Com frutos do Cerrado, camponeses de Bonito (MS) resistem aos agrotóxicos

In Agricultura Camponesa, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Aliado a práticas agroecológicas, extrativismo da bocaiuva, do bacuri e da guavira garante renda para famílias camponesas na Serra da Bodoquena; com alto potencial turístico, região é ameaçada pelo avanço do agronegócio e pelo uso excessivo de venenos

Por Sara Almeida Campos, de Bonito (MS)

Élida usa conhecimentos tradicionais para produção de frutos do Cerrado. (Foto: Sara Almeida Campos/De Olho nos Ruralistas)

A camponesa Élida Martins Aivi carrega em seus traços parte da história do Mato Grosso do Sul. Filha de agricultores de origem guarani e paraguaia, Élida e sua família coletam e beneficiam frutos do Cerrado no Assentamento Santa Lúcia, o segundo mais antigo de Bonito (MS), localizado na parte sul do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, em zona de transição com o Pantanal.

Na infância, meus pais ensinaram eu e meus irmãos a cuidarmos da natureza”, conta Élida. “Quando a gente não tinha milho, meu pai mandava a gente quebrar o coquinho da bocaiuva para alimentar as galinhas. A gente comia isso junto com elas e nunca ficava doente”.

Conhecido popularmente como “chiclete pantaneiro”, por causa da textura elástica, o fruto faz parte do cotidiano da família Aivi, sendo incluído na alimentação das crianças por conta de seu alto valor nutricional.

– Na hora de preparar o leite, minha mãe mandava a gente descascar a bocaiuva. Com as lascas, fazia um mingau pra gente tomar logo cedo. Como eu vou destruir isso se desde criança esses frutos já faziam parte da vida da minha vida? É impossível.

Essa não é a única especialidade de Élida. Em seu terreno, a camponesa mostra com orgulho sua produção agroecológica de banana, hibisco e graviola, que garante o sustento da família na feira de agricultura familiar realizada aos sábados, no centro de Bonito.

Ali ela cultiva e preserva outros ingredientes do Cerrado, como a guavira (também conhecida como guabiroba), utilizada como quebra-vento natural – uma barreira vegetal para proteger as plantas de ventos fortes. Élida utiliza os conhecimentos repassados por seus ancestrais para preparar uma rapadura icônica da região, comercializada dentro e fora do Brasil. Desidratada, a casca da guavira transforma-se em uma especiaria semelhante à noz-moscada. A importância cultural do fruto inspirou a criação de um festival gastronômico que se converteu em uma das principais atrações turísticas do município.

Mas nem sempre foi assim. Antes de se dedicar à agroecologia e ao agroextrativismo, Élida e seu marido trabalharam em uma fazenda de monocultura: “Na hora de pedirmos as contas nos perguntaram: vocês querem o acerto ou a terra? A gente não pensou duas vezes”. O terreno, no entanto, estava degradado pelo uso intensivo de glifosato, agrotóxico classificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como “extremamente tóxico” e cujos efeitos foram sentidos na pele pela família Aivi. “Meu esposo já foi o bandeira, aquele que sinalizava a rota que o avião tinha fazia para passar o veneno”, conta. “Ele já teve problemas nos rins e chegou a vomitar sangue”.

Na trajetória da agricultora, não utilizar agrotóxicos vai além de uma luta cultural, trata-se de uma questão de sobrevivência:

– Se o agricultor só mexe com agrotóxicos ele não consegue colher nada fora de época e não tem variedade. Tenho amigos da feira que não têm o que levar para vender. O que as pessoas têm que se conscientizar é que as árvores dão aquilo que eles mais necessitam: o adubo para a terra.

Desidratada, a casca da guavira é utilizada como condimento no MS. (Foto: Sara Almeida Campos/De Olho nos Ruralistas)

SERRA DA BODOQUENA SOB AMEAÇA

O impacto dos agrotóxicos em Bonito não se restringe à família de Élida. De acordo com a Fundação Neotrópica do Brasil, a área ocupada por monocultura no entorno da Serra da Bodoquena saltou de 9 mil hectares em 2006 para 60 mil hectares em 2017, colocando em risco a atividade turística, principal pilar econômico do município. “Estes 60 mil hectares são manejados de forma convencional, com uso de fertilizantes e agrotóxicos”, conta Rodolfo Portela Souza, coordenador de projetos da fundação. “O uso destes produtos químicos tem que ser feito com cautela, pois a geologia da região possui locais de conexão direta com os aquíferos, o que pode ser canal de contaminação destas águas subterrâneas”.

MPMS investiga turvamento das águas do rio da Prata. (Foto: Reprodução/TV Morena)

Em janeiro, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul abriu um inquérito para apurar a contaminação por agrotóxicos no Rio da Prata, um dos principais atrativos turísticos do município, por causa de suas águas cristalinas. Dois meses antes, o rio fora invadido por uma enxurrada de sedimentos após fazendeiros da região desmatarem áreas de proteção permanente para o plantio de soja e milho, deixando-o turvo e impedindo o mergulho.

Para a bióloga Alexandra Penedo de Pinho, professora do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), os impactos causados pela monocultura afetam diretamente o turismo na região. “Os animais são atingidos, a água é atingida, o solo e as pessoas são atingidas”, afirma. “As principais atividades turísticas de Bonito são realizadas dentro d’água”.

A ação dos herbicidas sobre a fauna também é notória. Segundo levantamento da Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira, comandado pelo Instituto Ipê, as antas do Cerrado estão contaminadas com agrotóxicos e metais pesados, por causa das práticas agrícolas predominantes na região.

Em junho, o Ministério Público anunciou a criação de um observatório junto à Neotrópica e à UFMS que, entre outros objetivos, pretende medir a a extensão da contaminação por agrotóxicos na Serra da Bodoquena. “Serão avaliadas várias questões ambientais: metais pesados, agrotóxicos, biodiversidade”, diz Alexandra. “Faremos avaliações para chegarmos a um diagnóstico ambiental. Esse projeto será de extrema importância para a região”.

Esse observatório chega em um momento de urgência. Em 19 de julho, uma liminar da 4ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande reduziu 80% da área do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, sob o argumento de que apenas 19% dos fazendeiros desapropriados com a criação da unidade, em 2000, foram indenizados. Com a decisão, o parque passará de 76 mil para apenas 14 mil hectares, prejudicando a preservação de centenas de espécies ameaçadas e das nascentes dos principais rios da região.

Foto principal: Bacuri da Serra da Bodoquena. (Sara Almeida Campos/De Olho nos Ruralistas)

You may also read!

Projeto de lei em Goiás antecipa ‘licenciamento flex’ e retira proteção de campos essenciais ao Cerrado

Emenda aprovada pelos deputados goianos revoga lei que equiparava campos de murundus à categoria de Áreas de Preservação Permanente

Read More...

Família de juiz que mandou prender brigadistas foi multada duas vezes em Santarém por desmatamento

Embora as duas autuações sejam de 1996, um dos processos do Ibama contra a madeireira ainda está em curso;

Read More...

Onde era monocultura de cacau, os Tupinambá de Olivença plantam produtos orgânicos

Em pouco mais de quinze anos de luta, os indígenas da Serra do Padeiro resgataram área ocupada por mais

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.