FHC, o Fazendeiro – Denúncia de Emílio Odebrecht contra Fernando Henrique foi arquivada em um mês

In De Olho na Política, Últimas
FHC considerou vagas as acusações de Odebrecht. (Foto: Agência Brasil)

Vídeo de empreiteiro citando doações legais e ilegais para o presidente foi divulgado pelo Jornal Nacional em abril de 2017; em junho foi aberto inquérito, em julho arquivado

Por Alceu Luís Castilho

Em abril de 2017, Emílio Odebrecht – então em prisão domiciliar – apareceu no Jornal Nacional, da Globo, durante um depoimento na Operação Lava-Jato. O tema era o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso:

– Ajuda de campanha eu sempre dei a todos eles. E a ele também dei. E com certeza teve a ajuda de caixa oficial e não oficial. Se ele soube ou não, eu não sei. Tanto que eu também não sabia. Que eu dava e dizia que era para atender mesmo. Então vai fulano de tal lhe procurar, como eu dizia também para Marcelo, e eles então operacionalizavam. Ele me pediu. Todos eles. ‘Emílio, você pode me ajudar no programa da campanha?’. Isso ele pediu.

FHC apareceu em seguida, dizendo que o Brasil precisa de transparência. Que a Lava-Jato está colaborando ao colocar as cartas na mesa. “Não tenho nada a esconder, nada a temer e vou ver com calma do que se trata”, afirmou o ex-presidente. “Por enquanto, não há nada especifico, é tudo muito vago”.

Em junho, o Ministério Público do Estado de São Paulo instaurou 29 inquéritos civis para investigar delações da Odebrecht, a maioria relativa a propina paga durante campanhas eleitorais. A lista incluía o nome de Fernando Henrique.

Cerca de 20 dias depois, no dia 5 de julho, o inquérito foi arquivado. Motivo: prescrição. O Ministério Público Federal pediu o arquivamento e o juiz federal substituto Márcio Assad Guardia, da 8.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, reconheceu a demanda, já que o fato relatado era muito antigo – relativo às campanhas de 1994 e 1998.

A linha adotada foi a seguinte: o Código Penal prevê prescrição em 20 anos. Mas Fernando Henrique, então com 86 anos (ele completará 87 anos no dia 18 de junho), tem direito à redução desse prazo pela metade, por ter mais de 70 anos. Em consequência, o juiz decidiu – em duas páginas de sentença – que não há punição possível.

FHC NEGOU HIPÓTESE DE CAIXA 2 PARA FUNDAÇÃO

Em depoimento ao juiz Sergio Moro, em fevereiro de 2017, Fernando Henrique Cardoso negou qualquer possibilidade de que a Fundação FHC tenha recebido algum dinheiro por fora. A pergunta do juiz foi a seguinte, durante videoconferência: “Para manutenção do Instituto (Fundação FHC) são recebidas doações não registradas, por fora, contribuições escondidas?”

FHC respondeu:

– Não, não, não. Absolutamente impossível, absolutamente impossível. Eu, pessoalmente, não saberia dizer ao senhor quem deu quanto e quando. Está tudo registrado, tem publicação, Conselho Fiscal vai lá. Eles sabem mais, tem o conselho a quem prestamos contas. Nada, nada por fora, zero, não existe tal hipótese.

LEIA A SÉRIE COMPLETA:
“FHC, o Fazendeiro – tudo sobre as terras da família, os amigos pecuaristas e a Odebrecht”.

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu