De Chico Mendes a Gladson Cameli, Acre abriga o agronegócio e as resistências

In De Olho na Imprensa, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Nos últimos cinco anos, De Olho nos Ruralistas acompanhou a resistência dos povos da floresta no estado e mostrou ascensão dos bolsonaristas no estado, como o atual governador, agora investigado pela Polícia Federal; série sobre Ratinho foi um dos destaques recentes 

Por Mariana Franco Ramos

A terra de Chico Mendes e de tantos povos que dedicaram suas vidas a defender a floresta é também a terra de grandes proprietários, alguns deles “forasteiros”, e de políticos alinhados com o agronegócio. O atual governador, Gladson Cameli (PP), talvez seja o principal exemplo. Bolsonarista, ele é um dos sócios da Marmude Cameli, madeireira que briga na Justiça há mais de trinta anos contra o pedido de indenização dos Ashaninka, indígenas naturais da fronteira do estado com o Peru.

O Acre é o sexto estado da região Norte na retrospectiva de cinco anos do De Olho nos Ruralistas. Os primeiros foram os estados do Sul: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Depois foi a vez do Sudeste, pela ordem: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Os estados nordestinos da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do NorteCeará , Piauí e Maranhão deram sequência. Da região Norte, Pará,  AmapáAmazonasRoraima já foram retratados.

Os membros da comunidade foram vítimas da companhia nos anos 80, na chamada segunda ocupação do Acre. A Marmude acabou condenada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a pagar multa de cerca de R$ 35 milhões como forma de indenização. No Supremo Tribunal Federal (STF), os Cameli tiveram o recurso negado pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do caso. Cinco meses depois, porém, o mesmo ministro voltou atrás, como mostra reportagem do observatório.

TERRAS DE RATINHO FORAM OBJETO DE REPORTAGENS EM 2020

O governador do Acre foi destaque também na série “Ratinho, o Fazendeiro”, relembrada na retrospectiva do Paraná:Madeireiro, governador do AC quer que empresas explorem florestas públicas“.E le é o autor do Projeto de Lei (PL) nº 225/2020, em tramitação na Assembleia Legislativa (Aleac), que regulariza a exploração de florestas públicas por empresas privadas.

O texto atualiza as normas para processos de concessões em áreas naturais protegidas que estejam sob a gestão do estado. As terras elegíveis estão descritas no Plano Anual de Outorga Florestal 2020 e atingem o Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório, em Tarauacá (AC). É por ali que o apresentador de televisão Carlos Roberto Massa possui duas fazendas, de quase 200 mil hectares, e que, a exemplo do aliado, pretende explorar madeira. Relembre aqui.

Os ashaninka lutam há trinta anos por uma indenização. (Foto: Benki Piyako/Facebook)

POVOS DA FLORESTA ESTÃO ENTRE PRIMEIRAS VÍTIMAS DO GOVERNO GENOCIDA

Os “povos da floresta”, expressão que inclui indígenas, extrativistas e pequenos produtores que atuam em Unidades de Conservação como as Reservas Extrativistas, estão entre as primeiras vítimas do governo genocida de Bolsonaro. Em janeiro de 2019, o observatório já mostrava que as perspectivas eram de ameaça a uma série de conquistas obtidas com suor e sangue, incluído o de Chico Mendes. O líder seringueiro foi assassinado há 33 anos, no dia 22 de dezembro de 1988, como mostrou a primeira edição da série audiovisual De Olho na História:

A primeira realização concreta do presidente, via medida provisória, foi retirar a atribuição de demarcar terras indígenas da Fundação Nacional do Índio (Funai), levando a competência para o Ministério da Agricultura, por meio da Secretaria Especial de Assuntos Fundiários – comandada pelo líder ruralista Luiz Antônio Nabhan Garcia. Paralelamente, a MP retirou a demarcação de terras quilombolas do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a levou para a mesma pasta, que também passou a responder por algumas atividades do Serviço Florestal, antes sob a tutela do Ministério do Meio Ambiente.

O advogado Gomercindo Rodrigues, amigo e fiel de Chico Mendes, disse ao observatório que a tendência era de aumento nos conflitos. Ele citou o exemplo de um seringueiro que estava no famigerado e registrado empate de 1986, na fazenda da Bordon. Hoje sua terra compõe a reserva Chico Mendes, mas está sob pressão de um fazendeiro local. A situação fica mais difícil quando se sabe que não há defensores públicos do Estado com permanência em Xapuri há anos. Cada defensor fica alguns meses e depois é removido, a pedido ou por outros motivos, para outra cidade.

Bisneta e neta de Chico Mendes em frente da casa do seringalista. (Foto: Cristina Uchôa e Glauco Faria)

Em fevereiro de 2019, ao participar do programa Roda Viva, da TV Cultura, o então ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, disse não conhecer Mendes, reconhecido oficialmente como um dos Heróis da Pátria.

A intervenção do político tornou-se conhecida principalmente pela pergunta marcante feita sobre o sindicalista: “É irrelevante, que diferença faz quem é Chico Mendes neste momento?” Mais do que uma gafe, a fala está alinhada com discurso de fazendeiros da União Democrática Ruralistas (UDR) nos anos 80 e inimigos do modelo extrativista. Saiba mais aqui.

Há dois anos e meio, o observatório inaugurou a editoria De Olho na Resistência, com um perfil de Angélica Mendes: “Neta de Chico Mendes inspira-se em infância nos seringais para defender a Amazônia“. Em meio a tantas ameaças, como o desmonte de conquistas obtidas após o assassinato do líder sindicalista, as novas gerações somam forças para preservar a identidade e lutar pela preservação do bioma.

PRESIDENTE AMEAÇOU “FUZILAR A PETRALHADA” DO ACRE

Jair Bolsonaro disse: “vamos fuzilar a petralhada” no Acre, em setembro. (Foto: Reprodução)

Desde a campanha eleitoral, Bolsonaro investiu contra iniciativas de preservação do ambiente qualificadas por ele como “xiitas”. O observatório destacou a promessa de que a Amazônia será explorada por países estrangeiros, Estados Unidos à frente: “Bolsonaro quer exploração da Amazônia ’em parceria com os Estados Unidos“.

Pouco antes, em Rio Branco, o atual chefe do Executivo falou que iria “fuzilar a petralhada” do Acre. Chico Mendes era filiado ao PT. Chegou a ser candidato a deputado estadual, em dobradinha com a seringueira – futura senadora e presidenciável – Marina Silva, principal quadro da Rede Sustentabilidade. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, não viu crime na declaração.

Em uma transmissão feita pelo Facebook, Bolsonaro afirmou que ambientalistas devem trabalhar “de verdade” e não “por interesse”. “Vocês do meio ambiente não sabem como é produzir, o quanto é difícil ser agricultor no Brasil, e vai lá sempre meter a caneta nos caras”, disse, defendendo a intensificação da atividade turística em áreas de preservação.

EM CINCO ANOS, OBSERVATÓRIO EXPÕE OS DONOS DO BRASIL

A comemoração dos cinco anos do De Olho nos Ruralistas terá ainda várias peças de divulgação, visando a obtenção de 500 assinaturas, por um lado, e levar as informações a um público mais amplo, por outro. É urgente a necessidade de o país conhecer melhor o poder dos ruralistas e de formar no Congresso uma bancada socioambiental, um conjunto de parlamentares que defendam direitos elementares, previstos na Constituição e nos pactos civilizatórios internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Assista ao vídeo do aniversário:

Em setembro, inauguramos a versão audiovisual da editoria De Olho na Resistência, que semanalmente divulga informações sobre as iniciativas dos povos do campo e as alternativas propostas para o ambiente e a alimentação saudável. E em breve estreia uma campanha de internacionalização do observatório.

Você pode apoiar todos esses projetos aqui.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

Imagem principal (De Olho nos Ruralistas/Lunae Parracho/Reuters): Os povos da floresta no Acre sofrem o retrocesso na era de Bolsonaro.  

LEIA MAIS:
De Olho nos Ruralistas faz cinco anos e multiplica projetos
Usina de ruralistas influentes, RS multiplica negacionismo político
Empresários e políticos de SC colecionam latifúndios na Amazônia Legal
Berço da Lava Jato e da Carne Fraca, Paraná é palco de conflitos históricos
A força da grana e da cana: São Paulo, o centro envergonhado do ruralismo
Lobistas do leite e do eucalipto, políticos protagonizam conflitos no campo em Minas
De Eike aos banqueiros, Rio de Janeiro concentra os “ruralistas celebridades”
Dos lobistas do café a Jair Renan, a face política do agronegócio capixaba
Bahia é microcosmo dos conflitos no campo no Brasil
Da Exxon a André Moura: Sergipe importa ameaça a pescadores e consagra baixo clero
A cana, o boi e as comunicações comandam a política em Alagoas
Usineiros e seus herdeiros protagonizam conflitos agrários em Pernambuco
Na Paraíba, camponeses resistem a bolsonaristas e seus familiares
Dinastias políticas potiguares se perpetuam no estado e no Planalto
No Ceará, indígenas e camponeses sofrem com pandemia, fome e exploração
No Piauí, a velha relação entre políticos e a grilagem de terras
Assassinatos, incêndios e envenenamento marcam conflitos no campo no Maranhão

Políticos e grandes empresas protagonizam violência e devastação no Pará
No Amapá, latifúndio midiático coincide com poder político e agrário
Maior estado do Brasil revelou o clã dos Pazuello e sua história de violência
Fronteira da violência contra indígenas, Roraima coleciona políticos expansionistas

You may also read!

FPA destaca ruralistas “raiz” para alterações no Código Florestal

Senado pode analisar nos próximos dias combo de projetos que enfraquece a legislação; dois dos autores, Irajá Abreu (PSD-TO)

Read More...

Quem é Jacintho, homenageado por Gilberto Gil, o fazendeiro acusado de matar Marcos Veron

Falecido em 2019, aos 102 anos, Jacintho Honório da Silva Filho é apontado como mandante do assassinato do líder

Read More...

Cargill, Bunge, C. Vale e Coamo: conheça empresas que compram soja de área reivindicada pelos Guarani Kaiowá

Pesquisa da Earthsight e do De Olho nos Ruralistas identificou traders e cooperativas abastecidas por arrendatários da Fazenda Brasília

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu