Alexandre Garcia, Augusto Nunes, Ratinho: o que a mídia tem a ver com o genocídio?

In De Olho na Imprensa, De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Sexto vídeo da série sobre o massacre destaca o papel da imprensa na propagação de mentiras e desinformação, a partir dos interesses políticos e econômicos de SBT, Record e companhia; profissionais que se dizem jornalistas fazem o jogo dos patrões 

Por Alceu Luís Castilho

O que jornalistas como Alexandre Garcia, Augusto Nunes e Constantino ou apresentadores como Ratinho, Siqueira Jr. e Sílvio Santos têm a ver com o genocídio em curso no país? Em vez de prezarem o interesse público na busca e organização de informações sobre a Covid-19, eles divulgam notícias falsas e promovem o negacionismo. Ao apoiarem explicitamente um presidente de extrema-direita e desprovido de escrúpulos, Jair Bolsonaro, eles se tornam cúmplices em sua cruzada genocida.

O sexto vídeo da série De Olho no Genocídio, “Imprensa Cúmplice“, mostra que, por trás de cada jornalista à frente das telas, estão os donos dos veículos, todos a aplaudir o presidente, a negar a eficácia de medidas como o lockdown e a apoiar medicamentos nocivos para o tratamento da doença, como a cloroquina e a ivermectina. Tudo isso em nome do lucro. Essa imprensa que combate uma quarentena efetiva é a mesma que naturaliza a fome e que promove uma agenda financeira destrutiva, em meio às crises econômica e sanitária.

Empresários como Edir Macedo são os vendilhões da informação e da imagem, representantes de uma longa história do coronelismo eletrônico no Brasil, umbilicalmente ligado ao poder político. Esses aristocratas têm como um de seus maiores professores o onipresente Sílvio Santos, sogro do ministro das Comunicações de Bolsonaro, Fábio Faria, e  um adulador histórico do poder — da ditadura de 1964 aos tempos atuais.

Confira o vídeo:

DO EXÉRCITO AO MERCADO, VÍDEOS APONTAM PROTAGONISTAS DO MASSACRE

De Olho nos Ruralistas começou a divulgar em abril uma série de vídeos sobre o genocídio em curso no Brasil. A intenção é mostrar os vários protagonistas desse massacre que não é apenas biológico, mas também político, diante de um desgoverno que combina discurso negacionista, incompetência e virulência.

No primeiro vídeo, foi dado um panorama do genocídio em curso pelo governo Bolsonaro, a sua responsabilidade como presidente e a necessidade de mobilização para que ele seja responsabilizado, nacional e internacionalmente: “Brasil precisa se organizar para punir Bolsonaro“.

O segundo vídeo apontou o racismo e o expansionismo expressos desde antes das eleições de 2018 e multiplicado pelo governo em pequenos e grandes gestos, do white power aos projetos de lei contra os povos originários: “Vídeo mostra lógica supremacista do governo Bolsonaro”. Em sequência, um terceiro vídeo apoiou com ênfase a  necessidade de um isolamento nacional, rigoroso, eficaz, para estancar o crescimento das mortes no país: “Lockdown amplo e eficaz já é uma emergência“.

O quarto vídeo fala especificamente de um personagem pouco explorado, diante da blindagem feita pela imprensa comercial, sua aliada: o mercado. O capital é peça chave no combate ao lockdown, ou mesmo na difusão do negacionismo, a partir de alguns de seus representantes particularmente gananciosos e inescrupulosos: “É o capital que banca Bolsonaro e o massacre“.

As trapalhadas dos militares estão no sexto vídeo da série: “Perdidos na Selva”. Após a eleição de Jair Bolsonaro, o governo tornou-se cada vez mais militarizado, com tentáculos verde-oliva espalhados por órgãos públicos, estatais e autarquias. Os chefes desses soldados ocupam cargos importantes no governo federal e mantêm como prioridade a manutenção dessa influência — à margem de um eventual objetivo de salvar a vida de centenas de  milhares de brasileiros.

O observatório definiu em junho de 2020 sua cobertura da pandemia como uma cobertura de genocídio. A decisão de fazer uma série de vídeos sobre o tema decorre da emergência que vive o Brasil. A posição editorial é clara, em defesa da punição daqueles que comandam a matança.

Em julho de 2020, antes do atual formato audiovisual, estreava a série Esplanada da Morte. Sobre o papel de vários ministros do governo Bolsonaro, entre outros integrantes do governo, como o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), ou mesmo de outros integrantes do poder público, da Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas. |

LEIA MAIS:
De Olho nos Ruralistas faz série de vídeos sobre o genocídio no Brasil
Vídeo mostra lógica supremacista do governo Bolsonaro
Brasil precisa de lockdown imediato para salvar centenas de milhares de vidas
Vídeo mostra papel do mercado e dos empresários no genocídio
Vídeo mostra a participação dos militares no governo genocida

You may also read!

Lobby do agronegócio se organiza para “fiscalizar” material escolar

Apadrinhado por políticos da bancada ruralista, grupo de mães faz campanha no estilo Escola sem Partido, para interferir no

Read More...

Madeireiros pressionam comunidades a apoiar extração de madeira em Resex, diz sindicato

Cooperados parceiros de empresa invadiram a entidade, em Santarém (PA), exigindo retomada de projeto de manejo da reserva extrativista;

Read More...

Alvo da PF, Grupo João Santos tem dívida tributária de R$ 9 bi e histórico de trabalho escravo

Alvo da Operação Background, da Polícia Federal, conglomerado retransmite a Band em Pernambuco; com dívidas trabalhistas que somam R$

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.