De Olho nos Ruralistas lança 2ª parte do projeto ‘Os Invasores’ no Cine Belas Artes

In De Olho na Imprensa, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Dossiê aponta parlamentares e prefeitos com fazendas em TIs e políticos financiados por fazendeiros com sobreposições; evento tem exibição do filme “Vento na Fronteira” e debate com líder indígena Thiago Guarani e João Pedro Stédile, do MST

Por Luís Indriunas

Após mostrar os nomes de empresas nacionais e estrangeiras por trás de 1.692 sobreposições em 213 terras indígenas, De Olho nos Ruralistas lança, nesta quarta-feira (14), o dossiê “Os Invasores: parlamentares e seus financiadores possuem fazendas sobrepostas a terras indígenas”, com dados consolidados e inéditos sobre os políticos com sobreposições nessas áreas.

O evento de lançamento acontece no Cine Petra Belas Artes, em São Paulo, às 20h15. Contará com uma roda de debate e com a exibição do filme “Vento na Fronteira”, documentário premiado que apresenta um conflito entre fazendeiros e o povo Guarani Kaiowá na fronteira do Brasil com o Paraguai.

O observatório detalhará os casos e os nomes dos políticos encontrados durante a investigação de mais de seis meses. “Se a CPI do MST e os deputados querem debater seriamente invasão de terras no Brasil precisam entender quem declara fazendas em territórios indígenas”, diz o diretor do observatório, Alceu Luís Castilho. “A desigualdade de renda anda de mãos dadas com a desigualdade fundiária e a sociedade tem o direito de saber como as terras são apropriadas neste país”.

O debate contará com uma das diretoras do filme, Laura Faerman, o economista João Pedro Stédile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e o líder indígena Thiago Guarani, da TI Jaraguá, sob a mediação da historiadora Luma Prado, do De Olho nos Ruralistas.

O dossiê será disponibilizado ao público durante o lançamento e poderá ser baixado em nosso site.

DOCUMENTÁRIO FOI PREMIADO EM FESTIVAIS INTERNACIONAIS

Dirigido por Laura Faerman e Marina Weis, o documentário “Vento na Fronteira” expõe o conflito na TI Ñande Ru Marangatu, fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai. O roteiro opõe a professora Guarani Kaiowá Alenir Aquino Ximendes, que luta pelo direito de sua comunidade a terras ancestrais, e a fazendeira Luana Ruiz Silva, que se tornou advogada para brigar pelas terras de sua família na mesma área. Ela é um dos nomes cotados para prestar informações na CPI do MST.

Documentário acompanha a jornada da líder indígena Alenir Guarani Kaiowá. (Foto: Divulgação)

O filme teve sua estreia no maior festival de documentários dos Estados Unidos, o DOC NYC, em Nova York, e foi um dos três filmes brasileiros qualificados para disputar a categoria no Oscar 2023. Já recebeu nove prêmios, entre melhor filme e menções honrosas, um deles o de melhor filme da Competição Oficial de Documentários Latino-americanos do XX Festival Independente de Cinema e Direitos Humanos de Buenos Aires, anunciado no dia 07.

A partir das visões dessas duas mulheres antagônicas, o documentário explicita o processo histórico de expulsão e a violência contra os Guarani Kaiowá no Centro-Oeste, em um contexto de ascensão da extrema direita ao poder no Brasil.

As diretoras têm suas trajetórias marcadas pelo acompanhamento da Comissão Nacional da Verdade Indígena, em 2014, quando, pela primeira vez, foram investigadas as violências da ditadura contra os povos originários, que resultaram na morte de mais de 8 mil indígenas. A partir dessa pesquisa, as diretoras criaram a série audiovisual A Memória Perigosa, que reúne arquivos inéditos e dezenas de depoimentos de testemunhas e sobreviventes dos anos de chumbo.

Laura Faerman desenvolve projetos cinematográficos como diretora e produtora, em São Paulo, e trabalha com projetos audiovisuais no De Olho nos Ruralistas. Marina Weis, que vive em Berlim, na Alemanha, divide seu ofício cinematográfico com trabalhos sociocomunitários, ecofeminismo e permacultura.

| Luís Indriunas é editor e roteirista do De Olho nos Ruralistas. |

LEIA MAIS:
Relatório “Os Invasores” revela empresas e setores por trás de sobreposições em terras indígenas
O que dizem as empresas sobre “Os Invasores” e sobreposições em terras indígenas
Pecuária ocupa 123 mil hectares em terras indígenas, mostra estudo
“Os Invasores” mostra participação de gigantes da soja em sobreposições de terras indígenas
Madeireiros com sobreposição em terras indígenas comandam “lobby verde”
Multinacionais da cana avançam sobre território Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul
Denunciada por “soja suja” na OCDE, Cargill tem parceiros com sobreposição em terras indígenas
Conselheiro do Bradesco tem área sobreposta a terra indígena dos Xetá no Paraná
Syngenta foi dona de fazenda sobreposta à TI Porquinhos, no Maranhão
Veiga de Almeida: família carioca tem fazenda em uma das áreas indígenas mais devastadas do Brasil
Donos de espaços culturais de elite no Rio e São Paulo têm fazendas sobrepostas a terras indígenas
No Nordeste e no Pantanal, empreendimentos turísticos avançam sobre terras indígenas

You may also read!

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu