Esplanada da Morte (XVIII) — Acuado, STF contraria Bolsonaro, mas evita confronto efetivo

In De Olho na Justiça, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Supremo criou página para listar medidas de combate à pandemia, mas permitiu que o presidente divulgasse notícias falsas sobre decisão por autonomia de estados e municípios no isolamento; e deixou rolar solta a apologia ao uso anticientífico da cloroquina 

Por Leonardo Fuhrmann

A animosidade do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos em relação ao Supremo Tribunal Federal (STF) é anterior à eleição de 2018, quando ele foi eleito. Em uma videoaula em julho daquele ano, o hoje deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho número 03, falou sobre a possibilidade de fechamento da Corte:

— Cara, se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo, não.

Bolsonaro e seus aliados mantiveram o desrespeito ao Judiciário depois da eleição. Um exemplo foi a reunião de 22 de abril, divulgada após o ex-ministro da Justiça Sergio Moro afirmar que ela comprovava a tentativa de interferência do presidente na Polícia Federal para proteger seus parentes e amigos. Nela, o então ministro da Educação Abraham Weintraub foi porta-voz do ataque:

— O povo tá querendo ver o que me trouxe até aqui. Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca.

Mais do que ser conivente com as falas de um de seus filhos e do ministro, o próprio presidente também participou, em um helicóptero militar, de um ato em Brasília, no mês de maio, em defesa de um golpe militar com o fechamento do Supremo. Além de desfilar a cavalo para os manifestantes. Bolsonaro chegou a transmitir a manifestação a seus seguidores pela internet.

Qual o papel do Supremo na escalada da pandemia no Brasil? De Olho nos Ruralistas publica, desde o dia 28 de julho, a série Esplanada da Morte, sobre o papel de cada ministro (entre outros integrantes do governo) no aumento dos casos de Covid-19 no Brasil, em particular entre os povos do campo. Nesta reta final da série, instituições como a Procuradoria-Geral da República (PGR), o STF e o Congresso também estão sendo questionadas.

REVISTA NARROU PLANO DE INTERVENÇÃO NA CORTE

Série de cards questiona personagens centrais na expansão da pandemia. (Imagem: Reprodução/De Olho nos Ruralistas)

Naquele mesmo mês de maio, segundo reportagem da revista Piauí, Bolsonaro chegou a tramar o fechamento do Supremo Tribunal Federal. Foi dissuadido pelos ministros militares a abandonar o plano da quartelada. O motivo seria a decisão do decano da Corte, ministro Celso de Mello, de consultar a PGR sobre um pedido de apreensão dos celulares do presidente e de seu filho, o vereador carioca Carlos Bolsonaro, um dos responsáveis pela movimentação de suas redes sociais.

Nada disso foi suficiente para que o ministro Dias Toffoli, que deixou neste mês a presidência do STF, apontasse autoritarismo do presidente, ao colocar em risco a democracia e espalhar uma atitude negacionista em relação à pandemia. Pelo contrário, Toffoli endossou a atitude de Bolsonaro: “De todo relacionamento que tive com o presidente Jair Bolsonaro e com seus ministros de Estado, nunca vi da parte deles nenhuma atitude contra a democracia”.

O desejo dos ministros de não criar conflitos com o Executivo foi apontado pelo cientista político Paulo Niccoli Ramirez, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, em entrevista à Rede Brasil Atual. “A impressão é que o STF toma medidas de cautela e de proteção à própria instituição”, analisou. “É uma instituição acuada pelos discursos de ódio e ameaças que surgem do próprio Bolsonaro ou de seus apoiadores”. Para ele, a situação não muda com o início do mandato de Luiz Fux no comando do STF.

LUIZ FUX E CONVIDADOS FORAM INFECTADOS APÓS A POSSE

Show de trapalhadas: posse de Fux infectou também Rodrigo Maia e Augusto Aras. (Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF)

O novo presidente deu um mau exemplo, a exemplo de Bolsonaro, em sua posse, ao decidir por um evento presencial. Muitos dos convidados não usaram máscaras. O resultado é que, depois da posse, o próprio Luiz Fux testou positivo para o novo coronavírus. Também foram infectados o procurador-geral da República, Augusto Aras, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Maria Cristina Peduzzi, e os ministros do STJ Luís Felipe Salomão e Antonio Saldanha Palheiro.

Bolsonaro aproveitou essa omissão para divulgar notícias falsas a respeito de decisões judiciais. Para esconder seu protagonismo durante a pandemia, ele afirmou que o Supremo não permitiu que ele atuasse, passando a responsabilidade para estados e municípios. Mas a decisão estabelecia que o governo federal, estados e municípios têm poder para tomar decisões em defesa da população. O STF, com a decisão, apenas evitou que o presidente impedisse governadores e prefeitos de criar regras de isolamento.

Na Corte existem três processos contra Bolsonaro e seus ministros pela defesa do uso da cloroquina, mesmo contrariando as evidências científicas. Em nenhum deles há decisão contrária à propaganda e aquisição da substância, que, além de colocar a população em risco e incentivar a automedicação, causa dano aos cofres públicos. Em um deles, o ministro Alexandre de Moraes negou a liminar. O processo chegou a ser pautado para julgamento, mas não entrou em votação. Outros dois estão sob a relatoria do ministro Celso de Mello. Um teve a manifestação do Ministério da Saúde e outro aguarda a resposta da PGR.

Em outros pontos, o Supremo tomou medidas contrárias aos interesses do governo. Suspendeu parte da Medida Provisória (MP 928/2020) que limitava o acesso às informações prestadas por órgãos públicos durante a emergência de saúde pública decretada em razão da pandemia. Também limitou o alcance da MP 966/2020, que queria isentar de responsabilidade os agentes públicos por medidas tomadas no combate à Covid-19.

Para o tribunal, os agentes devem observar critérios técnicos e científicos de instituições médicas e sanitárias durante a pandemia e podem ser responsabilizados caso os contrariem. O Supremo garantiu também, em processos contra a União, a entrega de ventiladores pulmonares a estados e obrigou o governo federal a tomar medidas de proteção à saúde de indígenas. O ministro Gilmar Mendes, por fim, referindo-se às ações do Exército na Amazônia, foi o único a pronunciar a palavra genocídio.

Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Imagem principal (G.Dettmar/Ag.CNJ): gestão de Dias Toffoli foi simpática a Jair Bolsonaro

LEIA MAIS:
Série destaca o papel de cada ministro no governo genocida de Jair Bolsonaro
Esplanada da Morte (I): O papel de Paulo Guedes na implosão de direitos e na explosão da pandemia
Esplanada da Morte (II) — Chefe da Funai foi aliado de invasores de terra indígena no MT
Esplanada da Morte (III): Deboche de Damares esconde ataques a povos vulneráveis
Esplanada da Morte (IV) — Ernesto Araújo internacionaliza negacionismo e ódio
Esplanada da Morte (V) — Por que Ricardo Salles e sua “boiada” continuam passando?
Esplanada da Morte (VI) — Onyx Lorenzoni tem trajetória anti-indígena e pró-frigorífico
Esplanada da Morte (VII) — Não é só Weintraub que odeia “o termo” povos indígenas
Esplanada da Morte (VIII) — Por exportações, Tereza Cristina minimiza surtos em frigoríficos
Esplanada da Morte (IX): Eduardo Pazuello, o ministro das 100 mil mortes, é o gestor da matança
Esplanada da Morte (X): Mandetta esteve em ataque a terra demarcada que terminou com morte de indígena
Explanada da Morte (XI): militar comanda secretaria que assiste a massacre de indígenas por Covid-19
Esplanada da Morte (XII): Sérgio Camargo ignora as mortes quilombolas por Covid-19
Esplanada da Morte (XIII) — Ministro da Justiça ignora invasão de terras indígenas na pandemia
Esplanada da Morte (XIV) — Militares levam Covid-19 à Amazônia, mas recusam termo “genocídio”
Esplanada da Morte (XV) — Um genocida em cem atos: cem momentos violentos de Jair Bolsonaro
Esplanada da Morte (XVI) — Mourão mimetiza a ditadura ao ignorar extermínio de indígenas na Amazônia
Esplanada da Morte (XVII) — Quem são os oportunistas e quem são os urubus, Augusto Aras?

You may also read!

Imobiliária de Ricardo Nunes mostra conexão empresarial com parceiros da zona sul

Dono da Topsul Empreendimentos, prefeito e amigos maçons montaram empresa em nome de parentes; todos tinham conexão com Associação

Read More...

Green Village: o condomínio em Interlagos onde Ricardo Nunes e amigos fazem seu “banco imobiliário”

Maçons e empresários do ramo de imóveis, grupo do prefeito tem apartamentos no local e tentáculos na prefeitura, em

Read More...

Abraji define nota da prefeitura de São Paulo como “intimidação” ao De Olho nos Ruralistas

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo manifestou apoio ao observatório após Ricardo Nunes associar cobertura a crime de "perseguição"; reportagem

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu