Planos de governo evidenciam visões opostas sobre questões agrárias e ambientais

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Entre nove candidatos, cinco propõem ações para proteção ambiental; Bolsonaro e Álvaro Dias têm medidas contra defesa das florestas; reforma agrária só é citada por Haddad e Boulos

A análise dos planos de governo apresentados pelos presidenciáveis mostra diferentes abordagens para tratar a questão agrária. Um exemplo é a política de reforma agrária. Enquanto Fernando Haddad e Guilherme Boulos  apresentam metas específicas para a população camponesa, Jair Bolsonaro diz que a “propriedade privada é sagrada” e não pode ser “invadida, roubada ou expropriada”, esquecendo da emenda constitucional que garante expropriação de terras com incidência de trabalho escravo ou de propriedade do narcotráfico.

O líder nas pesquisas é, de longe, o candidato com mais propostas implosivas em relação a direitos socioambientais. Prometendo uma parceria com os Estados Unidos para exploração da Amazônia e o licenciamento de hidrelétricas em menos de três meses, o candidato do PSL se destaca pela agressividade contra os povos do campo: “Nem um centímetro a mais para índios e quilombolas”.

A preservação do meio ambiente é outro ponto que opõe os candidatos. As promessas vão da ocupação integral do território amazônico, mencionada por Álvaro Dias, ao fim dos subsídios à valorização da biodiversidade e proteção ao patrimônio natural indicada por Henrique Meirelles, em contraponto à política do governo Temer, do qual fez parte.

Em relação ao fomento à produção agropecuária, Geraldo Alckmin propõe foco nas regiões Norte e Nordeste, enquanto Ciro Gomes apoia o fortalecimento da indústria nacional, incluindo o incentivo à produção nacional de agrotóxicos.

O volume de propostas também é contrastante. Enquanto João Amoêdo dá destaque apenas à preservação ambiental, declarando o fim dos subsídios às fontes de energia não renováveis, Marina Silva detalha planos que vão de políticas de incentivo ao vegetarianismo e bem-estar animal ao fomento às atividades econômicas de povos tradicionais.

VEJA A SÉRIE COMPLETA:

Bolsonaro quer exploração da Amazônia “em parceria com os Estados Unidos”
Haddad propõe imposto rural progressivo contra especulação e tributo verde para descarbonizar a economia
Ciro Gomes defende incentivo à produção nacional de agrotóxicos
Alckmin teve líder do Endireita Brasil como secretário de Meio Ambiente, mas não quer “politização” na área
Marina alterna defesa de comida saudável com acenos ao agronegócio
Com vice ligado ao agronegócio, Amoêdo apresenta propostas apenas para o meio ambiente
Meirelles recicla programas ambientais anunciados por Temer e anuncia propostas que contrariam política atual
Álvaro Dias promete reintegração de posse sumária e ocupação “integral” da Amazônia
Boulos quer aumentar arrecadação de imposto rural e desapropriar terras griladas
João Goulart Filho é único candidato a apresentar meta no número de assentados pela reforma agrária

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...