Ratinho, o Fazendeiro (IV) — Apresentador diz que suas terras no Acre têm 149.500 hectares

In Amazônia, De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

Em resposta a reportagens do De Olho nos Ruralistas, Grupo Massa diz que preservará floresta e trabalhará com créditos de carbono; em outra ocasião ele chegou a falar em 200 mil hectares, 1/3 da Palestina; povos indígenas criticam o latifúndio e seus impactos 

Por Mariana Franco Ramos

Três dias após o início da publicação de reportagens sobre seu império agrário, o Grupo Massa emitiu uma nota relativa às terras no Acre, tema do segundo texto da série. A empresa pertencente ao apresentador Carlos Massa, o Ratinho, informou que a área total na Amazônia é de 149.400 hectares, e não 175.300 hectares. E que as terras estão “documentadas e regularizadas pelos órgãos ambientais há mais de vinte anos”.

Uma área de 149.400 hectares é quase o tamanho de Guadalupe, território francês no Caribe. Ou uma vez e meia o território de Hong Kong. Para se ter uma ideia melhor, a área da Palestina corresponde a 600 mil hectares, pouco mais que os 580 mil hectares que formam o Distrito Federal.

O Grupo Massa não fez menção aos despejos que ocorrem há pelo menos dezoito anos em terras do empresário, do Acre ao Paraná. De acordo com a empresa, o projeto do grupo é “manter a preservação da floresta e trabalhar com crédito de carbono”.

A primeira reportagem, sobre conflitos com camponeses, foi publicada na terça-feira (20). No dia seguinte foi a vez da reportagem sobre o latifúndio na Amazônia, adquirido junto à Companhia Paranaense de Colonização Agropecuária e Industrial do Acre (Paranacre). Fontes ouvidas pelo observatório contam que elas são fruto de um processo de grilagem, iniciado com os antigos donos, e de exploração de mão de obra.

GRUPO REPETE ESTRATÉGIA DE ATAQUE DA FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA

Confira a nota na íntegra:

“Sobre a matéria veiculada pelo site De Olho nos Ruralistas e replicada pelo site Plural, o Grupo Massa reitera o compromisso que sempre teve com ações ambientais e de preservação. Sobre a área de 149 mil e 400 hectares localizada no Acre, informamos que as terras estão documentadas e regularizadas pelos órgãos ambientais há mais de 20 anos. A área permanece preservada de acordo com as políticas do Grupo de Preservação da Floresta Amazônica. O projeto do Grupo Massa para esta área e de manter a preservação da floresta e trabalhar com crédito de carbono. Lamentamos a divulgação de informações inverídicas e sem fundamento e reforçamos nosso compromisso no combate as fake News”.

O grupo foi procurado desde o dia 13, mas só se manifestou agora, após a replicação da série no site Plural, com sede no Paraná. A estratégia de classificar as reportagens de “fake news” é a mesma adotada pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), em ataques ao observatório, sem enviar nenhuma correção.

A série de reportagens foi produzida durante três meses, após pesquisa em dezenas de documentos — entre eles decisões judiciais — e várias entrevistas, de especialistas a líderes camponeses. De Olho nos Ruralistas mantém as informações publicadas.

GOVERNO DO PARANÁ DIZ DESCONHECER DESPEJOS REALIZADOS NO ESTADO

O governo do Paraná, chefiado por um dos filhos de Ratinho, Carlos Massa Ratinho Júnior, também divulgou uma nota relativa aos despejos realizados no estado, tema da primeira reportagem da série:

“O Governo do Estado lamenta não ter sido procurado pelo De Olho nos Ruralistas ou pelo Plural na reportagem, publicada e republicada sem o mínimo de senso crítico. Há no texto erros primários, como o intertítulo “Ratinho Jr despejou mais de 500 famílias no Paraná”. Como se sabe, processos de desapropriação são ordenados pelo Poder Judiciário e cumpridos pela autoridade policial, sem qualquer relação subjetiva com o chefe de Poder Executivo. O Governo do Estado também desconhece a informação de “nove despejos, em diversas regiões do Paraná” porque não foi consultado sobre eles e não teve a chance de se pronunciar, contextualizar a questão e se posicionar diante das ilações políticas. Nenhuma das supostas informações foi confrontada, restando, por óbvio, que se trata de mau jornalismo. O Governo do Estado também lamenta a relação desarrazoada entre as desapropriações realizadas pela autoridade policial com as empresas e pessoas citadas, além do uso de imagens distorcidas e retiradas de contexto para satisfazer a vontade do texto”.

Foto principal (Reprodução): Ratinho em uma de suas fazendas, durante visita da apresentadora Eliana

LEIA MAIS:
Ratinho, o fazendeiro (I) — Apresentador e família promovem despejos há pelo menos 18 anos
Ratinho, o fazendeiro (II) — Paranacre se apossou de terras “com os índios junto”
Ratinho, o fazendeiro (III) — Madeireiro, governador do AC quer que empresas explorem florestas públicas

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu