Série destaca o papel de cada ministro no governo genocida de Jair Bolsonaro

In De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

De Olho nos Ruralistas estreia nesta terça um conjunto de reportagens chamado Esplanada da Morte; ela esmiuçará os ataques de ministérios, secretarias e autarquias aos direitos dos povos do campo e a omissão de cada político no avanço da Covid-19 no Brasil

Por Alceu Luís Castilho

No dia 03 de junho, De Olho nos Ruralistas decidiu dar à sua cobertura jornalística sobre a pandemia o nome de De Olho no Genocídio. Menos de dois meses depois, a opção editorial por uma cobrança contundente do governo — no momento em que o número de mortes oficiais no Brasil se aproxima de 100 mil — ganha uma série específica de reportagens, chamada Esplanada da Morte.

A estreia é com o ministro da Economia, Paulo Guedes: “Esplanada da Morte (I): o papel de Paulo Guedes na implosão de direitos e na explosão da pandemia no Brasil“.

Qual o papel dele no ataque aos povos do campo? Que relação tem a política de matriz liberal com os discursos de ódio promovidos por Jair Bolsonaro e ministros como Ricardo Salles e Damares Alves? Os gabinetes verde-oliva diferem substancialmente do gabinete de Guedes, em meio à sua roupagem supostamente tecnocrata?

O objetivo da série de reportagens é retratar o papel de cada ministério na necropolítica comandada por Bolsonaro. Outras unidades do governo, como a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), esta última do Ministério da Saúde, ganharão um retrato à parte, diante de seu impacto nos povos do campo, um tema central do observatório.

A série não se propõe, com a referência à Esplanada dos Ministérios, a questionar o trabalho dos servidores, que muitas vezes tentam manter conquistas históricas, como aquelas da Constituição de 1988. Mas sim a questionar a política posta em prática pelos ministros, secretários e demais chefes, alinhados à violência verbal do presidente e à tentativa de implosão de direitos humanos, sociais e ambientais.

OBSERVATÓRIO DEFENDE USO DA PALAVRA GENOCÍDIO 

De Olho nos Ruralistas fala em genocídio muito antes de o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), chamar a atenção da imprensa para o termo. No domingo, mais de 50 organizações brasileiras e estrangeiras protocolaram no Tribunal Penal Internacional, em Haia, mais uma denúncia contra Bolsonaro por genocídio e crimes contra a humanidade.

(Arte: Gabriela Leite, sobre ilustração de Baptistão)

A posição do observatório é crítica ao modo acanhado que a imprensa brasileira adota em relação ao massacre em curso. Diante de uma matança histórica e desnecessária (basta comparar com o que aconteceu em países vizinhos, como Argentina e Paraguai), cabe aos jornalistas — aqueles cientes de sua responsabilidade histórica — chamarem as coisas pelos nomes devidos.

O cineasta Jean-Luc Godard cunhou uma frase lapidar sobre a suposta imparcialidade de certas coberturas televisivas: “Cinco minutos para Hitler, cinco minutos para os judeus”.

Isso não significa que a série Esplanada dos Ministérios se constitua em um amontoado de artigos: ela é feita de notícias, reportagens, dados, fatos. Construídos pelo governo Bolsonaro desde o dia 1º de janeiro de 2019, em alguns casos; em outros, desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a definir a crise sanitária como uma pandemia.

No sábado, por exemplo, ao analisarmos material divulgado pelo ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, publicamos a seguinte notícia: “Governo federal distribuiu 100 mil unidades de cloroquina para indígenas“.

O observatório defende que não somente Bolsonaro responda por crimes contra a humanidade.

| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas |

Imagem principal (Reprodução de fotos, com arte de Gabriela Leite): Bolsonaro, Mourão e oito entre os principais ministros do governo

You may also read!

Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária disputam prefeituras em dez capitais

Entre os mais conhecidos estão Celso Russomanno e Joice Hasselmann, em São Paulo; dos 67 deputados e senadores que

Read More...

Desassistidos, quilombos sofrem com agravamento da fome na pandemia

Em arguição ao STF, comunidades queixam-se da ausência de ações que viabilizem a segurança alimentar, como a distribuição de

Read More...

Candidatos com multas e lista de acusações avançam na capital da pecuária, no Pará

Com maior rebanho do Brasil e vice-campeão em devastação, São Félix do Xingu e arredores atraem políticos de diversas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.