Série destaca o papel de cada ministro no governo genocida de Jair Bolsonaro

In De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

De Olho nos Ruralistas estreia nesta terça um conjunto de reportagens chamado Esplanada da Morte; ela esmiuçará os ataques de ministérios, secretarias e autarquias aos direitos dos povos do campo e a omissão de cada político no avanço da Covid-19 no Brasil

Por Alceu Luís Castilho

No dia 03 de junho, De Olho nos Ruralistas decidiu dar à sua cobertura jornalística sobre a pandemia o nome de De Olho no Genocídio. Menos de dois meses depois, a opção editorial por uma cobrança contundente do governo — no momento em que o número de mortes oficiais no Brasil se aproxima de 100 mil — ganha uma série específica de reportagens, chamada Esplanada da Morte.

A estreia é com o ministro da Economia, Paulo Guedes: “Esplanada da Morte (I): o papel de Paulo Guedes na implosão de direitos e na explosão da pandemia no Brasil“.

Qual o papel dele no ataque aos povos do campo? Que relação tem a política de matriz liberal com os discursos de ódio promovidos por Jair Bolsonaro e ministros como Ricardo Salles e Damares Alves? Os gabinetes verde-oliva diferem substancialmente do gabinete de Guedes, em meio à sua roupagem supostamente tecnocrata?

O objetivo da série de reportagens é retratar o papel de cada ministério na necropolítica comandada por Bolsonaro. Outras unidades do governo, como a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), esta última do Ministério da Saúde, ganharão um retrato à parte, diante de seu impacto nos povos do campo, um tema central do observatório.

A série não se propõe, com a referência à Esplanada dos Ministérios, a questionar o trabalho dos servidores, que muitas vezes tentam manter conquistas históricas, como aquelas da Constituição de 1988. Mas sim a questionar a política posta em prática pelos ministros, secretários e demais chefes, alinhados à violência verbal do presidente e à tentativa de implosão de direitos humanos, sociais e ambientais.

OBSERVATÓRIO DEFENDE USO DA PALAVRA GENOCÍDIO 

De Olho nos Ruralistas fala em genocídio muito antes de o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), chamar a atenção da imprensa para o termo. No domingo, mais de 50 organizações brasileiras e estrangeiras protocolaram no Tribunal Penal Internacional, em Haia, mais uma denúncia contra Bolsonaro por genocídio e crimes contra a humanidade.

(Arte: Gabriela Leite, sobre ilustração de Baptistão)

A posição do observatório é crítica ao modo acanhado que a imprensa brasileira adota em relação ao massacre em curso. Diante de uma matança histórica e desnecessária (basta comparar com o que aconteceu em países vizinhos, como Argentina e Paraguai), cabe aos jornalistas — aqueles cientes de sua responsabilidade histórica — chamarem as coisas pelos nomes devidos.

O cineasta Jean-Luc Godard cunhou uma frase lapidar sobre a suposta imparcialidade de certas coberturas televisivas: “Cinco minutos para Hitler, cinco minutos para os judeus”.

Isso não significa que a série Esplanada dos Ministérios se constitua em um amontoado de artigos: ela é feita de notícias, reportagens, dados, fatos. Construídos pelo governo Bolsonaro desde o dia 1º de janeiro de 2019, em alguns casos; em outros, desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a definir a crise sanitária como uma pandemia.

No sábado, por exemplo, ao analisarmos material divulgado pelo ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, publicamos a seguinte notícia: “Governo federal distribuiu 100 mil unidades de cloroquina para indígenas“.

O observatório defende que não somente Bolsonaro responda por crimes contra a humanidade.

| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas |

Imagem principal (Reprodução de fotos, com arte de Gabriela Leite): Bolsonaro, Mourão e oito entre os principais ministros do governo

LEIA MAIS:
Série destaca o papel de cada ministro no governo genocida de Jair Bolsonaro
Esplanada da Morte (I) — O papel de Paulo Guedes na implosão de direitos e na explosão da pandemia
Esplanada da Morte (II) — Chefe da Funai foi aliado de invasores de terra indígena no MT
Esplanada da Morte (III) — Deboche de Damares esconde ataques a povos vulneráveis
Esplanada da Morte (IV) — Ernesto Araújo internacionaliza negacionismo e ódio
Esplanada da Morte (V) — Por que Ricardo Salles e sua “boiada” continuam passando?
Esplanada da Morte (VI) — Onyx Lorenzoni tem trajetória anti-indígena e pró-frigorífico
Esplanada da Morte (VII) — Não é só Weintraub que odeia “o termo” povos indígenas
Esplanada da Morte (VIII) — Por exportações, Tereza Cristina minimiza surtos em frigoríficos
Esplanada da Morte (IX) — Eduardo Pazuello, o ministro das 100 mil mortes, é o gestor da matança
Esplanada da Morte (X) — Mandetta esteve em ataque a terra demarcada que terminou com morte de indígena
Explanada da Morte (XI) — Militar comanda secretaria que assiste a massacre de indígenas por Covid-19
Esplanada da Morte (XII) — Sérgio Camargo ignora as mortes quilombolas por Covid-19
Esplanada da Morte (XIII) — Ministro da Justiça ignora invasão de terras indígenas na pandemia
Esplanada da Morte (XIV) — Militares levam Covid-19 à Amazônia, mas recusam termo “genocídio”
Esplanada da Morte (XV) — Um genocida em cem atos: cem momentos violentos de Jair Bolsonaro
Esplanada da Morte (XVI) — Mourão mimetiza a ditadura ao ignorar extermínio de indígenas na Amazônia
Esplanada da Morte (XVII) — Quem são os oportunistas e quem são os urubus, Augusto Aras?
Esplanada da Morte (XVIII) — Acuado, STF contraria Bolsonaro, mas evita confronto efetivo
Esplanada da Morte (XIX) — Como o Congresso ajudou a criar as condições para o genocídio
Esplanada da Morte (XX) — Entenda como Gabinete do Ódio politiza pandemia e põe vidas em risco

You may also read!

Prefeito de Eldorado do Sul terraplanou terreno em APA às margens do Rio Jacuí

Empresa em nome de sua família foi investigada pelo Ministério Público após aterrar área de "banhado" da Área de

Read More...

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu