Conheça as agressões e votos contra mulheres dos membros da CPI do MST

In De Olho na Política, De Olho no Congresso, Em destaque, Principal, Últimas

Presidente da comissão, Tenente-coronel Zucco (PL-RS) tem cortado microfone de deputadas;  histórico de violência de gênero inclui professora sendo chamada de “jumenta” por político; sete integrantes apoiaram lei contra igualdade salarial entre homens e mulheres

Por Katarina Moraes 

Kim e Salles estão entre deputados misóginos. (Foto: Lula Marques/ Agência Brasil)

Dos 28 integrantes da CPI do MST, sete votaram contra o Projeto de Lei (PL) 1.085/2023, que prevê a obrigatoriedade da igualdade salarial entre mulheres e homens para trabalho de igual valor ou no exercício da mesma função. Três deles estão à frente da condução da CPI e dos trabalhos de criminalização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra: o primeiro vice-presidente, Kim Kataguiri (União-SP), o terceiro, Evair Vieira de Melo (PP-ES) e o relator Ricardo Salles (PL-SP).

A deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP) teve o microfone cortado três vezes pelo presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do  Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Tenente-coronel Zucco (Republicanos-RS). A censura de Zucco está sendo investigada pela Procuradoria-Geral da República. 

A mesa que dirige a CPI não tem a participação de mulheres. A sessão do dia 31 de maio foi encerrada após o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União), mandar o deputado Paulão (PT-AL) “calar a boca”. Pouco antes o bolsonarista Abílio Brunini (PL-MT) tinha se posicionado em frente das deputadas Sâmia e Talíria Petrone (PSOL-RJ), para impedir que elas vissem a sessão e olhassem de frente Zucco e Caiado.

KATAGUIRI, SALLES E CAROL DE TONI VOTARAM CONTRA IGUALDADE SALARIAL

A violência política de gênero não é novidade no Congresso, a começar pelos nomes que integram a comissão. Além de Sales, Kataguiri e Evair de Melo, votaram contra a obrigatoriedade da igualdade salarial entre mulheres e homens os titulares Capitão Alden (PL-PL), Caroline de Toni (PL-SC) e Magda Mofatto (PL-GO), além do suplente Rodolfo Nogueira (PL-MS).

A olavista Carol de Toni votou contra equiparação salarial entre gêneros. (Foto: Redes Sociais)

Ex-aluna do guru bolsonarista Olavo de Carvalho, Carol de Toni declara-se “antifeminista” e já apresentou um PL para acabar com a cota de 30% de mulheres exigida para o lançamento de candidaturas a deputados ou vereadores pelos partidos.

Com o objetivo de enfraquecer o direito ao aborto legal, o suplente da CPI Diego Garcia (Republicanos-PR) pediu uma investigação sobre a quantidade de procedimentos feitos no Brasil e de mortes maternas durante uma Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher. Ele alegou que os números divulgados são “inflados” como estratégia dos defensores do aborto. Ele quis homenagear a juíza Joana Ribeiro Zimmer, conhecida por tentar impedir uma criança de 11 anos, vítima de estupro, de fazer um aborto legal.

O 2º vice-presidente da Comissão, delegado Fábio Costa (PP-AL), tentou censurar a vereadora Teca Nelma (PSDB) quando era vereador em Maceió. Em 2021, ela se opôs à tentativa dele de conceder a Bolsonaro o título de Cidadão Honorário: expôs a ilegalidade da medida e chamou o ex-presidente de “genocida”, relembrando as mortes durante a pandemia. “Então quero invocar ao presidente essa solicitação, para censurar essa expressão injuriosa da vereadora Teca Nelma”, afirmou Costa em plenário.

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) foi xingada pelo suplente da CPI Alceu Moreira (MDB-RS) durante debate na Rádio Gaúcha. O deputado a chamou de “mentirosa”, em 2020, “mal educada” e “imbecil”. “Vai estudar um pouquinho mais, mentiroso”, reagiu Fernanda. “Grosso. E tu não levanta o dedo para mim. Imbecil é tu, machista. Machista e imbecil, não levante esse teu dedo pra mim. Tu é tudo que não presta, tudo que não presta na política”.

ÉDER MAURO SUGERIU QUE PROFESSORA FOSSE FUZILADA

Fernanda Melchionna também foi alvo do titular Éder Mauro (PL-PA), protagonista de uma série de ofensas misóginas em plenários, principalmente contra mulheres de esquerda. Em 2021, a deputada cobrou o uso da máscara pelo deputado, que a chamou de “chata pra porra”. “Eu não tenho nada contra as mulheres, já disse que sou casado com uma mulher — e uma mulher, não uma barata”, disse o deputado. “E sou filho de uma mãe, e não de uma chocadeira”.

Deputado Éder Mauro xingou professora de “jumenta” durante sessão na Câmara. (Imagem: Reprodução/TV Câmara)

No mesmo ano, o delegado afirmou que a deputada Maria do Rosário (PT-RS) precisava de um médico e de remédio. Ele também já se dirigiu a deputadas dizendo que já matou muita gente e que elas fossem dormir e se esquecessem de acordar.

A especialista em marketing eleitoral e digital Bruna Lorrane relatou à Repórter Brasil, em 2022, uma agressão de Éder em Belém durante eleição para uma associação de bairro. Segundo ela, que é transexual, as pessoas gritavam dizendo que era covardia bater em mulher e o parlamentar respondia: “Não tem mulher nenhuma para eu bater aqui”. Ela o processou pelo ato.

Durante uma sessão da Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara dos Deputados, em 2022, Éder defendeu que uma professora fosse fuzilada após ter usado a imagem de Jesus Cristo em uma prova escolar. Segundo ele, a docente teria utilizado um meme com a obra “Cristo Crucificado”, de Diego Velásquez, com os dizeres: “Bandido bom é bandido morto”.

“Esta jumenta empoderada e comunista deveria ter sido colocada em um tribunal, num paredão, para que ela não levasse esse seu entendimento para a nossa juventude, que está em formação de caráter”, afirmou o deputado. “Por isso, eu quero dizer aqui, nesta Comissão de Direitos Humanos e Minoria, que nós parássemos de ver o direito de minoria. Que nós nunca deixemos de ver o direito da maioria dos brasileiros que não quer esses valores errados”.

Éder foi delegado da Polícia Civil do Pará por 30 anos, entre 1984 e 2014. Ainda de acordo com a Repórter Brasil, ele confessou assassinatos, justificando que “eram todos bandidos”, e acumula 101 denúncias em ouvidoria por sua atuação como policial.

Ofensas machistas também são disparadas longe do plenário pelos deputados. Ministro do Meio Ambiente durante o governo Bolsonaro, Salles já trocou farpas com a cantora Anitta. Após a artista engrossar o coro #ForaSalles nas redes sociais, ele a chamou de “burrita” e afirmou que só conversaria quando ela pudesse nomear as capitais do Brasil e seus seis biomas. 

Durante um programa da rádio Jovem Pan, o deputado Gustavo Gayer (PL-GO), suplente da CPI, chamou a atriz Fernanda Montenegro e a apresentadora Xuxa Meneghel de “decadentes” por criticarem a gestão Bolsonaro.

Para saber mais sobre a atuação tendenciosa do presidente da CPI, Tenente-coronel Zucco, assista ao vídeo da série De Olho no Congresso:

Foto principal (Reprodução): deputados Tenente-coronel Zucco, Kim Kataguiri, Ricardo Salles e Evair de Melo são contra a reforma agrária e as mulheres

Katarina Moraes é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

LEIA MAIS:
Fazenda onde Salles humilhou camponesas está em penhora e tem histórico de desmatamento
Violência contra mulheres no campo cresce 377% em 2018; casos incluem tentativas de assassinato e criminalização
Quilombolas são as principais vítimas de humilhação no campo, aponta CPT
Presidente da CPI do MST atacou ‘índios’ por causa do Linhão de Tucuruí

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu