Lobby em defesa dos produtores de café é marca da bancada capixaba

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Senador Ricardo Ferraço (PSDB) e deputado Evair de Melo (PP) estão entre os mais ativos na defesa desse setor; dois membros da FPA são candidatos ao governo do estado

Por Alceu Luís Castilho

A foto principal desta reportagem parece a de dois garotos-propaganda. São eles o deputado Evair de Melo (PP) e o senador Ricardo Ferraço (PSDB). E não deixam de ser. Os parlamentares assumem um papel específico na defesa do setor cafeeiro. Não foi difícil achar foto similar – com Ferraço e o governador Paulo Hartung (MDB) alegres, igualmente exibindo uma peneira com grãos de café. O Espírito Santo é o segundo maior produtor do país, atrás de Minas.

Entre dez deputados federais capixabas, seis membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) buscam a reeleição. O candidato ao governo pelo PSL, Carlos Manato, também é signatário da FPA. Renunciou ao cargo para tentar a vaga no Palácio Anchieta. Foi o mesmo caminho feito pela senadora Rose de Freitas (Podemos), apoiada por Hartung. Manato indicou a mulher, Soraya Manato, como candidata a deputada pelo PSL.

Trata-se de uma bancada, portanto, com forte viés ruralista.

Ao lado de parlamentares mineiros, como Carlos Melles, Ferraço e Melo compõem o que pode ser definida como uma “bancada do café”. Em 2017, ela se mobilizou contra a disposição do governo de abrir o mercado para a importação de café. O presidente Michel Temer teve de ajudar a apagar o que se tornou um incêndio. Enviou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para conversar com Hartung:

– O presidente Temer me chamou esta semana para conversar, me pediu para mais uma vez conversar com o pessoal, principalmente do Espírito Santo, com o senador Ferraço, o deputado Evair, com o governador Paulo Hartung e com os produtores.

O observatório contou essa história no ano passado. O caso mostra como o setor do agronegócio não é uma massa compacta. Ele possui contradições internas, muitas delas decorrentes dessa fatia de subsídios – diretos e indiretos – para o setor. Evair de Melo chegou a criar um movimento contra a importação do produto. Para ele, trata-se de uma demanda da indústria para baixar o preço do produto, e não dos fazendeiros.

A foto com Melo e Ferraço foi tirada no contexto de um projeto de lei proposto pelo deputado e relatado pelo senador, o PL 41/2017, que institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Cafés de Qualidade. Entre os itens do projeto, como certificações, crédito rural e assistência técnica, pode-se observar o “crédito rural para a produção, industrialização e comercialização”. Ou seja, dinheiro público.

PEDALADAS SETORIAIS

A defesa de setores econômicos é um dos temas recorrentes desta série De Olho na Bancada Ruralista. Um dos candidatos à suplência na chapa de Ferraço, por exemplo, o empresário do setor de rochas ornamentais Eutemar Venturim (PSDB), explicou à Tribuna como seu nome foi escolhido: “O Ricardo fez o convite. Não é questão de ser interesse pessoal, mas do setor que eu trabalho e da região Sul”.

Ferraço e Hartung: peneira e colheitas. (Foto: Reprodução)

Titular da comissão do impeachment de Dilma Rousseff, Ferraço está entre os políticos mencionados por delatores da Odebrecht na Operação Lava Jato. Ele teria recebido R$ 400 mil por caixa 2, na campanha de 2010 ao Senado. O ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou o inquérito em junho, mas a Procuradoria-Geral da República pediu desarquivamento e envio à Justiça do Espírito Santo.

Ferraço declarou um patrimônio de R$ 4,4 milhões. Mais de dez vezes o que tinha em 2002, R$ 336 mil. Ele é filho do deputado estadual – e ex-deputado arenista – Theodorico Ferraço (DEM), três vezes presidente da Assembleia.  Theodorico também teve uma evolução patrimonial notável. Em 2006, de volta à política, possuía R$ 2,26 milhões. Hoje, R$ 5,3 milhões.

A mulher do patriarca, Norma Ayub, deputada federal pelo DEM com R$ 1,4 milhão em bens, está entre os poucos parlamentares do estado que não fazem parte da FPA. Só que ela também é da bancada do café. Ela teve sua candidatura liberada pela Justiça Eleitoral apenas na segunda-feira, por causa de uma condenação por improbidade administrativa.

Outro membro ativo da bancada do café, Evair de Melo declarou neste ano um patrimônio bem mais tímido que o dos Ferraço: R$ 9.885,89. Foi diminuindo. Em 2014, o administrador e técnico em agronomia informou possuir R$ 31.245,52. Há dez anos, candidato a prefeito de Venda Nova do Imigrante, ele tinha R$ 790 mil.

Melo era o preferido da bancada ruralista para assumir o Ministério do Meio Ambiente, em 2016, após a queda de Dilma Rousseff, mas Michel Temer optou por Zequinha Sarney.

Confira a lista dos deputados capixabas pertencentes à FPA, com informação dos planos de cada um para os próximos anos:

PRÓXIMA ETAPA: NORDESTE

Esta cobertura eleitoral do De Olho nos Ruralistas está dividida por regiões. O texto sobre os candidatos capixabas encerra a região Sudeste. Tivemos reportagens sobre os ruralistas mineiros, paulistas e fluminenses. Com reportagens extras no caso de São Paulo e Minas. Os próximos textos serão sobre os candidatos dos nove estados da região Nordeste.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Mobile Sliding Menu