Vídeo mostra lógica supremacista do governo Bolsonaro

In De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Série De Olho no Genocídio mostra que copo de leite e símbolo do poder branco compõem um projeto de governo discriminatório; essa presunção de que há humanos inferiores aos outros está no âmago do expansionismo do agronegócio e da mineração em terras indígenas

Por Alceu Luís Castilho

O segundo vídeo da série De Olho no Genocídio começa com Jair Bolsonaro falando sobre quilombolas no clube Hebraica, no Rio, medindo-os em arrobas. Mas a imagem é a de Filipe Martins, assessor para assuntos internacionais, durante audiência no Senado, a fazer o gesto do poder branco, famoso na língua inglesa, white power. Com isso, o observatório busca mostrar que, da campanha eleitoral ao cenário atual, tem-se um projeto político em curso: essencialmente discriminatório.

De Olho nos Ruralistas definiu em junho de 2020 sua cobertura da pandemia como uma cobertura de genocídio. A decisão de fazer uma série de vídeos sobre o tema decorre da emergência que vive o Brasil. A posição editorial é clara em defesa da punição daqueles que comandam a matança. No caso do supremacismo, ele antecede a pandemia. As políticas do governo federal de exclusão de direitos, em particular aqueles dos povos do campo, mostram que o racismo é intrínseco ao bolsonarismo.

Confira o vídeo:

O primeiro vídeo da série fez um panorama do genocídio em curso, com ênfase no governo Bolsonaro, mas acenando para outros temas, como o papel do poder econômico na efetivação desse massacre: “Brasil precisa se organizar para punir Bolsonaro“. Exatamente a influência do capital nesse governo e nas medidas tomadas pela pandemia — a potencializar a pandemia — será um dos temas dos próximos vídeos.

Em julho de 2020, o observatório colocou no ar a série Esplanada da Morte. Sobre o papel de vários ministros do governo Bolsonaro, entre outros integrantes do governo, como o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), ou mesmo de outros integrantes do poder público, da Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A linha editorial em relação ao tema pode ser resumida em duas frases: 1) é preciso se referir a Jair Bolsonaro com os nomes exatos; 2) não basta falar de Bolsonaro, é preciso falar daqueles que o mantêm no poder.

Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas. |

Imagem principal: De Olho nos Ruralistas

LEIA MAIS:
De Olho nos Ruralistas faz série de vídeos sobre o genocídio no Brasil
Brasil precisa de lockdown imediato para salvar centenas de milhares de vidas
Video mostra papel do mercado e dos empresários no genocídio

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu