O agro é voraz: novo vídeo da campanha ‘Riquezas são diferentes’ evidencia conflitos gerados pelo agronegócio

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Grilagem, Povos Indígenas, Principal, Quilombolas, Sem categoria, Sem-Terra, Últimas

O apetite por novas terras e o rastro de violência deixado no campo são temas da terceira peça da série; observatório divulga o boletim De Olho nos Conflitos

O vídeo “O Agro é voraz” mostra como o modelo agrário defendido pelos ruralistas, baseado na monocultura em larga escala e no expansionismo territorial, impacta as vidas de indígenas, quilombolas, camponeses e demais povos tradicionais. A peça dá sequência à campanha ‘Riquezas são diferentes’, que questiona a campanha O Agro é Pop, da TV Globo. Os conflitos no campo são tema de uma das principais editorias do De Olho nos Ruralistas.

A eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em outubro aumenta a preocupação de que haja uma nova escalada na violência no campo. Apenas no fim de semana da vitória de Bolsonaro foram registrados cinco ataques a comunidades indígenas e assentamentos da reforma agrária.

Os temores são motivados pelo posicionamento do novo presidente. Ele já afirmou que “não haverá um centímetro a mais” demarcado para quilombolas e indígenas e fala em tratar o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) como um grupo terrorista. “Se for necessário prender 100 mil, qual o problema?”, perguntou seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal mais votado do Brasil.

A violência no campo não vem de hoje. Ela tem uma raiz histórica, oriunda da grilagem de terras públicas, da expulsão dos indígenas, da exploração de mão de obra escravizada e do violento processo de êxodo rural. Tudo isso para que as terras gerem riquezas para uma elite rural.

A campanha, lançada em agosto pelo De Olho nos Ruralistas, usa como mote um trecho da música “Miséria”, dos Titãs, para mostrar que monocultura é monocultura em qualquer lugar, mas ‘Riquezas são diferentes’. O primeiro vídeo fala sobre as condições precárias do trabalho no campo e a bancada ruralista. O segundo busca entender a relação de interdependência entre a monocultura e o uso intensivo e agrotóxicos.

VÍDEOS DIVULGAM EDITORIAS DO OBSERVATÓRIO

Lançado em setembro de 2016, De Olho nos Ruralistas teve uma pré-história em 2013 e 2014, com programas de entrevistas transmitidos ao vivo. Estruturou-se a partir de uma vaquinha virtual, há dois anos, e, desde o ano passado, mantém no ar a campanha de assinaturas intitulada inicialmente – até se atingir a primeira meta – De Olho nos Mil Parceiros.

As assinaturas podem ser feitas a partir de R$ 12 mensais, ou R$ 120 anuais. Por esse valor cada leitor recebe um boletim analítico semanal, chamado De Olho nos Ruralistas, com uma seleção do que é publicado nos quatro boletins diários: De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, De Olho na Comida, De Olho nos Conflitos.

Para receber os boletins diários é preciso doar pelo menos R$ 25 mensais, ou R$ 250 anuais. Ao longo dos últimos dois anos selecionamos milhares de notícias em cada tema, ajudando a tornar o debate sobre agricultura mais amplo.

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.