Brasil precisa de lockdown imediato para salvar centenas de milhares de vidas

In De Olho na Imprensa, De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

De Olho nos Ruralistas alinha-se ao cientista Miguel Nicolelis na defesa de um bloqueio nacional rígido, como forma emergencial de barrar o avanço da Covid-19 no Brasil; veículos de imprensa precisam tomar posição clara a respeito, sob pena de serem cúmplices

Por Alceu Luís Castilho

A diferença é clara: sem lockdown, o Brasil assistirá a uma matança por Covid-19 ainda maior, nos próximos meses. Com lockdown, centenas de milhares de vidas podem ser salvas. De Olho nos Ruralistas alinha-se ao cientista Miguel Nicolelis, que em seu podcast no El País defendeu a necessidade imediata — emergencial — de um bloqueio nacional rígido, resguardados serviços essenciais, para diminuir o índice de transmissão e o país poder respirar, durante o combate à pandemia.

O lockdown foi o tema do terceiro vídeo da série De Olho no Genocídio, iniciada em março. Essa série se inspira na editoria homônima, criada pelo observatório em junho de 2020, e busca apontar os vários responsáveis pelo massacre em curso no Brasil.

Confira o vídeo:

O primeiro vídeo da série faz um panorama do genocídio — dessa matança por decisão política no Brasil — a partir de seu principal personagem, o presidente Jair Bolsonaro: “Brasil precisa se organizar para punir Bolsonaro“. O segundo vídeo, inspirado pelo gesto de “poder branco” feito por um assessor importante do governo, aborda as conexões do bolsonarismo com movimentos racistas internacionais, entre eles o próprio nazismo: “Entenda como governo Bolsonaro é supremacista“.

O próximo vídeo será sobre o papel do capital. Dos empresários, das empresas. Do mercado.

De Olho nos Ruralistas defende que a imprensa suba o tom em relação ao massacre. Uma vez, o cineasta Jean-Luc Godard ironizou o suposto equilibrismo de parte da imprensa, referindo-se a determinadas coberturas televisivas: “Cinco minutos para Hitler, cinco minutos para os judeus”. Ou seja, a noção de proporcionalidade é obrigatória para a imprensa, em diálogo direto com seu compromisso histórico de defender os direitos humanos.

A posição do observatório é por uma punição internacional para Bolsonaro e seus principais apoiadores. Seja dentro do governo, seja fora dele, entre engravatados, togados e empresários. Inclusive os donos de meios de comunicação. Assistir a uma matança nessa escala sem apontar os responsáveis — o que continuaremos a fazer nos próximos vídeos — significaria cumplicidade.

Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas. |

Imagem principal: De Olho nos Ruralistas

You may also read!

Assentados do Pará denunciam extorsão por advogado ligado ao agronegócio

Eles dizem que tática de William Lopes é difamar órgãos públicos, ONGs e sindicatos, enquanto cobra dinheiro para criar

Read More...

Acusado de matar líder, fazendeiro ameaça com armas e drones no Tocantins, contam camponeses

Em 2018, o grileiro Paulo Freitas conseguiu expulsar famílias que acampam em Palmeirante; hoje ele intimida as famílias obrigadas

Read More...

Plataforma mostra uso do fogo como arma de guerra contra povos do campo

Dossiê lançado por trinta organizações retrata devastação ambiental e conflitos por terra gerados pelo agronegócio no Cerrado, na Amazônia

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.