O agro é voraz: novo vídeo da campanha ‘Riquezas são diferentes’ evidencia conflitos gerados pelo agronegócio

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Grilagem, Povos Indígenas, Principal, Quilombolas, Sem categoria, Sem-Terra, Últimas

O apetite por novas terras e o rastro de violência deixado no campo são temas da terceira peça da série; observatório divulga o boletim De Olho nos Conflitos

O vídeo “O Agro é voraz” mostra como o modelo agrário defendido pelos ruralistas, baseado na monocultura em larga escala e no expansionismo territorial, impacta as vidas de indígenas, quilombolas, camponeses e demais povos tradicionais. A peça dá sequência à campanha ‘Riquezas são diferentes’, que questiona a campanha O Agro é Pop, da TV Globo. Os conflitos no campo são tema de uma das principais editorias do De Olho nos Ruralistas.

A eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em outubro aumenta a preocupação de que haja uma nova escalada na violência no campo. Apenas no fim de semana da vitória de Bolsonaro foram registrados cinco ataques a comunidades indígenas e assentamentos da reforma agrária.

Os temores são motivados pelo posicionamento do novo presidente. Ele já afirmou que “não haverá um centímetro a mais” demarcado para quilombolas e indígenas e fala em tratar o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) como um grupo terrorista. “Se for necessário prender 100 mil, qual o problema?”, perguntou seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal mais votado do Brasil.

A violência no campo não vem de hoje. Ela tem uma raiz histórica, oriunda da grilagem de terras públicas, da expulsão dos indígenas, da exploração de mão de obra escravizada e do violento processo de êxodo rural. Tudo isso para que as terras gerem riquezas para uma elite rural.

A campanha, lançada em agosto pelo De Olho nos Ruralistas, usa como mote um trecho da música “Miséria”, dos Titãs, para mostrar que monocultura é monocultura em qualquer lugar, mas ‘Riquezas são diferentes’. O primeiro vídeo fala sobre as condições precárias do trabalho no campo e a bancada ruralista. O segundo busca entender a relação de interdependência entre a monocultura e o uso intensivo e agrotóxicos.

VÍDEOS DIVULGAM EDITORIAS DO OBSERVATÓRIO

Lançado em setembro de 2016, De Olho nos Ruralistas teve uma pré-história em 2013 e 2014, com programas de entrevistas transmitidos ao vivo. Estruturou-se a partir de uma vaquinha virtual, há dois anos, e, desde o ano passado, mantém no ar a campanha de assinaturas intitulada inicialmente – até se atingir a primeira meta – De Olho nos Mil Parceiros.

As assinaturas podem ser feitas a partir de R$ 12 mensais, ou R$ 120 anuais. Por esse valor cada leitor recebe um boletim analítico semanal, chamado De Olho nos Ruralistas, com uma seleção do que é publicado nos quatro boletins diários: De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, De Olho na Comida, De Olho nos Conflitos.

Para receber os boletins diários é preciso doar pelo menos R$ 25 mensais, ou R$ 250 anuais. Ao longo dos últimos dois anos selecionamos milhares de notícias em cada tema, ajudando a tornar o debate sobre agricultura mais amplo.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.