em um desses recursos as contas foram aprovadas com ressalvas. O recurso contra a cassação do mandato ainda aguarda uma decisão do TSE.

O “deputado dos confetes” também é réu no STF na Ação Penal 528/2010, em dobradinha com outro irmão, Wlaudecir Rabelo. Segundo o Ministério Publico Federal (MPF), o deputado ficou com dinheiro destinado a servidores fantasmas. No fim de julho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reiterou nas alegações finais que Wlad cometeu crime.

Vejamos o que afirmou Janot sobre as provas da investigação:

Elas formam um consistente mosaico probatório que revela o esquema criminoso capitaneado por Wladimir Costa, com o auxílio de seu irmão Wlaudecir Antonio da Costa Rabelo, para desviar, em proveito próprio, recursos públicos da Câmara dos Deputados no período de 25/02/2003 a 30/03/2005.

O relator do caso é o ministro Edson Fachin.

VERBA PARA CURSOS DE CANOAGEM

Em outra investigação, Wlad Costa é acusado pelo Ministério Público do Estado do Pará de desviar R$ 230 mil dos cofres públicos. Segundo os procuradores, a ONG Instituto Nossa Senhora de Nazaré, comandada por um assessor parlamentar do deputado, Ildefonso Augusto Lima Paes, embolsou os recursos repassados pela Secretaria Estadual de Esportes e Lazer para aplicar cursos de canoagem na Praia do Caripi, em Barcarena.

De acordo com o promotor Daniel Azevedo, Wlad era o líder do esquema, e “idealizou toda a operação, controlando as atividades de seus executores diretos”. Esse caso, investigado no inquérito 3884, está no STF sob a relatoria do ministro Dias Toffoli.

Além da nomeação de seu irmão no órgão federal, o deputado ganhou emendas parlamentares de presente do governo.  Segundo levantamento do Contas Abertas, ele recebeu R$ 6,9 milhões em emendas entre janeiro e julho. De acordo com o site, R$ 4,8 milhões foram destinados para o desenvolvimento sustentável de territórios rurais. Outro R$ 1,8 milhão foi destinado para apoiar a estruturação de serviços especializados no SUS.

DEPUTADO MULTIPLICOU SEUS BENS

Dono de um patrimônio de R$ 1,6 milhão durante as eleições de 2014, Wlad Costa não declarou nenhum bem rural. Ele não é membro da Frente Parlamentar da Agropecuária. Em 2010, eleito deputado pelo PMDB, Wlad declarou possuir R$ 220 mil, um valor sete vezes menor. O único bem declarado foi um apartamento.

O principal bem declarado em 2014 foi um “valor a receber do senhor Yorran Christie Braga da Costa”, R$ 1,2 milhão. Yorran é seu filho. O Diário do Pará contou, em 2014, que Yorran e a mãe de Wlad seriam donos de uma pousada e de um apartamento no Rio. Wlad moveu uma queixa-crime por calúnia contra o senador Jader Barbalho (PMDB-PA), mas a ministra Rosa Weber rejeitou o pedido.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu