Esplanada da Morte (Resposta) — Funai diz que é “delírio” apontar omissão durante pandemia

In De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Fundação emitiu nota de repúdio a texto do De Olho nos Ruralistas sobre o presidente Marcelo Xavier e ações de enfrentamento à Covid-19; ele nega ter se aliado a invasores de terra indígena no Mato Grosso, que seria “pura criação mental” de “pessoas desqualificadas”

Por Alceu Luís Castilho

A Fundação Nacional do Índio publicou nesta sexta-feira (31/07), em seu site, uma nota de repúdio à segunda reportagem da série Esplanada da Morte, publicada na quarta-feira pelo De Olho nos Ruralistas. O texto traz um perfil do presidente do órgão indigenista, Marcelo Xavier, e retrata as ações — e omissões — da instituição durante o combate à pandemia de Covid-19 no Brasil, que já matou, desde março, 619 indígenas de 147 etnias: “Esplanada da Morte (II) — Chefe da Funai foi aliado de invasores de terra indígena no MT“.

Procurada desde o início de junho, a Funai nunca atendeu às várias solicitações de entrevista feitas pela repórter. Xavier ficou de responder às perguntas enviadas por email, mas não o fez.

A nota de duas páginas assinada pela Presidência da Funai diz que é inverídica a “acusação” de que Xavier colaborou com invasores da Terra Indígena Marãiwatsédé quando delegado em Barra do Garças (MT), pois ele indiciou mais de quarenta pessoas que invadiram área indígena protegida, conforme consta em inquéritos presididos por ele, “sendo mesmo um paradoxo ululante imaginar que indiciando as pessoas pela suposta prática de crime estivesse ao lado de invasores”.

— Tal tipo de assertiva irresponsável só pode ser pura criação mental, conjectura e ilação de quem atua impelido pelo espírito midiático e sensacionalista, e, nessa linha passa um atestado de incompetência e inépcia com a realidade fática experimentada. Tratam-se de afirmações levianas, absurdas e abusivas, típica de pessoas desqualificadas e que por isso mesmo não merecem crédito algum.

A informação de que Xavier aliou-se aos invasores foi passada pelo procurador Wilson Rocha Fernandes Assis, um dos que atuaram no processo de desintrusão da TI Marãiwatsédé. Ele contou que Xavier foi afastado das investigações, após interceptações telefônicas constatarem a conexão indevida. “Os investigados apontavam o delegado Marcelo Xavier, que era responsável pela investigação, como um aliado”, afirmou Assis.

A Funai informa que, “diante do conjunto de informações inverídicas, parte delas difamatórias”, que ela identifica como presentes “na infeliz reportagem”, “e em defesa de todo o trabalho executado pela Fundação, bem como de sua imagem institucional, a Funai acionará a Advocacia-Geral da União (AGU) para adotar as medidas cabíveis no âmbito judicial”.

FUNDAÇÃO ATRIBUI ASSASSINATO DE INDÍGENAS AO TRÁFICO

A Funai classifica como “delírio” o que chama de “imputação de omissão durante a pandemia”. Como exemplo, diz possuir um plano de contingência e um plano de barreiras sanitárias para os povos indígenas isolados e de recente contato, “demonstrando, assim, sua estratégia”. Indígenas dizem que foram profissionais de saúde do próprio governo federal que levam o vírus às aldeias: “Famílias indígenas na TI Vale do Javari saem remando para o meio do mato, em fuga da pandemia“.

Marcelo Xavier com o cacique Damião, da TI Marãiwatsédé. (Foto: Mário Vilela/Funai)

“Contudo, a crítica construtiva é sempre bem-vinda, porque agrega e amplia a discussão”, prossegue a nota da instituição. “Por sua vez, a crítica travestida de opinião especializada que na verdade não passa de distração irresponsável com o objetivo de agredir a gestão legítima, essa não agrega qualquer valor ao debate, mas tão-somente tenta diminuir a capacidade de reação da Funai diante do combate à Covid-19”.

A nota diz ainda que é falsa a percepção de massacre de líderes indígenas no Brasil, “gerando uma repercussão negativa da política indigenista brasileira no país e no estrangeiro”. E atribui alguns assassinatos de indígenas, em parte, à “violência promovida por facções criminosas que se instalaram no Brasil nos últimos anos, e que aterroriza a vida de milhões de brasileiros não índios, habitantes dos centros urbanos e áreas rurais”.

“O texto falta com a verdade ao elaborar e divulgar informações não atreladas ao dever de veracidade dos fatos, deixando-se levar pelos excessos e sensacionalismos, condenando a política indigenista da Funai sob o governo do presidente Bolsonaro, espalhando a mentira e desastrosa mensagem de que há um massacre de lideranças indígenas no Brasil”, sustenta a Funai.

A nota de repúdio é acompanhada de duas fotos, ambas reproduzidas nesta notícia: uma, de Marcelo Xavier com o cacique Damião, da TI Marãiwatsédé. Outra, dele com a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, durante uma cerimônia de entrega de alimentos a indígenas no Mato Grosso.

CONFIRA, NA ÍNTEGRA, A NOTA DA FUNAI

Em repúdio à matéria publicada pelo portal “De Olho nos Ruralistas” no dia 29/07/20, sobre a gestão do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Xavier, o órgão esclarece que:

O Presidente já retomou as atividades na Funai após se recuperar da covid-19. Não procede, portanto, a informação de que ele estaria “isolado”. Ao completar 1 ano de gestão, Xavier soma uma série de avanços à frente do órgão. Entre eles, está a garantia da segurança alimentar dos indígenas durante a pandemia, ação que mobiliza servidores de Norte a Sul do país, devendo alcançar a marca de 500 mil cestas de alimentos entregues. Ao todo, já foram distribuídas mais de 365 mil cestas e cerca de 62 mil kits de higiene e limpeza a comunidades indígenas do país.

Ao contrário do que diz a matéria, a Funai jamais esteve paralisada durante a pandemia. Desde o início da emergência de saúde pública, a instituição já investiu R$ 26 milhões em ações de enfrentamento à covid-19 nas aldeias. O recurso tem sido utilizado para diversas iniciativas, como a aquisição de alimentos, itens de higiene e limpeza e implementação de barreiras sanitárias, bem como realização de atividades de proteção a índios isolados. As equipes da Funai também seguem conscientizando os indígenas sobre os riscos de contágio e orientando para que permaneçam nas aldeias, em parceria com a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), vinculada ao Ministério da Saúde.

Diferente do que informa a reportagem, a Funai também tem promovido inúmeras ações para a proteção dos territórios indígenas. Ainda no mês de março, a Funai já havia suspendido as autorizações para ingresso em Terras Indígenas (Portaria 419/2020) e, atualmente, participa de 242 barreiras sanitárias para impedir a entrada de não indígenas nas aldeias.

Até o presente, a fundação já realizou 151 ações de fiscalização em 63 Terras Indígenas para coibir ilícitos, tais como extração ilegal de madeira, atividade de garimpo e pesca predatória. A Funai investiu mais de R$ 1 milhão nas ações, realizadas em parceria com outros órgãos, como o Exército, a Polícia Federal, os Batalhões de Polícia Militar Ambiental e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A fundação também integra a Operação Verde Brasil 2, deflagrada para combater crimes ambientais na Amazônia Legal.

Cerca de R$ 900 mil foram investidos também em ações de recuperação da vegetação nativa em 40 Terras Indígenas localizadas em diversos biomas brasileiros ao longo dos últimos 12 meses. Do total, R$ 500 mil foram destinados à aquisição de sementes, mudas e insumos. As medidas contribuem para a conservação da biodiversidade, promoção da segurança alimentar e fortalecimento de práticas tradicionais indígenas de manejo ambiental.

Ademais, em oposição ao delírio da imputação de omissão durante a pandemia, a Funai possui um Plano de Contingência e o Plano de Barreiras Sanitárias para os Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato, demonstrando, assim, sua estratégia.

Contudo, a crítica construtiva é sempre bem-vinda, porque agrega e amplia a discussão. Por sua vez, a crítica travestida de opinião especializada que na verdade não passa de distração irresponsável com o objetivo de agredir a gestão legítima, essa não agrega qualquer valor ao debate, mas tão-somente tenta diminuir a capacidade de reação da Funai diante do combate à covid-19.

Diante das acusações de passividade frente a escalada da violência, a Funai informa que realizou um estudo, por meio de seu setor de fiscalização e monitoramento, com dados das investigações policiais ocorridas, que apurou as causas das mortes dos indígenas citados no levantamento divulgado no ano passado. Do estudo elaborado pela Funai se comprova que os dados apresentados são tendenciosos e, particularmente, abusivos, pretendendo incutir a falsa percepção de massacre de lideranças indígenas no Brasil, gerando uma repercussão negativa da política indigenista brasileira no país e no estrangeiro.

No caso de Paulo Paulino Guajajara, ocorrido em Bom Jesus da Selva, no Maranhão, a Polícia Federal investigou os fatos através do Inquérito Policial nº 690/2019-SR/PF/MA, ocasião em que descartada a hipótese de emboscada e nenhuma relação com uma suposta atividade madeireira ilegal. Também, Márcio Greykue Moreira Pereira, conhecido como “Gleyson”, que estava caçando com mais três pessoas na terra indígena, morreu no episódio, após uma troca de tiros com o indígena Paulino e Laércio Guajajara, e, segundo consta do relatório do Inquérito Policial n° 0690/2019-4-SR/PF/MA: “Restou claro a esta Autoridade Policial que a motivação do crime foi: desentendimento entre os não-indígenas e os indígenas em relação à moto subtraída”.

As mortes do Cacique Firmino Praxede Guajajara e de Raimundo Benício Guajajara, em Jenipapo dos Vieiras, no Estado do Maranhão, possui uma linha de investigação seguida tanto pela Polícia Federal, quanto pela Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, de que o atentado foi represália a um assalto que teria sido praticado por indígenas, na qual houve agressão física às vítimas.

Em referência ao óbito do indígena Emyra Wayãpi restou constatado que a morte ocorreu por afogamento e sem sinais de violência, ausente alguma relação ou conotação conflituosa. Conforme consta do relatório do Inquérito Policial nº 127/2019 – SR/PF/AP: “Conforme se verifica, foram visualizadas uma área total aproximada de 200 mil hectares (um terço da TI), com capacidade de detalhamento em pelo menos 120 mil hectares. Além da análise visual da própria floresta em busca de clareiras e ocupação do solo, foi dada atenção especial à análise da turbidez dos cursos d’água, pois a mesma sofre considerável alteração pela atividade garimpeira, de modo que, considerando tal nuance, o alcance a área examinada foi expandido para 240 mil hectares, equivalente a 40% da terra indígena Waiãpi (…) Especificamente, no que tange ao crime de homicídio cometido em desfavor da liderança Emyra Waiãpi, repise-se, o Laudo de Exame Necroscópico foi conclusivo em atestar como causa da morte o afogamento. (…) Em relação ao crime de invasão de terras públicas, extração ilegal de minério e usurpação de bem da União, apesar de diversas oitivas realizadas, não há sequer uma única testemunha que avistou um invasor (garimpeiro) na área”.

Em referência a morte dos indígenas Francisco de Souza pereira, Willames Machado Alencar e Carlos Alberto Oliveira de Souza, colhe-se que a linha investigativa para motivação do crime relaciona-se ao embate com o tráfico de drogas na cidade de Manaus/AM.

Assim, em parte, verificamos que a violência promovida por facções criminosas que se instalaram no Brasil nos últimos anos, e que aterroriza a vida de milhões de brasileiros não índios, habitantes dos centros urbanos e áreas rurais, também levam sua violência às comunidades indígenas, não poupando a vida dos índios brasileiros.

O texto falta com a verdade ao elaborar e divulgar informações não atreladas ao dever de veracidade dos fatos, deixando-se levar pelos excessos e sensacionalismos, condenando a política indigenista da FUNAI sob o Governo do Presidente Bolsonaro, espalhando a mentira e desastrosa mensagem de que há um massacre de lideranças indígenas no Brasil.

Cumpre esclarecer, ainda, que é inverídica a acusação de que o presidente Marcelo Xavier teria colaborado com invasores da Terra Indígena Marãiwatsédé quando delegado em Barra do Garças, estado de Mato Grosso. Pelo contrário: Xavier indiciou mais de 40 pessoas que invadiram área indígena protegida, conforme consta nos Inquéritos Policiais n° 10/2013, 11/13, 12/13, 12/12, 13/09, 13/12, 14/13, 14/12, 15/13, 15/12, 16/13, 16/12, 17/13, 14/12, 18/12, 19/13, 19/12, 20/12, 22/12, 28/13, 29/13, 30/13, 31/13, 32/13, 33/13, 34/13, 35/13, 82/12, 87/12, 111/11, 117/12, 191/12, 192/12, 193/12, 207/12, 75/13, 59/13, 133/13, 143/13 e 110/11, presididos por ele e registrados na Delegacia da Polícia Federal de Barra do Garças/MT, sendo mesmo um paradoxo ululante imaginar que indiciando as pessoas pela suposta prática de crime estivesse ao lado de invasores. Tal tipo de assertiva irresponsável só pode ser pura criação mental, conjectura e ilação de quem atua impelido pelo espírito midiático e sensacionalista, e, nessa linha passa um atestado de incompetência e inépcia com a realidade fática experimentada. Tratam-se de afirmações levianas, absurdas e abusivas, típica de pessoas desqualificadas e que por isso mesmo não merecem crédito algum.

Desde o início de sua atuação como presidente da Funai, Marcelo Xavier sempre esteve aberto ao diálogo com os povos indígenas, diferente do que diz a matéria. A gestão atual é pautada em iniciativas que busquem atender antigas demandas dos povos originários. Entre as inúmeras lideranças recebidas por Xavier está inclusive o Cacique Damião, da Terra Indígena Marãiwatsédé. 

A Funai reforça que está, sim, a serviço dos indígenas. A atual gestão defende uma nova política indigenista, baseada na dignidade, na pacificação dos conflitos e na segurança jurídica. Xavier foi nomeado para promover a renovação da instituição, o que vem sendo feito de forma racional, prezando pelo bom uso dos recursos públicos e sem prejuízos à qualidade dos serviços prestados.

O foco desta gestão é melhorar processos e procedimentos, em permanente diálogo com os indígenas, especialmente aqueles que não foram ouvidos nas gestões anteriores porque queriam produzir e desejavam o apoio da Funai para isso. As etnias devem falar por si mesmas e serem os protagonistas da própria história. Cabe lembrar que existem diversos povos que são produtores rurais e também desejam ter seus direitos defendidos pela Fundação.

Sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Funai, Xavier acompanhou de perto o processo de apuração das irregularidades que teriam sido cometidas por determinados setores. Inclusive, a solidez do relatório final e robustez dos indiciamentos já foi alvo de apreciação, por duas vezes, pelo Colendo Supremo Tribunal Federal, através do MS 34864/DF – Relator Ministro Celso de Mello e HC 143590/DF – Relator Ministro Gilmar Mendes, sendo atestada sua higidez e mantida sua integralidade. E mais, pois devido aos indícios de ilicitude, também foi referendado pelo Colendo Supremo Tribunal Federal a legalidade e legitimidade na determinação de quebra de sigilo bancário de entidade que atuava dentro da Fundação (MS 34644/DF – Relator Ministro Luiz Fux).

Enquanto realizou seu trabalho como Ouvidor da Fundação, atuou igualmente com lisura e responsabilidade, prezando pela missão da Funai, que é a de promover e proteger os direitos dos povos indígenas, fazendo-o nos limites da legalidade.

A Fundação esclarece ainda que não procede a informação de que existe disputa entre o Presidente Marcelo Xavier e a Ministra Damares Alves. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e Funai são grandes parceiros no combate à pandemia, inclusive na ação de promoção da segurança alimentar. Os dois órgãos têm trabalhado de forma articulada no enfrentamento à covid-19 em comunidades indígenas. Dentre várias ações conjuntas, destaca-se o recente Termo de Execução Descentralizada firmado para distribuição de 308 mil cestas básicas visando a garantia da segurança alimentar das comunidades indígenas.

Por fim, diante do conjunto de informações inverídicas, parte delas difamatórias, presentes na infeliz reportagem, e em defesa de todo o trabalho executado pela Fundação, bem como de sua imagem institucional, a Funai acionará a Advocacia-Geral da União (AGU) para adotar as medidas cabíveis no âmbito judicial.

Presidência da Fundação Nacional do Índio (Funai)

SÉRIE RETRATA O GENOCÍDIO A PARTIR DA ESPLANADA

Iniciada na terça-feira (28/07), a série Esplanada da Morte se propõe a esmiuçar os braços violentos do governo Bolsonaro, ministério por ministério. Em alguns casos, como a própria Funai, estão sendo e serão destacadas autarquias ou unidades específicas de alguma pasta, como a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde.

De Olho nos Ruralistas fala em genocídio muito antes de o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), chamar a atenção da imprensa para o termo. No domingo, mais de cinquenta organizações brasileiras e estrangeiras protocolaram no Tribunal Penal Internacional, em Haia, mais uma denúncia contra Bolsonaro por genocídio e crimes contra a humanidade.

Os dados sobre mortes e casos do novo coronavírus entre os indígenas — já são 21.571 casos confirmados — podem ser vistos no site da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

Em relação à nota de repúdio feita pela Funai, o observatório mantém as informações publicadas.

| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Willian Meira/MMFDH): entrega de alimentos a indígenas no Mato Grosso

LEIA MAIS
Série destaca o papel de cada ministro no governo genocida de Jair Bolsonaro
Esplanada da Morte (I): o papel de Paulo Guedes na implosão de direitos e na explosão da pandemia
Esplanada da Morte (II) — Chefe da Funai foi aliado de invasores de terra indígena no MT
Esplanada da Morte (III): deboche de Damares esconde ataques a povos vulneráveis
Esplanada da Morte (IV) — Ernesto Araújo internacionaliza negacionismo e ódio

You may also read!

Morre no Acre, por Covid-19, Assis Mendes, um dos irmãos de Chico Mendes

Francisco de Assis Alves Mendes tinha sido internado no dia 29, dois dias após a recriação da Aliança dos

Read More...

Esplanada da Morte (VI) — Onyx Lorenzoni tem trajetória anti-indígena e pró-frigoríficos

Perdoado duas vezes após receber dinheiro ilegal da JBS, ministro da Cidadania teve atuação na Câmara e no governo

Read More...

Zeca Camargo apresenta no UOL “publieditorial” em defesa de agrotóxicos e transgênicos

Produzido pelo portal, programa foi uma propaganda da Croplife Brasil, que representa as grandes empresas do setor; presidente da

Read More...

One commentOn Esplanada da Morte (Resposta) — Funai diz que é “delírio” apontar omissão durante pandemia

  • eleonora casali

    sigam investigando e publicando que eu sigo compartilhando, em tempos de terra plana, vocês são botes salvas vidas, “delírio” em terra alheia é genocídio.

Leave a reply:

Your email address will not be published.