Com frutos do Cerrado, camponeses de Bonito (MS) resistem aos agrotóxicos

In Agricultura Camponesa, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Aliado a práticas agroecológicas, extrativismo da bocaiuva, do bacuri e da guavira garante renda para famílias camponesas na Serra da Bodoquena; com alto potencial turístico, região é ameaçada pelo avanço do agronegócio e pelo uso excessivo de venenos

Por Sara Almeida Campos, de Bonito (MS)

Élida usa conhecimentos tradicionais para produção de frutos do Cerrado. (Foto: Sara Almeida Campos/De Olho nos Ruralistas)

A camponesa Élida Martins Aivi carrega em seus traços parte da história do Mato Grosso do Sul. Filha de agricultores de origem guarani e paraguaia, Élida e sua família coletam e beneficiam frutos do Cerrado no Assentamento Santa Lúcia, o segundo mais antigo de Bonito (MS), localizado na parte sul do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, em zona de transição com o Pantanal.

Na infância, meus pais ensinaram eu e meus irmãos a cuidarmos da natureza”, conta Élida. “Quando a gente não tinha milho, meu pai mandava a gente quebrar o coquinho da bocaiuva para alimentar as galinhas. A gente comia isso junto com elas e nunca ficava doente”.

Conhecido popularmente como “chiclete pantaneiro”, por causa da textura elástica, o fruto faz parte do cotidiano da família Aivi, sendo incluído na alimentação das crianças por conta de seu alto valor nutricional.

– Na hora de preparar o leite, minha mãe mandava a gente descascar a bocaiuva. Com as lascas, fazia um mingau pra gente tomar logo cedo. Como eu vou destruir isso se desde criança esses frutos já faziam parte da vida da minha vida? É impossível.

Essa não é a única especialidade de Élida. Em seu terreno, a camponesa mostra com orgulho sua produção agroecológica de banana, hibisco e graviola, que garante o sustento da família na feira de agricultura familiar realizada aos sábados, no centro de Bonito.

Ali ela cultiva e preserva outros ingredientes do Cerrado, como a guavira (também conhecida como guabiroba), utilizada como quebra-vento natural – uma barreira vegetal para proteger as plantas de ventos fortes. Élida utiliza os conhecimentos repassados por seus ancestrais para preparar uma rapadura icônica da região, comercializada dentro e fora do Brasil. Desidratada, a casca da guavira transforma-se em uma especiaria semelhante à noz-moscada. A importância cultural do fruto inspirou a criação de um festival gastronômico que se converteu em uma das principais atrações turísticas do município.

Mas nem sempre foi assim. Antes de se dedicar à agroecologia e ao agroextrativismo, Élida e seu marido trabalharam em uma fazenda de monocultura: “Na hora de pedirmos as contas nos perguntaram: vocês querem o acerto ou a terra? A gente não pensou duas vezes”. O terreno, no entanto, estava degradado pelo uso intensivo de glifosato, agrotóxico classificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como “extremamente tóxico” e cujos efeitos foram sentidos na pele pela família Aivi. “Meu esposo já foi o bandeira, aquele que sinalizava a rota que o avião tinha fazia para passar o veneno”, conta. “Ele já teve problemas nos rins e chegou a vomitar sangue”.

Na trajetória da agricultora, não utilizar agrotóxicos vai além de uma luta cultural, trata-se de uma questão de sobrevivência:

– Se o agricultor só mexe com agrotóxicos ele não consegue colher nada fora de época e não tem variedade. Tenho amigos da feira que não têm o que levar para vender. O que as pessoas têm que se conscientizar é que as árvores dão aquilo que eles mais necessitam: o adubo para a terra.

Desidratada, a casca da guavira é utilizada como condimento no MS. (Foto: Sara Almeida Campos/De Olho nos Ruralistas)

SERRA DA BODOQUENA SOB AMEAÇA

O impacto dos agrotóxicos em Bonito não se restringe à família de Élida. De acordo com a Fundação Neotrópica do Brasil, a área ocupada por monocultura no entorno da Serra da Bodoquena saltou de 9 mil hectares em 2006 para 60 mil hectares em 2017, colocando em risco a atividade turística, principal pilar econômico do município. “Estes 60 mil hectares são manejados de forma convencional, com uso de fertilizantes e agrotóxicos”, conta Rodolfo Portela Souza, coordenador de projetos da fundação. “O uso destes produtos químicos tem que ser feito com cautela, pois a geologia da região possui locais de conexão direta com os aquíferos, o que pode ser canal de contaminação destas águas subterrâneas”.

MPMS investiga turvamento das águas do rio da Prata. (Foto: Reprodução/TV Morena)

Em janeiro, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul abriu um inquérito para apurar a contaminação por agrotóxicos no Rio da Prata, um dos principais atrativos turísticos do município, por causa de suas águas cristalinas. Dois meses antes, o rio fora invadido por uma enxurrada de sedimentos após fazendeiros da região desmatarem áreas de proteção permanente para o plantio de soja e milho, deixando-o turvo e impedindo o mergulho.

Para a bióloga Alexandra Penedo de Pinho, professora do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), os impactos causados pela monocultura afetam diretamente o turismo na região. “Os animais são atingidos, a água é atingida, o solo e as pessoas são atingidas”, afirma. “As principais atividades turísticas de Bonito são realizadas dentro d’água”.

A ação dos herbicidas sobre a fauna também é notória. Segundo levantamento da Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira, comandado pelo Instituto Ipê, as antas do Cerrado estão contaminadas com agrotóxicos e metais pesados, por causa das práticas agrícolas predominantes na região.

Em junho, o Ministério Público anunciou a criação de um observatório junto à Neotrópica e à UFMS que, entre outros objetivos, pretende medir a a extensão da contaminação por agrotóxicos na Serra da Bodoquena. “Serão avaliadas várias questões ambientais: metais pesados, agrotóxicos, biodiversidade”, diz Alexandra. “Faremos avaliações para chegarmos a um diagnóstico ambiental. Esse projeto será de extrema importância para a região”.

Esse observatório chega em um momento de urgência. Em 19 de julho, uma liminar da 4ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande reduziu 80% da área do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, sob o argumento de que apenas 19% dos fazendeiros desapropriados com a criação da unidade, em 2000, foram indenizados. Com a decisão, o parque passará de 76 mil para apenas 14 mil hectares, prejudicando a preservação de centenas de espécies ameaçadas e das nascentes dos principais rios da região.

Foto principal: Bacuri da Serra da Bodoquena. (Sara Almeida Campos/De Olho nos Ruralistas)

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.